Home Notícias BH Lacerda cede espaço aéreo para dois edifícios da região Centro-Sul de BH

Lacerda cede espaço aéreo para dois edifícios da região Centro-Sul de BH

A sede da Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig) e o edifício ainda em obras da Fundação Forluminas de Seguridade Social (Forluz), que ficam no bairro Santo Agostinho, região Centro-Sul de Belo Horizonte, poderão ser ligados por uma passarela a dezenas de metros do chão. A construção da estrutura será possível porque o prefeito Marcio Lacerda sancionou, no início desta semana, a lei que autoriza a concessão do espaço aéreo da avenida Barbacena. A determinação foi publicada nessa terça-feira (20), no Diário Oficial do Município (DOM).

De autoria do próprio Lacerda, o projeto que prevê a construção da passarela foi apresentado à Câmara Municipal em novembro do ano passado. Para justificar a utilização do espaço, o prefeito explica que a autorização tem como objetivo arrecadar recursos para a manutenção do Conjunto Urbano da avenida Barbacena e das áreas no entorno. O prazo de concessão dos 325 metros quadrados do espaço aéreo é de 30 anos e pode ser renovado.

Entre as condições para a concessão de uso do espaço estão contrapartida financeira para a iniciativa e a adoção dos canteiros centrais ao longo da avenida pela Cemig e pela Forluz. No texto do projeto, Marcio Lacerda argumenta que  as determinações contribuem “de uma só vez para o aprimoramento na prestação de serviços públicos essenciais e para valorização do patrimônio cultural, ambiental e paisagístico do Conjunto Urbano”.

predio da cemig-horz
Sede da Cemig será ligada ao edifício da Forluz, que ainda está em construção, por meio de passarela aérea.
Fotos: Reprodução/GoogleMapas

Na apreciação do documento na Câmara, vereadores propuseram outras emendas pra que a via possa ser criada entre os edifícios. No entanto, Lacerda vetou as partes que obrigavam a Cemig a assumir a praça José Verano da Silva, no Barreiro de Cima, além da construção e gerenciamento de cinco passarelas de acesso aos pontos do antigo BRT (Move), na avenida Antônio Carlos. No entendimento dele, tais medidas podem prejudicar a obtenção de recursos para as medidas relacionadas à avenida Barbacena.

Somente a implantação de uma passarela sobre a avenida Presidente Antônio Carlos, ligando a estação de embarque e desembarque do Move ao acesso principal da UFMG, na Pampulha, foi mantida pelo prefeito. Segundo ele, a construção deve ser adicionada ao texto legal porque será de “extremo proveito para população”.

A assessoria da Câmara Municipal de Belo Horizonte informou que os vetos serão analisados em fevereiro, após o período de recesso dos vereadores e que eles podem ou não serem mantidos. Já a Cemig e a Forluz ainda devem realizar leitura do projeto e das condições de uso do espaço até o final da semana.

Comentários