Home Notícias BH Cantora é presa após dar sinal de desembarque em ônibus que seria incendiado

Cantora é presa após dar sinal de desembarque em ônibus que seria incendiado

A cantora, compositora e estudante de música, Marcella Eduarda Januária Carvalho, conhecida como Madu, de 18 anos, foi presa na madrugada da última terça-feira (14) após o ônibus em que estava ter sido incendiado por um grupo de criminosos.

De acordo com o registro da ocorrência, a jovem estava no coletivo 342, quando, na altura do bairro Castanheiras, no Barreiro, ela deu sinal para desembarcar. A estudante é moradora da Ocupação Eliana Silva, na mesma região de BH.

Nesse momento, dois indivíduos que estavam no ponto de embarque abordaram o veículo e anunciaram que iriam incendiar o ônibus como uma retaliação às condições precárias do presídio São Joaquim de Bicas II.

A cantora fugiu do local, porém, foi presa próxima da região e acusada de envolvimento com o caso. A jovem foi encaminhada para a delegacia junto com os suspeitos do crime que também foram presos.

De acordo com a mãe da estudante, Sílvia Januária, 41, ela ficou sabendo da prisão da filha por meio de uma policial que não quis se identificar. “Ela não voltou para casa e achávamos que ela havia dormido na casa de alguma amiga. Foi quando recebemos a ligação de uma agente, informando que a Marcella estava na delegacia sendo presa injustamente”, conta.

A mãe conta que a Madu não pôde ligar pois estava com o celular sem bateria e que, além disso, os policiais envolvidos na ocorrência não deixaram que ele usasse o telefone da delegacia para contatar os pais.

A família procurou auxílio e, na tarde desta quinta-feira, foi realizada uma audiência de custódia para debater o caso. Porém, a jovem não foi apresentada para entrevista pessoal com o juiz.

“A Marcella está sendo acusada de um crime que não cometeu, por uma visão distorcida, preconceituosa e racista da PM. Além disso, o sistema prisional não se comprometeu a trazê-la na audiência, contrariando as indicações dos Direitos Humanos”, diz Thales Viote, advogado da cantora e representante da Comissão de Direitos Humanos da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

Mesmo que a Madu nunca tenha sido presa e com as atividades de estudante e artista comprovadas, o Poder Judiciário determinou que ela só poderia ser libertada mediante pagamento de fiança de um salário mínimo, uso de tornozeleira eletrônica e recolhimento domiciliar.

Grupos sociais se organizaram pela internet e conseguiram pagar a fiança de Marcella. Ela deve ser libertada até este sábado (18). Os advogados ainda tentam o recurso de Habeas Corpus para revogar as medidas de tornozeleira eletrônica e recolhimento domiciliar.

Polícia Militar

Em nota, a polícia se posicionou em relação ao fato. “A Polícia Militar fez a condução de várias pessoas no evento citado, na questão tratava-se de queima de ônibus. A PM, operadora do estado de flagrância, conduz as pessoas de acordo com os elementos possíveis que o cenário oferta aos militares que se encontram na ocorrência. Na ocasião, na visão dos militares, havia elementos suficientes para a condução dos envolvidos à deliberação da polícia investigatória. Aos envolvidos foi garantida a incolumidade física, bem como todos os direitos constitucionais. Demais informações do processo de persecução criminal devem ser percebidos com a polícia judiciária”.

Comentários

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira é jornalista e redator do portal Bhaz

Carregar mais em BH