Home Notícias Brasil Quadrilha que usava nomes de crianças mortas para fraudar previdência é presa

Quadrilha que usava nomes de crianças mortas para fraudar previdência é presa

A Polícia Federal (PF) prendeu nesta quarta-feira (13) suspeitos de estarem envolvidos em uma quadrilha que utilizava nomes de pessoas mortas ainda quando crianças para fraudar a Previdência Social. Uma das prisões aconteceu em Betim, na região metropolitana de Belo Horizonte.

De acordo com as investigações, a quadrilha cadastrava o nome da pessoa falecida no INSS e realizava recolhimento à Previdência Social. Como os valores eram próximos ao do teto de contribuição era criado a condição de segurados. Após essa etapa, eles simulavam a morte dos indivíduos e requeriam junto à previdência o auxílio de pensão por morte.

O prejuízo já causado pela quadrilha aos cofres da União ultrapassou R$ 2 milhões. Com a desarticulação do grupo criminoso e a suspensão dos benefícios por ele fraudados, evitou-se um prejuízo de aproximadamente R$ 15,6 milhões.

As buscas e apreensões foram decorrentes da Operação Álibi que teve parceria com a Coordenação-Geral de Inteligência Previdenciária da Secretaria de Previdência do Ministério da Fazenda. No total foram cumpridos dois mandados de prisão preventiva e seis de prisão temporária.

Além de Betim as prisões aconteceram nas cidades de Nova Viçosa com dois presos, Teixeira de Freitas onde três suspeitos foram encaminhados pela PF, e um em Porto Seguro e no Rio de Janeiro.

Um advogado figurava entre os líderes dos investigados, que responderão perante a Justiça por formação de quadrilha e por reiterada prática de estelionato em detrimento da Previdência Social. Esses crimes possuem penas que ultrapassam dez anos de prisão.

Da PF

Comentários

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Jornalista no Portal Bhaz

Carregar mais em Brasil