Home NotíciasBrasilTraficantes ‘evangélicos’ forçam mãe de santo a destruir terreiro no Rio

Traficantes ‘evangélicos’ forçam mãe de santo a destruir terreiro no Rio

Um caso de intolerância religiosa aconteceu na última terça-feira (12) em uma comunidade de Nova Iguaçu, Rio de Janeiro. Traficantes que se intitulam evangélicos, forçaram uma mãe de santo a destruir o próprio terreiro. A justificativa é que o Candomblé seria uma “religião do demônio”.

Sete criminosos armados invadiram a instalação localizada na Baixada Fluminense, durante um encontro dos praticantes do Candomblé. Os bandidos obrigaram a sacerdotisa a destruir todas as imagens sob a mira de um revólver.

Leia também:  Manifestantes entram em confronto com a polícia em ato pró-democracia em SP

A ação criminosa foi gravada em vídeo pelos próprios traficantes e divulgada nas redes sociais. Os indivíduos chegaram a urinar nas imagens sacras, com a justificativa que “bruxaria” não seria permitida na comunidade.

Leia também:  ‘Você pode ser macho na periferia, mas aqui você é um bosta’, diz morador de condomínio de luxo para PM

No vídeo, os criminosos gritam o tempo todo palavras “em nome de Jesus Cristo”. “Quebra tudo! Apaga as velas, porque o sangue de Jesus tem poder!”, diz um dos traficantes. “Todo mal tem que ser desfeito, em nome de Jesus! Quebra tudo porque a senhora que é o demônio chefe! É a senhora quem patrocina essa cachorrada!”, completa.

Leia também:  Número de casos do novo coronavírus no Brasil ultrapassa 510 mil

A Polícia Civil afirmou que investiga o caso. O Secretário de Segurança do Rio de Janeiro, Roberto Sá, se reuniu com autoridades para dialogar sobre a criação de uma Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância. Até agora, nenhuma medida concreta foi tomada e os criminosos continuam foragidos.

Vitor Fernandes

Vitor Fernandes

Repórter do BHAZ desde fevereiro de 2017. Jornalista graduado pela PUC Minas, com experiência em redações de veículos de comunicação. Trabalhou na gestão de redes do interior da Rede Minas e na parte esportiva da UOL.

Comentários