Home Colunas Orion Teixeira [Coluna do Orion] Prefeitos ameaçam romper contratos e processar Copasa

[Coluna do Orion] Prefeitos ameaçam romper contratos e processar Copasa

Insatisfeitos com os serviços prestados pela Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais), prefeitos ameaçam acionar a Justiça e romper o contrato com a estatal, seguindo o exemplo de Pará de Minas (Oeste). A maior queixa é com a falta de água e a cobrança de tratamento de esgoto em locais onde o serviço não é prestado. O prefeito de Bom Despacho (Centro-Oeste), Fernando Cabral, disse que 25% do esgoto do município é lançado no rio.

“Estamos causando problema ambiental sério na vizinha Martinho Campos, que precisa tratá-lo a um custo alto”, relatou Cabral. O ex-prefeito Antônio Júlio observou que os problemas são antigos e que, por isso, rompeu com a empresa em sua gestão em Pará de Minas (2013/2016). “Os prefeitos precisam ter coragem”, disse.

A insatisfação foi manifestada durante audiência pública da Comissão de Defesa do Consumidor e do Contribuinte da Assembleia Legislativa, realizada nesta segunda (23). Há deputados colhendo assinaturas para instalar CPI da Copasa na Assembleia Legislativa, como já fazem alguns municípios.

De acordo com o prefeito de São Sebastião do Paraíso (Sul), Walker Américo Oliveira, atualmente, há tratamento de apenas 50% do esgoto, mas o serviço é cobrado há alguns anos. “Pior é que a empresa ainda deixa despesas porque corta várias ruas para realizar o serviço e não arruma da melhor forma”, reclamou.

Já o prefeito de Extrema (Sul), João Batista Silva, contou que, em todos os feriados deste ano, a população ficou sem água. “Já tomei minha decisão. Temos que partir para o enfrentamento, com o apoio da Justiça e da população”, adiantou.

Segundo o prefeito de Arcos (Centro-Oeste), Denilson Francisco Teixeira, se os compromissos não forem cumpridos, ele também vai recorrer à Justiça e romper o contrato. Em Curvelo, foi instalada CPI para investigar a atuação da estatal no município.

O diretor de Operação da Copasa, Gilson Queiroz, disse que a atual gestão encontrou um passivo enorme em relação a compromissos assumidos, além de caixa vazio. Ele também disse que a Copasa reduziu diretorias e cargos para minimizar custos e possibilitar investimentos. Nesse sentido, a previsão de investimentos para 2017 totaliza R$ 450 milhões e, para 2018, R$ 577 milhões, considerando também a Copanor, subsidiária que atua no Norte de Minas. “Obras de saneamento não se fazem da noite para o dia”, afirmou.

Aliado vê risco de rebelião na PM

Apesar de aliado do governo mineiro, o deputado Cabo Júlio (PMDB) postou vídeo nas redes sociais no qual faz um alerta ao governador Fernando Pimentel (PT). “Se o governador não olhar para a PM mineira, a insatisfação da tropa vai explodir e vai dar merda”, advertiu Cabo Júlio, que, em 97, foi um dos líderes da rebelião de policiais no governo Eduardo Azeredo (PSDB), quando o cabo Valério foi baleado e morto durante manifestação. A insatisfação refere-se ao atraso no pagamento de salários (parcelamento), falta de atendimento em hospitais e até sobre o não repasse de parcelas de empréstimos de consignado de policiais a bancos. Veja o vídeo.

Cabo Júlio reconheceu que o país e o estado estão em crise financeira, mas reafirmou que a tropa está muito revoltada. “Eu já vi esse filme. Se os comandos estão dizendo pra vossa excelência (Pimentel) que vão segurar, que vai ficar tudo bem, não está, governador. Está uma merda isso, vai explodir e depois que explodir ninguém segura. Exército não segura PM, comando não segura, TJ não segura, é preciso dar atenção”, avisou.

Aécio vence Tasso e mantém PSDB no muro

O senador Aécio Neves (PSDB) venceu mais uma parada. Depois de derrubar a decisão do Supremo Tribunal Federal que o afastou do Senado, o tucano mineiro controlou agora a pressão interna que exigia sua renúncia à presidência nacional do PSDB, cargo do qual está licenciado. Como seu mandato, termina em dezembro, o partido decidiu deixar como está para não passar a impressão de punição ao seu presidente. Com isso, Aécio vence o interino Tasso, que afirmou que o mineiro não teria condições políticas de continuar no cargo.

Mais três municípios terão nova eleição

Foram marcadas, para o dia 3 de dezembro, novas eleições para prefeito nos municípios de Antônio Dias (Leste), Conceição do Rio Verde e Ibitiúra de Minas (ambos no Sul). A decisão é do Tribunal Regional Eleitoral de Minas.

A partir de hoje, até 30 de outubro, os partidos poderão definir, em convenção, seus candidatos. O registro de candidaturas termina no dia 3 de novembro e, a partir do dia seguinte (4), os candidatos poderão iniciar a propaganda eleitoral.

As novas eleições foram provocadas pela cassação dos prefeitos por improbidade administrativa e abuso de poder político e de autoridade nas eleições de 2016.

Movimento pela autonomia da PF

O movimento pela autonomia da Polícia Federal, liderado pela Associação Nacional dos Delegados de Polícia Federal, entrega, nesta quarta (25), à Comissão de Constituição e Justiça, da Câmara dos Deputados, em Brasília, 600 mil assinaturas ao documento a Carta do Povo Brasileiro ao Congresso Nacional pela Autonomia da PF.

A carta é um documento em apoio à PEC 412, de autoria do ex-deputado federal mineiro Alexandre Silveira, que prevê organização a Polícia Federal e estabelecimento de normas para que a corporação tenha autonomia funcional, administrativa e orçamentária.

(*) Jornalista político; leia mais no www.blogdoorion.com.br

 

Comentários

Orion Teixeira

Orion Teixeira

*Jornalista político, Orion Teixeira recorre a sua experiência, que inclui seis eleições presidenciais, seis estaduais e seis eleições municipais, e à cobertura do dia a dia para contar o que pensam e fazem os políticos, como agem, por que e pra quem.

É também autor do blog que leva seu nome (www.blogdoorion.com.br), comentarista político da TV Band Minas e da rádio Band News BH e apresentador do programa Pensamento Jurídico das TVs Justiça e Comunitária.

Carregar mais em Orion Teixeira