Máscara de carvão que é hit por remover cravos e ser baratinha pode prejudicar a pele

Máscara de carvão
Reprodução/Rosecarpet.fr

Se você é uma pessoa antenada nas redes sociais, provavelmente já assistiu a pelo menos um vídeo com a aplicação da “milagrosa” máscara negra. Trata-se de um cosmético feito à base de carvão que remove cravos e promete rejuvenescer a pele por um custo muito baixo. O produto se popularizou no Brasil durante os últimos meses, porém especialistas alertam que o procedimento representa um risco para a saúde.

Em alguns dos tutoriais publicados na web, é possível perceber que a remoção da máscara de carvão chega a machucar pessoas que têm mais pelos no rosto. A moda surgiu no Japão, mas viralizou na internet após uma norte-americana publicar um vídeo ensinando como fazer o produto de forma caseira. A gravação de Josie já alcançou quase 30 milhões de visualizações.

A youtuber produziu a máscara usando apenas uma mistura cola branca, carvão em pó e essência de menta. As imagens do resultado impressionam por mostrar a remoção de dezenas de cravos, o que impulsionou as compras pelo produtos.

No início deste mês, um outro vídeo que mostra a aplicação da máscara de carvão também viralizou nas redes sociais. Desta vez, a mulher que testou o produto – adquirido em uma compra online – sofreu bastante para remover o cosmético do rosto. Tiffany, mais conhecida como Tee Cee, demorou quase 10 minutos para finalizar o procedimento.

No Brasil, também já é possível comprar a máscara em lojas online.

Mas é seguro?

Andy Millward, esteticista membro da Associação Britânica de Terapia de Beleza e Cosmetologia, se assustou com o vídeo publicado por Tee Cee. Ele publicou as imagens para desaconselhar o uso da máscara de carvão.

“[Essas máscaras] parecem muito danosas. Elas literalmente rasgam a camada mais superficial da pele (e, provavelmente, levam a penugem do rosto junto), então claro que vão deixar um efeito macio e liso”, Millward escreveu. “Sobre todos aqueles ‘cravos’ que a máscara arranca: a maioria dos óleos a serem tirados são filamentos sebáceos, que, na verdade, são necessários. Eles são substituídos a cada trinta dias para garantir um equilíbrio saudável para a pele. Poros entupidos (cravos) são completamente diferentes de poros com sebo”.

Procuramos um especialista em Minas Gerais para tirar a dúvida: A máscara negra realmente representa algum risco à pele?

Maria de Fátima Borges, diretora da regional mineira da Sociedade Brasileira de Dermatologia, desaconselha a realização de qualquer procedimento indicado na internet sem orientação médica. E mais… disse que a máscara negra pode causar danos à pele.

“Ela faz uma remoção superficial, somente da parte externa do cravo, mas o restante, que não é visível, fica retido dentro da pele. Além disso, ela cola na pele e tem substâncias que podem desestruturar a barreira natural de proteção. Se a pessoa tiver uma pele um pouco mais sensível ou estiver fazendo algum tratamento paralelo, pode causar uma irritação”, explica.

A dermatologista questiona também a eficácia do procedimento em todos os sentidos. “Primeiramente, a máscara não é nenhum tratamento dermatológico. O carvão pode dar uma sensação temporária da melhora da oleosidade, mas não é algo duradouro”, avalia. “Não existem vantagens, não há nenhuma comprovação científica da eficácia desses produtos e pode trazer consequência desagradáveis”, conclui.

Vitor Fernandes
Vitor Fernandesvitor.fernandes@bhaz.com.br

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva da UOL.