Home Notícias Política Ciro Gomes e Bresser Pereira lançam ambicioso projeto econômico no Congresso da UNE

Ciro Gomes e Bresser Pereira lançam ambicioso projeto econômico no Congresso da UNE

Com uma plateia lotada e ondas de palavras de apoio, o auditório do Centro de Atividades Didáticas 1 (CAD1) da UFMG foi palco do lançamento do manifesto Brasil Nação, plano econômico que, se colocado em prática, promete fazer com que o “Brasil volte a ser um grande país”.

A palestra, que fez parte da programação do 55º Congresso da UNE, foi ministrada pelo ex-governador do Ceará e presidenciável Ciro Gomes (PDT-CE), pelo economista e ex-ministro da Fazenda Bresser Pereira, pela jornalista Eleonora de Lucena e pela estudante e presidente da União Nacional dos Estudantes (UNE) Carina Vitral. A ideia foi trazer a público o “Brasil Nação”, plano econômico criado pelos quatro ao lado de outros nomes da política brasileira, em março deste ano.

O plano, cuja ideia partiu de Bresser, veio como forma de driblar as crises política, econômica e moral que assolam o Brasil, além de dar um basta no pouco crescimento que o país vivencia nos últimos anos. Ciro classifica o plano de um projeto “novo desenvolvimentista”.

Segundo o economista Bresser Pereira, o plano consiste em “cinco pontos fundamentais” para que o país retome o crescimento. Crítico à postura da ex-presidenta Dilma Rousseff, Bresser, em primeiro lugar, acredita que o país precisa de ter responsabilidade fiscal, com uma expansão fiscal contra-cíclica. A ideia é gastar menos, com regras fiscais rigorosas. Entretanto, também critica a postura de Michel Temer ao aprovar a “PEC do teto”: “é absurdo. Aquilo não faz sentido, aquilo não é ajuste fiscal, aquilo é populismo neoliberal”, argumenta.

Câmbio competitivo

O segundo ponto de Bresser é trazer uma taxa de câmbio competitiva, de forma a equiparar a concorrência entre as empresas brasileiras e estrangeiras.

Atualmente, a taxa de câmbio no Brasil se baseia nos commodities (mercadorias de origem primária, como minério de ferro, suco de laranja, café, etc), o que a torna um produto de baixo valor agregado.

“Isso inviabiliza a indústria brasileira, isso inviabiliza o investimento. Como vai investir se o empresário sabe que sua produção não vai ser competitiva, porque é mais barato importar?”, questiona.

Como terceiro ponto, Bresser sugere que o país reduza sua taxa de juros. Ele argumenta que a taxa no Brasil é muito mais alta quando comparado a outros países do mundo, o que, consequentemente, faz com que a economia nacional defenda o lucro dos rentistas (aqueles que vivem de juros, aluguéis e dividendos) e não daqueles que produzem.

Ele ainda argumenta que os investimentos devem vir do setor privado, mas sem descartar os estatais. “O investimento privado deve ser de 75% a 80%. O Estado deve investir em setores principalmente de infraestrutura, coisa de 20%”, exemplifica.

Como último ponto, defende uma distribuição de renda mais justa. “Não acreditamos que se faça de forma irresponsável, mas continuando a ampliar o estado do bem-estar social, [com mais investimentos] em educação e saúde principalmente”, argumenta.

O economista ainda sugere um sistema tributário progressivo para o país, como ocorre em países como a Suécia, um dos mais igualitários do mundo. “No Brasil, os ricos precisam pagar mais impostos que os pobres e isso é óbvio. E isso não vai desestimular ninguém a produzir”, explica.

Bresser afirma que trazer o projeto para o Congresso da UNE é importante para criar o debate entre os estudantes. “Eu acho importante que eles discutam coisas viáveis, que não fiquemos no campo da utopia. E esse nosso projeto tem essa natureza”, argumenta.

Busca de apoios

Por ora, Ciro Gomes é o único presidenciável para 2018 que apoia abertamente o manifesto Brasil Nação. “Eu também conversei com o [Geraldo] Alkmin, ele se mostrou interessado. E eu disse pro Lula que ele deveria se interessar sobre o assunto, mas ainda não conversei com ele”, confessa Bresser.

Durante a palestra, o cearense Ciro Gomes foi praticamente ovacionado pela plateia, que gritava “Brasil pra frente, Ciro Presidente”. Ele trouxe um panorama histórico da economia no Brasil como forma de reafirmar a necessidade do plano econômico. “A história adora se repetir”, brinca.

O presidenciável ainda acredita que, em tempos de grave crise e de corte de direitos, os estudantes têm papel fundamental ao ajudar a “esquentar os protestos nas ruas”, como forma de tirar o Brasil dessa fase.

“Quando os estudantes, que têm garra, que têm lucidez, que tem politização, tomarem a frente [das manifestações], ao lado da classe trabalhadora, podemos reverter tudo isso”, opina.

O Congresso da UNE, que reúne estudantes universitários de todo o país, ocorre no campus da UFMG e no Mineirinho até domingo (18), com palestras, oficinas e plenárias.

Comentários

Rodrigo Salgado

Rodrigo Salgado é jornalista e redator no Portal Bhaz.

Carregar mais em Política