Venezuela, Uruguai e El Salvador não reconhecem Michel Temer presidente do Brasil

Divulgação/nicolasmaduro.org.ve

O presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, pediu na sexta-feira (13) ao embaixador do país no Brasil para regressar a Caracas, depois de o Senado brasileiro ter aprovado a abertura do processo de destituição da presidente Dilma Rousseff. Os governos de El Salvador e Uruguai fizeram anúncios semelhantes.

“Pedi ao nosso embaixador no Brasil, Alberto Castellar, que venha para Caracas”, disse Nicolas Maduro, que considera que houve “um golpe de Estado” no Brasil, em declarações transmitidas pela rádio e pela televisão.

“Estivemos a avaliar (…) esta dolorosa página da história do Brasil (…). Quiseram apagar a história com uma jogada totalmente injusta com uma mulher que foi a primeira presidente que teve o Brasil”, afirmou.

Maduro classificou o afastamento de Dilma Rousseff, na sequência da decisão do Senado, “uma canalhada contra ela, contra a sua honra, contra a democracia, contra o povo brasileiro”.

Refirmando que houve um golpe de Estado no Brasil, apelou aos seus homólogos na região para que reflitam no que aconteceu com Dilma Rousseff.

Nicolas Maduro advertiu para o perigo do “vírus do golpismo” voltar a tomar conta da América Latina, arrastando consigo “grandes convulsões sociais outra vez”.

Na sexta-feira (13), o Ministério das Relações Exteriores (MRE) rebateu as críticas dos governos da Venezuela, de Cuba, da Bolívia, do Equador e da Nicarágua quanto a legalidade do processo de impeachment da presidenta afastade Dilma Rousseff.

Em nota, o Itamaraty disse “rejeitar com veemência” o que classificou como propagação de falsidades por partes desses governos em relação ao impeachment. A assessoria do Ministério de Relações Exteriores informou que o afastamento de Dilma ocorreu “em quadro de absoluto respeito às instituições democráticas e à Constituição federal”.

Uruguai e El Salvador

Neste sábado, o presidente de El Salvador, Salvador Sánchez, anunciou a decisão de não reconhecer a presidência interina de Michel Temer (PMDB) e de retirar a embaixada do Brasil. “Tomamos a decisão de não reconhecer o governo provisório do Brasil, e pedimos à nossa embaixadora que retornasse a El Salvador”, afirmou o mandatário pelo Twitter.

Twitter/Reprodução
Twitter/Reprodução

Na quinta-feira, ministro das Relações Exteriores e chanceler do Uruguai, Rodolfo Nin Novoa, já havia afirmado que o governo não reconhece Temer. “O Uruguai se manifestou politicamente, já disse o que tinha que dizer. Com certeza estamos muito preocupados com esta situação e esperamos que tudo ocorra dentro dos parâmetros constitucionais e institucionais. A posição do nosso governo está clara, pois nós já nos posicionamos a respeito disso”, afirmou a jornalistas locais.

Com agências Brasil e Lusa