Home NotíciasEsportesCruzeiro sofre com altitude e perde de virada na estreia da Libertadores

Cruzeiro sofre com altitude e perde de virada na estreia da Libertadores

Com Stéfano Bruno

Se não teve luz para o Cruzeiro durante o reconhecimento do gramado, já na partida faltou água no vestiário celeste. As hostilidades dos peruanos somadas à altitude de 3.200 metros acabaram sendo os maiores obstáculos da Raposa no duelo contra o Real Garcilaso, nessa quarta-feira (12). Após realizar um bom primeiro tempo, quando chegou a abrir o placar, com Bruno Rodrigo, o time celeste não conseguiu segurar a vitória e sofreu a virada. Os gols do adversário foram marcados por Britez e Rodríguez.

Embora dentro de campo a partida tenha transcorrido normalmente, fora dele uma atitude lastimável e injustificável chamou a atenção. Tinga, que entrou no lugar de Ricardo Goulart, aos 21 minutos do segundo tempo, foi vítima de racismo por parte dos torcedores. Todas as vezes que o volante do Cruzeiro pegou na bola, os peruanos faziam barulhos como se estivessem imitando um macaco. Uma conduta infeliz que merece ser vista com atenção pela Confederação Sul-Americana de Futebol (Conmebol).

[youtube http://www.youtube.com/watch?v=0d3ZswO8RFk]

O Cruzeiro volta a campo no próximo domingo (16), quando realiza o clássico contra o Atlético, às 16 horas, no Independência. A partida será válida pela quinta rodada do Campeonato Mineiro.

Jogada ensaiada

O Cruzeiro deixou de lado as provocações e entrou em campo para demonstrar ao Real Garcilaso que é uma equipe superior. A Raposa dominou toda a primeira etapa. Nem mesmo a altitude de 3.200 metros foi capaz de impedir a troca de passe e as jogadas em velocidade da equipe celeste. O time peruano se limitou às finalizações de longa distância, mas em nenhuma levou muito perigo a Fábio.

A primeira grande chance de gol da partida foi do Cruzeiro. Egídio, que foi o jogador mais acionado pelo time celeste no primeiro tempo, fez bom cruzamento pela esquerda e Marcelo Moreno quase abriu o placar.

A pressão da equipe estrelada era grande e a rede balançou aos 19min. Dagoberto cobrou escanteio pela direita e, em uma jogada muito trabalhada por Marcelo Oliveira, Bruno Rodrigo e Dedé se movimentaram bem. Bruno cabeceou para o fundo do gol.

A equipe peruana demorou a se recuperar do baque. Por outro lado, a Raposa tirou o pé do acelerador e diminuiu a pressão sobre o Real Garcilaso. Antes do encerramento da primeira etapa, o time celeste encaixou um contra-ataque e quase ampliou o placar. Dagoberto carimbou a trave esquerda de Pretel.

Vira-vira peruano

Se durante o reconhecimento do gramado, nessa terça-feira (11), o Cruzeiro foi impedido de treinar devido a um apagão no estádio, no intervalo da partida contra o Real Garcilaso os jogadores celestes não tiveram como se reidratar ou até mesmo lavas as mãos, pois não tinha água no vestiário. Os dirigentes cruzeirenses reclamaram muitas da hostilidade dos peruanos.

Foto: Reprodução/Peru.com
Foto: Reprodução/Peru.com

Atrás do placar, o Real Garcilaso voltou exercendo uma enorme pressão sobre o Cruzeiro, que acabou não suportando e cedendo o empate aos peruanos logo nos primeiros minutos. Após cobrança de escanteio pela esquerda, Rodríguez desviou a bola de cabeça na primeira trave e, livre de marcação, Brítez apareceu do outro lado da área e completou para o fundo do gol.

Após empatar o duelo, o Garcilaso se manteve em cima da equipe estrelada. Aos nove minutos, Ramúa cobrou falta próxima à área e quase virou o placar.

O Cruzeiro era outra equipe no segundo tempo. Se no primeiro o time celeste se impôs, no segundo sentiu o desgaste da altitude. A virada dos peruanos não demorou a acontecer. Aos 16min, Ramúa cobrou falta pela esquerda, Fábio saiu do gol em falso e não conseguiu cortar a pelota. Huerta apareceu nas costas do goleiro cruzeirense e escorou para Rodríguez completar para o fundo do gol.

Marcelo Oliveira bem que tentou mudar o panorama da partida. O treinador sacou os apagados Ricardo Goulart e Marcelo Moreno e mandou Tinga e Júlio Baptista ao campo. Mas foi em vão. O Cruzeiro não conseguiu reagir no duelo e acabou sendo derrotado pelo Real Garcilaso em sua estreia na Libertadores.

Real Garcilaso 2×1 Cruzeiro

Ficha técnica 

Real Garcilaso: Pretel; Jhoel Herrera, Maulella, Cristian García (Britez) e Huerta; Retamoso, César Ortiz, Carlos Flores e Ramúa; Ferreira e Rodríguez. Técnico: Freddy García.

Cruzeiro: Fábio; Ceará, Dedé, Bruno Rodrigo e Egídio; Souza, Lucas Silva, Éverton Ribeiro e Ricardo Goulart (Tinga); Dagoberto (William) e Marcelo Moreno (Júlio Baptista). Técnico: Marcelo Oliveira.

Motivo: Fase de grupos da Copa Libertadores 2014
Data e hora: 12 de fevereiro de 2014, quarta-feira, às 22 horas
Local: Estádio Huancayo, em Huancayo, no Peru
Árbitro: José Argorte (VEN)
Assistentes: Luis Sanchez (VEN) e Luis Murillo (VEN)
Cartão amarelo: Jhoel Herrera, Retamoso e Carlos Flores (Real Garcilaso); Egídio (Cruzeiro)

Gols: Bruno Rodrigo, aos 19’/1°T (0x1); Britez, aos 6’/2°T (1×1), Rodríguez, aos 16’/2°T (2×1)

Comentários