Vem aí a sétima edição do Fliaraxá, um dos eventos de literatura mais importantes do interior de Minas. Com o tema “Alma, Leitura e Revolução”, o evento que acontece entre os dias 27 de junho a 1 de julho, mantém a tradição de estar sempre carregado de conteúdo, bons autores e um riquíssimo trabalho de curadoria.

Além da homenagem às autoras Ana Maria Machado e Marina Colasanti, o evento terá como patronos, João Guimarães Rosa e Graciliano Ramos. Como patronos locais, foram escolhidos o poeta João Rios Montandon e a autora homenageada local, Leila Ferreira.

Em uma iniciativa inédita, esta edição promove o Pré-Fliaraxá que contará com a presença ilustre do autor português Valter Hugo Mãe, que falará sobre sua carreira, a atuação nas artes plásticas, música e as influências artísticas em suas obras.

Atrações

Na frente do Grande Hotel de Araxá será instalada uma livraria com 830 metros quadrados, administrada pela carioca Blooks, de Elisa Ventura. Nos diversos salões e espaços internos do septuagenário hotel, 114 convidados participam de encontros, palestras e debates. Em salas menores, o projeto “Mastigando Autores”, vai promover encontros entre autor e leitor, em uma programação de hora em hora; na livraria, o “Mastigando Leitores”, com sessões ininterruptas de autógrafos.

No campo da fotografia, a exposição “Imagens de um flâneur brasileiro em Paris”, de Fernando Rabelo, desvenda em imagens os becos, ruas, igrejas, pontes e personagens de uma Paris popular e cosmopolita.

Na parte externa do Grande Hotel de Araxá será instalado, novamente, o “Fliaraxá Gastronomia”,  focado na gastronomia mineira e da região, além de fazer uma comunhão com a literatura. Na programação musical, tardes e noites animadas ao som de Aline Calixto, Thiago Delegado, José Miguel Wisnik, Kristoff Silva, Marcelo Veronez, Lula Ribeiro, Celso Adolfo e muito mais. A novidade do ano será o “Fliaraxá Mirim”  que vai construir atividades dedicadas às crianças na grama e arredores do Grande Hotel.

O Curador

Em entrevista ao Bhaz, Afonso Borges, curador da mostra, se mostra animado tanto com o evento em si, como com a situação da literatura nacional hoje. Leia na íntegra:

O que o evento deste ano tem de diferente com relação aos outros anos? Quais as novidades?

Em primeiro lugar as semelhanças: dá sequência ao conteúdo temático das edições anteriores, com “Alma Leitura e Revolução”, volta com um número considerável de autores (quase 80) e repete a dobradinha com o Grande Hotel de Araxá. As diferença, muitas: criamos a série “Mastigando” (autores, leitores, retratos e horrores), invertemos a posição da gastronomia e da livraria, que agora fica à frente e aprimoramos os processos de logística. Além disso, criamos o sistema de credenciamento antecipado, onde a pessoa pode retirar seu ingresso pelo site. Tudo gratuito!

Qual o panorama da literatura no Brasil hoje?

​Nunca se leu tanto, nunca se escreveu tanto, em todas as plataformas. Anuncie um concurso literário. Na hora, centenas de romancistas, contistas e poetas mandarão originais. Agora, a questão da leitura é outra coisa – demanda ação governamental, programas, incentivos e, principalmente, demanda ação das escolas. Aí a conversa vai longe…. ​

Qual a importância de um evento desses em uma cidade do interior, como Araxá?

Promove uma espécie de revolução. Estamos na sétima edição. A criança que tinha 10 anos na primeira, hoje é um jovem de 17 anos que lê 30 mais vezes do que os seus conterrâneos, em cidades vizinhas. Araxá hoje é uma cidade de leitores e será mais, a cada dia, graças ao Fliaraxá.

O curador comenta sobre a edição deste ano. (Foto/Daniel Bianchini)

SERVIÇO

VII Festival Literário de Araxá – Fliaraxá

Quando? De 27 de junho a 1 de julho

Onde?  Tauá Grande Hotel de Araxá – Barreiro – Araxá/MG

Quanto? Gratuito (com a necessidade de retirada de ingressos aqui)

Marcella Oliveira

Publicitária e redatora do portal BHaz.

Comments are closed.