Gorda, trans, tatuada, careca, cabelo colorido, terceira idade, vitiligo. A nova coleção da marca mineira Lolita Az Avessas surge no mercado da moda com uma proposta inovadora: dar protagonismo à mulher negra e sua pluralidade. O universo feminino valorizado em todas suas formas, tamanhos, cores e sabores. Isso por meio de peças que afirmam a diversidade de corpos representada pelas modelos. Intitulada ‘Protagonistas’, a série de criações ilustra a cultura negra e urbana em seu design, introduzindo contemporaneidade, feminilidade e empoderamento aos recortes e estampas.

O lançamento da última – e terceira – coleção aconteceu no último dia 7 na loja Real Vandal, localizada no tradicional Edifício Maletta, no centro de Belo Horizonte. A inspiração da coleção surgiu do incômodo da estilista Lorena Santos, de 36 anos, em relação ao lugar da mulher negra perante o mercado de trabalho e a sociedade. Assim, Lorena traduziu essa percepção na criação de saias, vestidos, blusas, croppeds, calças e moletons com modelagem ampla, confortável e moderna, que atendessem a esse público.

As modelos selecionadas são mulheres reais e com diversidade estética e corporal. “Queremos mostrar que o papel da moda é justamente refletir e desconstruir padrões e comportamentos que não nos representam e, na maioria das vezes, nos oprimem“. A escolha de uma personagem trans e uma com vitiligo é o ponto auge do editorial e do desfile. “Essas duas presenças serão o grande diferencial nesse trabalho”, conta Lorena.

14466338_878933412238753_1464483839_o
A representatividade de mulheres trans e pessoas com vitiligo (Divulgação/Carolina Aiala)

Diante dos padrões e preconceitos inseridos em uma sociedade patriarcal, Lorena afirma que a coleção é mais do que uma crítica, ela torna-se um símbolo de resistência a tudo isso. “A coleção vem contradizer, vem para incomodar, vem para dar voz e visibilidade às mulheres!“.

De acordo com a design, as mulheres negras são invisibilizadas em todos os sentidos e circunstâncias. “Sempre são tratadas na terceira pessoa do plural e, isso, sempre me causou repulsa“, afirma a estilista. O protagonismo referido na coleção vai além da história particular dessas mulheres, o título expressa o protagonismo delas em uma sociedade que as tornam coadjuvantes. “O ‘Protagonistas’ tem esse duplo sentido“.

14408229_878933385572089_1190101339_o
Os modelos plus size também são reverenciados pela marca (Divulgação/Carolina Aiala)

Inspiração

De acordo com a estilista, as peças vêm repletas de estampas que ressaltam a ancestralidade africana, em especial dos povos Akan – grupo cultural presente no Gana, Costa do Marfim e Tongo -, além disso, a marca apostou na estética das mulheres negras nas estampas, assim como em tipografias do grafite – um dos elementos da cultura hip hop.

A marca trabalha com o atrelamento da moda urbana a cultura negra, agregando através do estilo: voz, autoestima, representatividade e empoderamento feminino, além de diálogos e reflexões. “Nós vivemos dentro de uma sociedade machista e patriarcal e em um país que ignora ser racista – mesmo com as estatísticas provando o contrário – e ainda enaltecer uma cultura que é vista como marginalizada não é fácil. Mas a Lolita Az Avessas sempre andou na contramão disso tudo“.

_mg_1501-1
A diversidade das modelos que ilustram a coleção (Jéssica Munhoz/Portal Bhaz)

São mulheres reais espalhadas pela cidade, com diversidade de corpos e beleza negra, que trabalham e tem formação acadêmica. São mulheres que escrevem a sua história“, diz a estilista sobre as modelos.

Um dos elementos utilizados para a divulgação da coleção foi a produção de um vídeo. O material foi idealizado para contemplar e legitimar a atuação das mulheres em posições competitivas no mercado de trabalho, como em universidades e organizações de ensino, e também nas mais diversas áreas: artistas plásticas, cineastas, produtoras culturais, empresárias, educadoras, entre outros.

Criação e Propagação

Lorena Santos é figura conhecida no circuito cultural e alternativo de Belo Horizonte, desde 2009, quando lançou a marca Lolita Az Avessas. Hoje, a designer, que se formou em Moda no Centro Universitário Una, vê o número de “adeptos”, como chama carinhosamente os seus clientes, propagando-se pelas redes sociais, expandindo além das Minas Gerais.

Elas se reconhecem nas peças e adoram a modelagem pelo conforto“, conta Lorena, afirmando que a proposta de empoderamento das peças realmente funciona. “Eu já ouvi muito: ‘Nossa, eu tô linda‘”.

Jéssica Munhoz/Portal Bhaz
A estilista Lorena Santos (Jéssica Munhoz/Portal Bhaz)

De acordo com a estilista, o nome “Lolita Az Avessas” nasceu como uma subversão, ao perceber que sempre fazia as coisas de um jeito contrário ao que se esperava, mas sempre atingindo respostas e expectativas positivas. “O nosso objetivo é sempre propor originalidade, remar contra a maré, ser algo incrível e desejável, sem abrir mão do conforto e qualidade dos nossos produtos“, destaca a designer.

A primeira coleção temática “Filhas de Zumbi” (2015) foi inspirada em uma coletânea de textos, para comemorar o mês da consciência negra, em novembro. No mesmo ano, ela também lançou a coleção “Afro Divas”, inspirada na mulher negra contemporânea, atrelando uma variedade de estética e corpos.

Jéssica Munhoz

Jessica Munhoz é redatora do Portal Bhaz e responsável pela seção Cultura de Rua.

Carregar mais em Estética Urbana