Home Colunas Comicidade 10 dicas fundamentais pra quem quer fazer comédia stand up

10 dicas fundamentais pra quem quer fazer comédia stand up

Toda semana pelo menos uma pessoa me diz que deseja fazer comédia stand up e não sabe por onde começar. Eu sempre tento responder e ajudar. Porque acredito que os responsáveis pelo cenário de humor do país e como ele é visto são, antes de tudo, os próprios comediantes.

Parece óbvio, mas eu não saberia dizer quantas vezes já ouvi humoristas profissionais indignados com o descaso e a falta de profissionalismo de quem começa a fazer, das pessoas que não respeitam o meio e a arte.

Às vezes, em vez de reclamar, eu gosto de fazer algo. Assim, apresento 10 dicas fundamentais para quem quer começar a fazer stand up.

Como se apresentar?

Eu tive que atualizar o texto e adicionar essa parte antes de seguir às dicas.

Comediantes profissionais costumam abrir espaço em seus shows para aqueles que querem começar a fazer comédia ou estão começando. Essa oportunidade chama open-mic (ou apenas open), que é também o nome dado ao comediante iniciante.

É extremamente importante que o novo comediante entenda e valorize esse início de sua carreira como um momento para aprender a fazer comédia, antes de se nomear um comediante profissional. Normalmente, são oferecidos de três a cinco minutos para o open, porque é um tempo adequado para ele ir aprendendo as técnicas e a prática do stand up.

O cenário de comédia stand up sofre atualmente com a quantidade alarmante de comediantes iniciantes que não aproveitam os open-mics, não se dão tempo para aprender o básico da comédia e já começam a fechar shows como profissionais. O resultado é penoso para todos envolvidos, mas principalmente para o comediante, que nunca se desenvolve já que não aprendeu o básico e tenta fazer um show de 20 minutos, sem sequer saber apresentar por cinco. Humildade e auto-crítica, ter é necessário – momento Yoda.

1 – Use suas próprias piadas

O primeiro item da lista não vem nessa posição por acaso – os outros sim.

Trata-se da regra de ouro da comédia stand up. É o que diferencia o comediante stand up dos contadores de piadas e anedotas. Por isso, o “comediante” que usa piadas e textos que não são dele é considerado um hack, um picareta e um otário (pelo menos pra mim).

Isso acontece porque a comédia stand up preza pela autenticidade e individualidade de cada humorista. Fazer stand up é defender sua visão de mundo, suas interpretações e o que acredita.

texto autoral x honestidade

Além do fato de nenhum público querer ouvir piadas velhas ou anedotas, escrever suas próprias piadas é ser honesto e respeitar a carreira dos outros e a comédia em si. Apresentar-se profissionalmente com piadas alheias é literalmente ganhar dinheiro com o trabalho dos outros.

2 – Conheça a fórmula universal da piada

O que é essencial para escrever piadas? Saber reconhecer o que é uma piada e sua fórmula universal. A fórmula universal da piada se aplica a qualquer forma de piada, seja uma anedota, esquete ou bit de uma apresentação stand up.

setup + punch

Toda piada tem uma preparação (setup) e uma quebra (punch), que constituem a fórmula da piada. O setup é a parte em que são apresentados os elementos para que se entenda o punch, é o trecho da piada que diz o que é preciso saber para que ela tenha sentido e graça.

O punch – ou punchline – é a parte da piada em que há quebra ou distorção cômica. É o momento que gera o riso. Exemplo:

Piada: “Você sabe a estória do pintinho que não tinha cu? Foi peidar e explodiu.”
“Você sabe a estória do pintinho que não tinha cu?” (setup)
“Foi peidar e explodiu” (punch)

3 – Se expresse na comédia

Uma vez que você saiba como fazer uma piada, qualquer coisa pode ser tema para um texto de stand up. Um pensamento que lhe ocorreu, uma coisa que aconteceu ou algo que alguém lhe disse, quem escolhe o que abordar e como abordar é o humorista. E essa é uma parte crucial do processo criativo.

O conteúdo de suas piadas e a perspectiva adotada determinam o quão pessoal será seu texto. Há quem discorde, mas eu – e Louis CK, se você precisa de uma referência com mais credibilidade – acredito que o potencial de um comediante só é realmente desenvolvido quando ele leva sua comédia ao ponto mais particular e verdadeiro possível.

comédia x arte

Comédia é arte. Mesmo dentre os que não creem nesse aspecto do humor, é inegável que muitos usam a comédia como ferramenta de expressão. Este aspecto artístico da comédia confere o tom pessoal e único no texto e apresentação de cada um.

Suas características, a persona e o estilo de um comediante formam o que pode ser chamado da “voz” de um comediante. Neste vídeo, Louis CK explica como encontrou sua “voz” e de que forma uma entrevista de George Carlin mudou sua vida.

4 – Evite muletas

À medida que um comediante vai apresentando, ele nota que há recursos que facilitam algumas coisas no show ou tornam piadas mais engraçadas. Alguns desses recursos são muletas.

Muleta é tudo aquilo que um comediante usa para compensar a falta de graça ou conteúdo de uma piada (ou um show inteiro). Obviamente, o que é ou não muleta é extremamente subjetivo.

As muletas podem ser vícios de palco, como uma expressão que você sempre repete, “é ou não é?”. Uma muleta pode ser puxar aplausos da plateia ao final de cada piada, ou apenas forçar aplausos demais. Comumente, uma muleta é também o lugar-comum, como explorar um estereótipo fácil e preconceituoso.

Palavrões são muletas?

