Home Notícias Minas Gerais Deputado Mario Henrique Caixa é acusado de mentir sobre voto contra aumento da gasolina

Deputado Mario Henrique Caixa é acusado de mentir sobre voto contra aumento da gasolina

Um tweet feito pelo deputado estadual Mário Henrique Caixa (PV) neste domingo (4) gerou uma enorme polêmica em meios aos seus seguidores. A postagem faz menção à votação do aumento de impostos sobre os combustíveis no Estado. Caixa afirmou que votou contra o projeto.

“Bom Dia Amigas e Amigos! No momento em que a gasolina chega aos postos com preços abusivos, reafirmo aqui o meu compromisso com Minas. Não vamos acreditar em boatos rasteiros da internet. Está aqui o painel oficial mostrando que votei contra o aumento dos combustíveis. Grato!”, diz a postagem.

Entretanto, usuários da rede identificaram que, na verdade, o deputado não votou contra. E, sim, que absteve-se de votar. “Voto em branco é o famoso ‘Tanto faz’. Voto contra só tem um e é não”, disse um usuário, em resposta ao deputado.

 

Um dado levantado no site da Assembleia Legislativa de Minas Gerais mostra que, em primeiro turno, o deputado votou favoravelmente à proposta. E, em segundo turno, como consta na foto de Mario Henrique, ele se absteve de votar.

Por meio de sua assessoria de comunicação, o deputado Mario Henrique Caixa informou que realmente votou sim ao projeto no primeiro turno. Entretanto, após ter maior conhecimento da proposta, absteve-se de votar no segundo turno. O deputado justificou a polêmica em seu twitter como um mal entendido. Segundo a assessoria, a negativa do deputado era em relação à proposta, não ao seu voto.

Aumento de combustível

No dia 1º de janeiro entrou em vigor o reajuste do ICMS da gasolina, que passou de 29% para 31%; e do álcool, que passou de 14% para 16%. O aumento gerou um reajuste de cerca de 2% no preço nas bombas. A lei foi sancionada pelo governador Fernando Pimentel (PT) em 2017.

Como o valor de referência da gasolina passou de R$ 4,42 para R$ 4,67, isso influenciou no valor do tributo por litro do ICMS, que passou de R$ 1,37 para R$ 1,45.

João Vitor Xavier responde

A confusão envolveu até o também deputado João Vitor Xavier (PSDB), que votou contra o projeto. Um dos usuários questionou se a negativa do deputado se daria pelo fato de o mesmo ser da oposição ao governo atual, de Fernando Pimentel (PT). “Tá enganado, amigo. No governo do meu partido, também não votei um projeto igual a esse”, disse João Vitor.

Logo após, o deputado do PSDB teve de responder a outro questionamento. Desta vez, em relação à CPI do Mineirão. Um dos usuários perguntou se ele havia votado a favor do projeto. “CPI não se vota. Assina. E eu assinei faz tempo”, respondeu o deputado.

Comentários

Rafael D'Oliveira

Jornalista e redator do portal Bhaz

Carregar mais em Minas Gerais