Home Carreiras Confira 9 dicas para se dar bem em uma entrevista de emprego!

Confira 9 dicas para se dar bem em uma entrevista de emprego!

Quando se está prestes a participar de uma entrevista de emprego, sempre surgem dúvidas sobre como se portar e o que falar. Só de pensar nisso, algumas pessoas já começam a ficar ansiosas! Se você se enquadra nesse perfil, não se preocupe! Para que você se dê bem em uma entrevista de emprego, o Bhaz vai te ajudar dando algumas dicas preciosas!

Quem vai fazer isso é a psicóloga Débora Lopes, que trabalha com psicologia clínica sob a abordagem analítico-comportamental e também com orientação profissional, orientação de carreira e coaching.

Débora Lopes, psicóloga e coach.
Débora Lopes afirma que candidatos a emprego devem fugir dos clichês e serem honestos nas entrevistas (Maick Hannder/Bhaz)

1) O que você não deve fazer em uma entrevista de emprego

Para Débora, de forma nenhuma a pessoa deve interpretar um personagem. Honestidade em uma entrevista de emprego é fundamental. Para ser honesto é preciso ter um bom autoconhecimento: saber o que você já fez em sua carreira, sentir-se seguro sobre suas experiências, entender os resultados que trouxe para os locais onde trabalhou anteriormente e lembrar-se das sugestões de melhorias que já deu no trabalho.

“Esses pontos ajudam bastante para que o candidato consiga dar enfoque em suas experiências de uma forma fluida, mostrando como pode contribuir nesse novo local”, diz a psicóloga.

2) Erros mais comuns

Entre os erros mais comuns, além da interpretação de um personagem, existem outros, como ir para a entrevista mal vestido, não se comunicar, passar informações imprecisas ou falar mal do empregador anterior (ou atual, caso ainda não tenha saído do emprego).

Débora recomenda que o candidato estude sobre a empresa em que está pleiteando uma vaga, para entender melhor a forma de funcionamento dela e também avaliar com mais precisão se gostaria de se inserir naquela cultura. “Se você vai tentar uma vaga em um banco ou em uma startup de TI, a roupa não será a mesma; obviamente,  na segunda opção, você pode se vestir bem mais à vontade, tendo uma gama maior de opções que seriam consideradas adequadas”.

3) Durante a entrevista, focar nas perguntas

É importante focar no que foi perguntado durante a entrevista, tentando responder à pergunta sem ser evasivo e também sem gastar muito do seu tempo e do entrevistador falando sem parar. Para a psicóloga, é importante que o candidato consiga mostrar comportamentos anteriores bem-sucedidos. “Por exemplo, se você considera que é uma pessoa inovadora, em vez de falar que é inovador, explique o que você fez nas experiências anteriores que demonstram essa capacidade”.

4) Corra dos clichês

Para Débora, dizer frases como “Meu defeito é ser perfeccionista” é bastante clichê. O candidato deve ser mais criativo em sua fala porque o clichê é muito mal visto.

5) Seja honesto

Falar mal de onde você trabalhava antes é ruim! Se na entrevista chegarem a esse ponto, é melhor ser um pouco evasivo (aí sim!) e explicar que você tinha alguns pontos de discordância, ou que você via pontos de melhoria que ainda não haviam sido trabalhados na empresa”.

6) O que fazer quando se está nervoso ou ansioso

De acordo com Débora, é necessário haver uma combinação de preparação bem dosada, autoconhecimento e consciência do controle parcial da situação. “É importante que o candidato entre no site da empresa para entender melhor o negócio, pesquise no Love Mondays (site que mostra média salarial de várias empresas e comentários dos funcionários sobre como é trabalhar lá) e em redes sociais a cultura e reputação da empresa. Mas, não adianta pirar achando que é possível se preparar completamente, senão o candidato vira um robô, cheio de respostas prontas que foram ensaiadas mil vezes. Imagina se o entrevistador te pergunta alguma coisa que você não tinha pensado antes? Você vai travar! Aí entra a parte do autoconhecimento: se você já revisou seu currículo e gastou um tempo pensando nas suas experiências anteriores, você terá domínio sobre quem você é e mais autonomia para responder as perguntas com mais fluidez, sem ficar preso na decoreba.”

7) Estude, prepare-se e dê o seu melhor

Vá ao local da entrevista em algum dia anterior ou pelo menos pesquise como chegar e se planeje para chegar com 30 minutos de antecedência. Assim, você não ganhará uma dose adicional de ansiedade por medo de não chegar a tempo e nem estará ofegante na entrevista. Se parecer que você se atrasou, você já dará uma noção ao entrevistador de que não consegue se planejar e cumprir compromissos. Caso, depois de fazer tudo isso, a ansiedade ou nervosismo ainda esteja incomodando, reconheça a presença desse estado emocional, abrace-o e deixe ele passar. Acredite: tentar fazer parar tende a aumentar o nervosismo, porque você acaba vendo que não consegue. Você pode fazer algum exercício de respiração, se isso te acalma.

8) Não insista em uma empresa que é contra seu valores

A psicóloga considera de extrema importância que as pessoas saibam que se o candidato não parecer adequado à cultura da empresa, provavelmente ele não será selecionado. Se ele for, houve um erro na seleção. “Eu gostaria imensamente que as pessoas soubessem que quando você não se encaixa na cultura de uma empresa, não ir trabalhar naquele lugar é um favor que você faz a si mesmo. Estou falando isso como quem já trabalhou em um lugar totalmente inadequado em relação aos meus valores e também do ponto de vista de psicóloga, que atende diversas pessoas que se queixam dos seus locais de trabalho”, afirma.

9) Às vezes o processo não vai ser justo e não vai depender 100% de você

Débora afirma que algumas empresas são muito preconceituosas. Especialmente as mais tradicionais. “Já trabalhei no RH de um local em que os pedidos dos diretores ou donos das vagas algumas vezes vinham com observações como ‘precisa ser mulher de boa aparência’, ‘não pode estar acima do peso’, ‘pesquise e se tiver processo trabalhista no nome dele não é para chamar para a entrevista’. Existe preconceito por idade, por gênero e por raça e também tem a “carta marcada”, que é o parente de fulano de tal que irá conseguir a vaga (…) não estou falando isso para desanimar, estou apenas tentando alertar que às vezes o processo não vai ser justo e não vai depender 100% de você. Por isso, não se martirize caso não venha a conseguir”.

Marcella Oliveira

Publicitária e redatora do portal BHaz. [email protected]

Comentários