Mas nessa história de muletas, onde ficam os palavrões? Uma boa resposta pra essa pergunta provavelmente envolveria um palavrão. O uso de palavrões pode ser tanto um recurso cômico quanto algo natural na fala de um comediante. É exatamente nesse ponto que pode-se diferenciar quando um palavrão é muleta ou não.

É importante também lembrar que o uso de palavrões numa apresentação pode atrapalhar ou estreitar a aceitação do profissional no mercado, principalmente para eventos corporativos.

Uma prática conhecida que ajuda nesse dilema é se perguntar: “Essa piada perde a graça ao tirar o palavrão?”. A resposta pode ajudar a reconhecer uma muleta. Há quem diga que isso tudo de muleta e palavrão é pura frescura. Nesse caso, foda-se.

5 – Seja claro e conciso

Independentemente do seu tipo de apresentação e persona, o público precisa entender o que você diz. Além de uma boa dicção e pronúncia, uma primorosa apresentação requer que as piadas sejam escritas de forma concisa e clara.

De uma maneira geral, a piada precisa ser longa o suficiente para que as pessoas entendam e curta o suficiente para ter quebra/graça. Sua piada precisa ser entendida, no entanto, não pode ser muito explicada porque isso enfraquece a distorção cômica, a quebra e a força do punchline.

Esse aspecto diz respeito principalmente à preparação (setup). Quanto maior seu setup maior será a expectativa de um punch forte. O quanto essa piada precisa ser explicada para ser entendida? O que eu posso tirar pra deixá-la mais forte e concisa? Essas são as perguntas que acompanham um humorista em toda sua vida.

6 – Timing. É. Tudo.

Ou pelo menos bastante. Cada comediante tem um tempo diferente de entregar (apresentar) a piada. Este tempo é chamado de timing. De uma forma simplista pode-se pensar em timing como o “ritmo” do comediante, traçando um paralelo entre comédia e música.

Da mesma forma que um músico ou banda pode compor em diferentes ritmos para músicas distintas, o comediante também desenvolve diferentes timings em suas piadas e textos.

timing x persona

O stand up comic frequentemente encontra um estilo próprio, com seu próprio timing e é percebido por isso. Um profissional com uma persona bem definida pode ser reconhecido como autor de uma piada apenas pelo estilo e estrutura do texto.

Treinar em frente a um espelho ou se gravar (e assistir depois) entregando seu texto pode ser bastante útil, principalmente em suas primeiras apresentações.

7 – Revise, revise, revise

Uma palavra, uma vírgula ou uma pausa pode mudar toda a piada. Por isso é importante sempre revisar suas piadas e seus textos. É fundamental não enxergar o texto de comédia stand up como algo estático e acabado.

Uma piada está em constante mudança e evolução, seja na sua escrita ou na maneira como é contada. A cada apresentação, é natural que o comediante vá ajustando uma piada, buscando alcançar o máximo do potencial daquele bit, como lapidar um diamante.

8 – Estude a teoria da comédia

A comédia é uma prática que exige tanto técnica quanto criatividade. Semelhante a um pintor que aplica métodos quando pinta, um comediante também entende e usa a teoria da comédia na criação e entrega de uma piada.

por onde começar?

A teoria da comédia ainda é algo pouco pesquisado na comunidade acadêmica, mas existe uma bibliografia relevante para consulta, constituída principalmente por livros escritos por humoristas, além de oferecerem cursos e workshops.

Recomendo também uma série de vídeos que a comediante Carol Zoccoli está produzindo, chamada “Sobre Comédia”, e pode ser conferida no canal da humorista.

Uma maneira prática e divertida de estudar comédia é consumindo comédia. Assista seus comediantes favoritos, mas veja a apresentação tentando analisar tecnicamente. Como é a persona daquele comediante? Como é seu timing? Você consegue identificar o setup e o punch de cada piada? Aprenda a assistir comédia se perguntando: por que aquilo tem graça?

9 – Seja legal

Ser comediante stand up é lidar constantemente com pessoas, sejam os públicos, comediantes, produtores ou contratantes. A maneira como você lida com essas e outras pessoas pode determinar sua carreira.

não é só uma piada

Ser comediante não significa se isentar da responsabilidade daquilo que diz. É importante entender que o discurso cômico ainda é uma forma de expressão e, com seu direito de se expressar, entra a responsabilidade daquilo que você fala. Dizer “mas é só uma piada” só implica em menosprezar uma forma legítima de discurso.

Não quer dizer que um comediante não pode abordar um determinado assunto em sua apresentação, só significa que ele é responsável pela forma que ele fala e de qual lado da história ele fica. Stand Up em inglês não significa apenas literalmente “se levantar”, é também “se posicionar” em relação a algo.

10 – Seja você

Mesmo que seja bizarro. Em verdade, principalmente se for bizarro. Cada comediante stand up tem um jeito de criar e apresentar suas piadas e textos, é o que chamei de “voz” nesse texto.

Fazer comédia stand up é também uma prática de autoconhecimento. À medida que um humorista vai criando e se apresentando, as piadas tendem a se tornar cada vez mais características daquele comic. Quais seus traços de personalidade marcantes? Como você se comporta no palco? Deixe que sua voz apareça e tenha paciência no percurso.

Fazer comédia stand up é algo que exige estudo e principalmente dedicação. Espero que essas dicas possam ajudar futuros comediantes a se consagrar e futuros picaretas a desistir. Mas, caso contrário, ainda é melhor que fazer o que nós, comediantes, fazemos de melhor: só reclamar.

Atualizada às 15h do dia 07/12/2016

Acompanhe o Bhaz também no Youtube assinando nosso canal.

Comentários

Carregar mais em Comicidade