Home NotíciasProjeto que propõe “cura gay” volta a ser discutido na Câmara dos Deputados

Projeto que propõe “cura gay” volta a ser discutido na Câmara dos Deputados

A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados (CDHM) voltou a discutir, nesta quarta-feira (13), a polêmica que envolve a “cura gay”. O projeto que havia sido arquivado em julho do ano passado foi reapresentado pelo autor Francisco Eurico da Silva (PSB/PE). A partir disso, o parlamentar pedirá que a comissão escolha um relator para avaliar a proposta. O texto tem como objetivo suspender os efeitos da Resolução nº 1, de 22 de março de 1999, do Conselho Federal de Psicologia (CFP), que proíbe tratamentos para curar a homossexualidade.

No entendimento de Eurico, que também é pastor evangélico, as determinações do órgão privilegiam práticas homoeróticas. Para justificar a proposta, o deputado argumentou que a resolução “se encontra eivada de equívocos e atitudes preconceituosas, configurando evidente exorbitância do seu poder regulamentar e dos seus limites de competência legislativa”.

francisco
Deputado pastor Eurico reapresentou projeto “cura gay” na Câmara dos Deputados.
Foto: Divulgação/PastorEurico.

Ainda de acordo com o parlamentar, o decreto também erra ao afirmar que “a homossexualidade não constitui doença, nem distúrbio e nem perversão”. Para ele, a afirmativa pode ser interpretada como “posicionamento político, sem base científica e que desconsidera substanciais estudos no campo da Psicologia e da Psicanálise que indicam o contrário”.

Marco Feliciano

O projeto de “cura gay” ganhou bastante repercussão na época em que o pastor Marco Feliciano era presidente da CDHM. Além de causar polêmica com assuntos relacionados à homossexualidade, o parlamentar se transformou em alvo de críticas por aparecer em vídeos comentando as mortes de John Lennon e dos Mamonas Assassinas.

Na última semana, Feliciano começou a ser investigado pela Convenção Fraternal das Assembleias de Deus de São Paulo por ter dado entrevista para a “Playboy”. Ele poderá perder o título de pastor porque falou sobre uso de drogas e prática de sexo anal na revista que publica imagens de mulheres nuas.

Comentários