Home Notícias Política Suplente condenado por exploração sexual de menores assumirá vaga de Cristine Brasil

Suplente condenado por exploração sexual de menores assumirá vaga de Cristine Brasil

A ida da deputada Cristine Brasil (PTB-RJ) para o ministério do Trabalho levará para a Câmara dos Deputados um suplente que foi condenado por exploração sexual de menores. Em 2016, o deputado Nelson Nahin (PSD-RJ) ficou quatro meses preso, pois foi condenado a 12 anos de prisão por estupro de vulnerável, coação no curso do processo e exploração sexual de adolescentes.  Naquele ano, Nahin passou quatro anos preso, mas foi colocado em liberdade graças a uma liminar expedida pelo ministro Ricardo Lewandowski, do Supremo Tribunal Federal (STF), conforme reportagem do portal “Congresso em Foco”. Três meses depois, ele chegou a assumir uma cadeira na Câmara, na vaga de Índio da Costa (PSD-RJ).

Nelson Nahim é irmão do ex-governador Anthony Garotinho, de quem é rival político. A prisão de Nahin foi determinada pela juíza Daniela Barbosa Assumpção, da terceira Vara Criminal de Campos dos Goytacazes (RJ). Antes dela, outros 17 magistrados se declararam impedidos de julgar o caso, que envolvia empresários e autoridades do município e ficou conhecido como “Meninas de Guarus”, referência a uma localidade de mesmo nome em Campos, onde garotas pobres eram mantidas presas e submetidas a exploração sexual.

Além dele, outras 13 pessoas, entre ex-vereadores e empresários, foram condenadas por participação no esquema. De acordo com o Ministério Público, 15 meninas foram mantidas em cárcere privado, entre 2008 e 2009, e só deixavam o local para fazer programas sexuais. Em troca, recebiam parte do valor pago pelo cliente, comida e drogas. Conforme o processo, as vítimas ficavam em um ambiente fechado, presas a correntes e cadeados, sob permanente vigília armada. Além disso, reforça a acusação, as crianças e as adolescentes eram obrigadas a consumir drogas como cocaína, haxixe, crack, maconha e ecstasy antes dos programas. Segundo a acusação, crianças e adolescentes de 8 a 17 anos tinham de fazer até 30 programas por dia.

Ministro Lewandowskil, do STF, expediu a liminar que libertou Nelson Nahin, que tem foro privilegiado (Tânia Rego/Agência Brasil)

No STF, liberdade com Lewandowski

Ex-presidente da Câmara de Campos, o ex-vereador chegou a ser prefeito interino do município durante o período em que a então prefeita Rosinha Garotinho, sua cunhada, esteve afastada do cargo pela Justiça eleitoral. Preso em junho de 2016, assim como os demais condenados no caso, Nahim só deixou a prisão no final de outubro do mesmo ano, após conseguir uma liminar em seu habeas corpus (HC 137697) no Supremo Tribunal Federal. Lewandowski garantiu a ele liberdade até que seu recurso seja examinado no mérito.

Nahim apelou ao Supremo depois que o desembargador Antonio José de Carvalho negou o seu pedido de soltura por considerar que a prisão do político e de outros acusados era primordial à segurança de partes envolvidas no processo. Com o foro privilegiado garantido a deputados, senadores e outras autoridades, ele só poderá ser julgado agora pelo Supremo enquanto estiver no exercício do mandato. Nahim chegou a ser preso também em 2014 por coação de testemunhas no mesmo caso. O deputado sempre negou envolvimento com os crimes atribuídos a ele. Garotinho diz que “está afastado de seu irmão” há pelo menos sete anos e que sequer “mantém relações políticas” com ele.

Redação Bhaz, com site “Congresso em Foco”

Comentários

Marcelo

Marcelo

Marcelo Freitas é redador-chefe do Bhaz

Carregar mais em Política