Home Colunas Orion Teixeira Das ruas e da oposição, ‘fora Temer’ vai para dentro da Fiesp e da República

Das ruas e da oposição, ‘fora Temer’ vai para dentro da Fiesp e da República

Todos agora estão falando que a saída deve ser pela via constitucional, até mesmo os ministros do supremo, que, na outra crise presidencial, envolvendo Dilma Rousseff (PT), não foram tão ativos. O fato é que a maioria está reconhecendo que a crise política e do governo chegou a um ponto de fervura insustentável e que até mudou de nome, agora atende por Michel Temer. O ‘fora Temer’, que agitava as ruas, deve entrar pra dentro do Congresso Nacional, do Judiciário e até mesmo pra dentro do próprio governo. Enfim, de toda a República.

Quando o mercado acumular mais um dia de prejuízos e quedas, como aconteceu nesta quinta (18), e perceber que a manutenção do governo não irá controlar a crise, também vai gritar ‘fora Temer’, da Fiesp (a outrora poderosa Federação das Indústrias de São Paulo que liderou a derrubada de Dilma) até a mais modesta associação comercial. Basta ver os indicadores econômicos mais sensíveis aos rumos do governo e da política.

A renúncia é sim um ato unilateral, e Temer disse que não renuncia, mas o ex-presidente dos EUA Richard Nixon também dizia e acabou renunciando em 1974. O presidente diz que não renuncia e nem que não precisa de foro privilegiado. Não só ele, mas todo seu grupo pressiona e é dependente disso, porque, sem os cargos, todos cairão no colo do juiz federal Sérgio Moro.

Caso demore, ou não renuncie, a saída mais rápida deverá ser o julgamento da chapa Dilma/Temer, pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), que deverá ser acelerado depois que Temer, de acordo com as mesmas gravações, constrangeu os ministros desse tribunal ao dizer que não será cassado porque “eles têm consciência política”. A terceira saída seria um processo de impeachment, com aprofundamento da crise, mas não haveria tempo para isso, embora oito pedidos tenham sido protocolados. Se for instaurado, cairá, porque, ainda nas gravações, provocou ele constrange também deputados e senadores, quando diz que, sem eles, estaria fu-fulminado.

Ou seja, morre pela boca. O governo está respirando por aparelhos. Resta saber quem irá autorizar a eutanásia. O Supremo deu o primeiro passo e autorizou a abertura de inquérito criminal contra o presidente para apurar os fatos “estarrecedores. O procurador-geral, Rodrigo Janot, ligou Temer a obstrução de Justiça, corrupção passiva e organização criminosa.

Além de tudo, ainda tem as ruas, que, assumindo o protagonismo da política, independentemente de ser de oposição ou não, deixará a crise ainda mais fora de controle, mesmo a bandeira das ruas de eleições diretas dependeria de mudança na atual Constituição nesse momento.

Aécio tenta evitar a prisão

Depois de ver a irmã, Andrea, e o primo Frederico presos e as fotos reveladoras das malas de dinheiro, o senador afastado e ex-presidente nacional do PSDB afastado, Aécio Neves, só não renuncia para não ser preso. Sua linha de defesa foi desmontada (empréstimo para pagar advogado) pelo ministro do STF, Edson Fachin, que remeteu a decisão de prendê-lo para o plenário. Como a de Temer, a situação dele é de contagem regressiva.

Justiça barra projeto de Pimentel de venda de imóveis do estado

Por meio de liminar, o Tribunal de Justiça de Minas Gerais suspendeu a tramitação, na Assembleia Legislativa, do projeto do governador Fernando Pimentel (PT), que cria fundos imobiliários para vender ou hipotecar mais de 6.000 imóveis públicos em todo o Estado. O desembargador Edilson Fernandes acatou o pedido de liminar em mandado de segurança impetrado pela oposição. De acordo com o parecer, a lista de imóveis não é clara e possui erros públicos e notórios, admitidos pelo próprio secretário de Planejamento e Gestão, Helvécio Magalhães.

“Diversos imóveis dali constantes não estão individualizados e identificados, o que torna, a princípio, impossível a deliberação pelo Legislativo do Estado acerca da sua transferência/alienação, estando demonstrada neste momento recursal, flagrante violação ao procedimento legislativo constante na Constituição Estadual”, diz trecho da liminar. Enquanto corrige a lista inicial, que incluía até escolas, hospitais e sedes de prefeituras, o governo, que não se manifestou sobre a decisão, deverá recorrer.

(*) Jornalista político; leia mais no www.blogdoorion.com.br

Comentários

Orion Teixeira

*Jornalista político, Orion Teixeira recorre a sua experiência, que inclui seis eleições presidenciais, seis estaduais e seis eleições municipais, e à cobertura do dia a dia para contar o que pensam e fazem os políticos, como agem, por que e pra quem. É também autor do blog que leva seu nome (www.blogdoorion.com.br), comentarista político da TV Band Minas e da rádio Band News BH e apresentador do programa Pensamento Jurídico das TVs Justiça e Comunitária.

Carregar mais em Orion Teixeira