Home Veículos Acelera aí Meu nome é trabalho: testamos a versão Hard Working 1.4 da picape Fiat Strada

Meu nome é trabalho: testamos a versão Hard Working 1.4 da picape Fiat Strada

Andamos e ralamos na versão Hard Working que a Fiat criou para linha 2018 da picape Strada. Desenvolvida para o trabalho e uma utilização mais comercial, a opção tem motor 1.4 flex, que mostrou boa disposição para as tarefas, assim como a suspensão. Para que a sujeira não apareça tanto, colunas, tecido de teto, maçanetas e puxadores e forro de portas foram escurecidos.

Embora as picapes pequenas sejam usadas em sua maioria por jovens que transportam, no máximo, a namorada, uma moto, um jet ski, bicicletas ou equipamentos de aventura, resolvemos colocar a Strada para ralar, literalmente. Em primeiro lugar, a Fiat acertou colocar a cor preta no interior, pois a sujeira não aparece tanto e os tecidos e forrações são fáceis de serem limpos. Aliás, o tecido que forra os bancos também é adequado para o nosso clima tropical. Por outro lado, externamente, o símbolo da versão estampado na tampa traseira parece plotagem de uma empresa.

A ralação tem que ter um certo conforto, não é mesmo? O espaço da cabine acomoda bem motoristas e passageiros de até 1,80m. A versão com cabine estendida que avaliamos oferece atrás dos bancos um bom espaço para bagagens e ferramentas. Na pequena viagem que fizemos, foi suficiente abrigar as malas de um fim de semana. Por outro lado, o banco, depois de rebatido, não volta para a posição em que estava. Quanto à ventilação, quem não gosta de ar-condicionado (que é de série), pode optar pela janela traseira corrediça (item opcional), que ajuda a refrescar o ambiente.

O primeiro item (de série) que se destaca na versão Hard Working na hora de trabalhar é a cobertura da caçamba, que protege bem a pintura. Já a capota marítima, que é opcional, serve para esconder objetos e bagagens dos olhares indesejados e não é difícil de ser retirada ou colocada. A tampa traseira com chave também ajuda na proteção. A caçamba tem um bom espaço (são 910 litros) e um número adequado de ganchos para a amarração da carga. Uma barra no teto ajuda no apoio e na amarração de objetos longos, como escadas, ripas, madeiras, canos, entre outros.

Com carga, a Strada Hard Working se comportou muito bem. Mas é bom que o motorista conheça bem os limites de peso para não ficar no meio da subida. O motor 1.4 tem relativamente (ao tamanho e porte da picape) um bom torque em baixa, o que ajuda bastante. O câmbio também tem relações mais adequadas à rodagem com peso e os engates são macios, embora pudessem ser mais precisos. A direção tem boa calibragem e assistência. A suspensão suportou bem as cargas que transportamos, que estavam um pouco abaixo do limite de 685 quilos, incluindo motorista e passageiro. Se o conforto é muito bom com carga, vazia a Strada pula um pouco.

A versão Hard Working pode vir na configuração cabine simples, cabine estendida ou cabine dupla, todas equipadas com motor 1.4 e câmbio manual de cinco velocidades. As cores sólidas podem ser preto Vulcano, branco Banchisa ou vermelho Alpine. A única opção metálica é a prata Bari. A lista de equipamentos de série inclui ar-condicionado, direção hidráulica, ajuste de volante, protetor de cárter, computador de bordo, protetor e iluminação de caçamba.

Os opcionais estão disponíveis em kits. O pacote Elétrico, que custa R$ 1.300, inclui vidros, travas e abertura interna do bocal de abastecimento. O Kit Pleasure tem preço de R$ 624 e engloba rádio Connect USB MP3/WMA com RDS/Viva-voz Bluetooth, segunda porta USB de carregamento, volante em couro com comando do rádio, iluminação do porta-luvas, para-sois com espelho, porta-óculos e adesivo de soleira nas portas. Com preço de R$1.187, o Convenience inclui janela traseira corrediça, capota marítima, maçanetas na cor da carroceria, retrovisores na cor da carroceria, sensor de estacionamento traseiro, calotas integrais, faróis de neblina com detalhes cromados na moldura e aplique na parte inferior do para-choque dianteiro. A Har Working tem preço de R$ 61.390. Com todos os opcionais, incluindo pintura metálica, sobe para R$ 66.312.

 

Foto: Eduardo Aquino

Ficha Técnica

Motor – Quatro cilindros em linha, 1.368cm³ de cilindrada, que gera potências de 85cv (gasolina) e 88cv (etanol), ambos a 5.750rpm; e torques de 12,4kgfm (gasolina) e 12,5kgfm (etanol), ambos a 3.500rpm

Câmbio – Manual, de cinco marchas

Suspensão – Dianteira, do tipo McPherson, com rodas independentes, braços oscilantes e barra estabilizadora; e traseira, eixo rígido tipo Ômega, com mola parabólica longitudinal

Dimensões externas – Comprimento, 4,43m; largura, 1,66m; altura, 1,59m; e entre-eixos, 2,71m

Capacidade da caçamba – 910 litros

Capacidade de carga – 685 quilos

Tanque de combustível – 58 litros

Rodas – De aço, de 14 polegadas, calçadas com pneus 175/70 R14

Peso em ordem de marcha – 1.084 quilos

 

Comentários

Acelera Ai

Acelera Ai

Jornalistas Eduardo Aquino e Luís Otávio Pires são os editores do site Acelera Aí e da seção veículos do portal Bhaz

Carregar mais em Acelera aí