Home Notícias BH Comoção marca despedida de professor da UFMG assassinado na capital

Comoção marca despedida de professor da UFMG assassinado na capital

Familiares, amigos e a comunidade acadêmica despediram-se do professor Antônio Leite Radicchi, nesta terça-feira (14), no Salão Nobre da Faculdade de Medicina da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), na região central da capital. O professor foi assassinado na tarde de ontem (13), após ser esfaqueado por dez vezes dentro de um ônibus coletivo da linha 9805.

Na entrada da faculdade, um aviso informava que a bandeira estava em meio mastro devido à morte do professor. O clima era de consternação,principalmente entre os amigos da família. Há mais de 40 anos Luciano Eloi Santos conhecia Antônio Leite. Ao Bhaz, o dentista contou que Antônio foi sua primeira amizade no Instituto de Ciências Biológicas (ICB) e que sua trajetória acadêmica e profissional sempre foi pautada pela ética. “Minha irmã sempre diz que o Antônio chegava a ser um lord, de tão educado”, conta.

A amizade entre eles ultrapassou o campo acadêmico e foi para a vida pessoal. “Ele me convidou para ser padrinho do primeiro casamento dele e, posteriormente, eu o convidei para também ser meu padrinho”, relembrou. Sobre a morte do amigo, Luciano a classifica como a “banalização da vida”. Ele ainda ressalta que o fato pegou a todos de surpresa. “Todos estão despedaçados, literalmente. Até porque o Antônio não brigava com ninguém, nem mesmo com uma mosca”, destacou.

A estudante de Gestão de Serviço de Saúde Juliana Menezes ressalta a violência dos dias atuais e como ela atinge até mesmo pessoas pacíficas, como o professor. “Nós custamos a acreditar no que tinha acontecido. O professor Antônio Leite era muito tranquilo e isso só aumenta o medo da violência”, destacou a aluna.

Juliana ressaltou o compromisso do professor  com o aprendizado dos alunos. “Ele nos levava para projetos nas estações de água. Sempre foi muito sereno com todos os alunos, sem exceção. É uma perda irreparável para a comunidade acadêmica e para a sociedade em geral”, concluiu.

Na portaria do prédio da Faculdade de Medicina da UFMG, as bandeiras a meio pau eram o sinal visível da tristeza que se abateu sobre a comunidade acadêmica com a morte do professor Antônio Radicchi (Bhaz/Vitor Fóneas)

 

 

A morte de Antônio Leite é uma das “ironias da vida”, como classifica o professor Marcus Vinícius Poliano. Isso, pois Antônio, além das aulas ministradas na UFMG dedicava-se a um grupo de pesquisa sobre violência. “Ele buscava compreender essa violência desenfreada e, para isso, idealizava trabalhos com o objetivo de controlá-la. Porém, acabou sendo mais uma vítima dela”, afirmou.

Juntamente com o amigo, Marcus criou o projeto Manuelzão e, durante 20 anos, dedicou-se a esse projeto. “Ele era uma pessoa tão correta que colaborava naquilo que acreditava. Por isso, utilizava o transporte coletivo para vir dar aulas”, afirmou o amigo. Ao Bhaz, Marcus contou que a família do professor está totalmente abalada. “Há mortes que são esperadas, mas essa levou brutalmente uma pessoa de forma inesperada”, concluiu.

Comentários

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Jornalista no Portal Bhaz

Carregar mais em BH