Home Notícias Política Morre Adriene Andrade, primeira mulher a ocupar uma cadeira do TCE de Minas

Morre Adriene Andrade, primeira mulher a ocupar uma cadeira do TCE de Minas

A conselheira do Tribunal de Contas do Estado de Minas Gerais (TCE), Adriene Barbosa de Faria Andrade, de 53 anos, morreu na manhã desta segunda-feira (16), em São Paulo, vítima de um câncer que vinha combatendo há anos.  O sepultamento de Adriene, que é ex-mulher do presidente da Confederação Nacional dos Transportes (CNT), Clésio Andrade, vai ser sepultada em Boa Esperança, Sul de Minas, sua cidade natal. O velório será na APAE de Três Pontas (MG), a partir das 17 horas de hoje, na Rua Barão da Boa Esperança, 420, Centro.

Adriene foi indicada para uma cadeira no Tribunal de Contas pelo então governador do estado, Aécio Neves (PSDB), em 2006. À época, o tucano tinha como vice-governador Clésio Andrade, que também era senador pelo PMDB. A nomeação da primeira mulher para o tribunal gerou grande polêmica porque, em tese, a vaga do TCE deveria ser preenchida por um membro do Ministério Público.

A indicação de Adriene Andrade para conselheira do TCE-MG – cargo vitalício e com salários e benefícios do desembargador de Justiça – fazia parte do xadrez político para composição da chapa de Aécio à reeleição. Adriene foi prefeita de Três Pontas pelo PL e também a primeira mulher a ocupar o cargo, além da primeira a ocupar a Associação Mineira de Municípios (AMM).

Adriene deixa dois filhos: Diego Barbosa de Faria Bo e Bruna Barbosa de Faria Brito.

Comentários