Home Notícias Política Após sofrer primeira baixa, Kalil promete anunciar novo titular da Cultura em uma semana

Após sofrer primeira baixa, Kalil promete anunciar novo titular da Cultura em uma semana

Há quase cinco anos à frente da FMC (Fundação Municipal de Cultura), o presidente Leônidas Oliveira se prepara para deixar o cargo. Nomeado pela gestão Marcio Lacerda (PSB), em 2012, e um dos poucos a permanecer no alto escalão após a transição de governo, o gestor anunciou nesta semana que vai entregar o posto, em 15 dias, para iniciar um pós-doutorado em Évora, em Portugal.

Kalil, por outro lado, já estuda um novo nome para substitui-lo. Segundo informou a assessoria de comunicação da Prefeitura de Belo Horizonte, o novo gestor cultural deverá ser anunciado na próxima semana.

“Quando o prefeito [Kalil] me convidou, eu já havia comunicado que esperava a resposta de um pós-doutorado. Como eu tinha férias vencidas, fui a Portugal recentemente e recebi a notícia de que havia sido admitido”, conta. “Agora, o prefeito me pediu um prazo de 15 dias para transição, o que eu acho muito razoável para que possamos adequar projetos à nova gestão [da FMC]”.

Ainda segundo Leônidas, dois projetos importantes serão deixados para a próxima administração da FMC: a regulamentação da nova lei de captação de recursos (Política Municipal de Fomento à Cultura) e a resolução de entraves judiciais sobre a descaracterização de parte dos equipamentos do Complexo Arquitetônico da Lagoa da Pampulha.

“São questões que já estão praticamente encaminhadas, pois o Ministério Público vem intermediado”, explica. Entre as adequações exigidas pela Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura) para a manutenção do título de Patrimônio Cultural da Humanidade estão a a retirada de uma guarita erguida na Casa do Baile e a readequação da Praça Dino Barbieri.

“Agora, a questão da lei de fomento, que foi aprovada no final do ano passado, será importante que a regulamentação seja feita neste governo. Ela vai proporcionar a descentralização da cultura e da tomada de decisões”, avalia.

De fundação à secretaria?

Leônidas esclarece ainda que o intuito do prefeito Alexandre Kalil não será transformar a FMC em secretária Municipal, mas, sim, criar a nova pasta e vinculá-la à fundação. “Isso vai depender da reforma administrativa, que ele encaminhará à Câmara. É um pedido da classe artísticas, mas há controvérsias também”, alerta.

Segundo o gestor, atualmente, a fundação já conta com autonomia para “fazer políticas culturais e implementá-las”. Além disso, segundo ele, a medida não implicaria em mais investimento no setor. “Hoje, a fundação é o único órgão vinculado ao próprio gabinete do prefeito. Então, [criar uma secretaria] não será garantia de mais recursos”.

Além de presidir a FMC desde 2013, Leônidas administrou o Museu Histórico Abílio Barreto entre 2009 e 2012. Formado em Arquitetura e Urbanismo pela PUC-Minas, mestre em Restauração e Reabilitação do Patrimônio Arquitetônico pela Universidade de Alcalá de Henares, em Roma, e doutor em Arquitetura e Urbanismo pela Universidade de Valladolid, na Espanha, Leônidas deixa a FMC para realizar pós-doutorado em Antropologia em Portugal.

Comentários

Guilherme Scarpellini

Guilherme Scarpellini é redator de política e cidades no Portal Bhaz.

Carregar mais em Política