Home Variedades Este casal posta vídeos explícitos na internet para ensinar as pessoas a fazer ‘sexo de verdade’

Este casal posta vídeos explícitos na internet para ensinar as pessoas a fazer ‘sexo de verdade’

Se você é uma pessoa adulta, certamente, já viu vídeos e filmes pornográficos em algum momento da sua vida – mesmo que sem querer. Ao contrário de filmagens amadoras, a produções da indústria pornô contam, em sua maioria, com roteiros e detalhes que fogem bastante da realidade, principalmente no que diz respeito às performances dos casais.

O que muita gente não sabe, no entanto, é que existe um movimento criado em uma tentativa de mostrar o “sexo real” e desmistificar o que muitos consideram a relação ideal, baseada em referências da indústria pornográfica. Chamado de “Make Love, Not Porn” – Faça Sexo, Não Pornô, em tradução literal -, ele foi idealizado ao longo de 30 anos pela inglesa Cindy Gallop. A iniciativa materializou-se na forma de um site em que pessoas comuns podem compartilhar vídeos em que aparecem fazendo sexo, sem estripulias, das formas mais comuns possíveis.

Fernanda e Walter são adeptos do movimento desde 2013 (Reprodução/DailyMail)

E a plataforma tem ganhado cada vez mais adeptos. Um dos casais com perfil no site, os mexicanos Fernanda Vasconcelos e Walter Guiterrez, falou ao Daily Mail nesta semana sobre as motivações para compartilhar as intimidades online. Os dois acreditam que estão ajudando a promover uma “revolução do sexo”. No site, ela usa o apelido “Efi”. Ele é o mesmo “Walter”.

Fernanda e Walter dizem que compartilhar o sexo “de verdade” os ajudou bastante. A mulher teve que lidar com uma agressão sexual quando mais nova e tinha traumas relacionados a transar, além de evitar expor o próprio corpo. O homem, por sua vez, fez de tudo para ajudá-la.

No site Make Love Not Por, os vídeos são divididos por categorias (Reprodução/MLNP)

“Eu estava tão envergonhada e senti que meu corpo não tinha valor depois disso. Eu comecei a chorar quando estávamos fazendo sexo porque eu estava tentando me curar. Eu não contei a ninguém”, revelou Fernanda. “Foi difícil realmente saber como reagir a essa situação. Eu estava pensando em muitas coisas, desde encontrar o cara até a procurar as autoridades”, completou Walter. Para ele, no entanto, as autoridades do México tendem a culpar as próprias vítimas.

Foi em 2013, quatro anos após o surgimento do site “Make Sex, Not Porn” , que o casal conheceu o movimento. Walter participou de uma palestra da fundadora Cindy Gallop para a TED Talk. Ao voltar para casa, contou à mulher sobre o que ouviu e os dois entraram em um acordo para acessá-lo. Por não gostar de filmes pornográficos, Fernanda sentiu-se ainda mais atraída pela ideia. “Encontrar o Make Love, Not Porn me fez pensar que poderia ajudar outras mulheres a descobrir como o sexo realmente é”, disse. Desde então, lá estão os dois mostrando que o sexo da indústria pornográfica não é nada mais, nas palavras deles, do que roteiro e atuações.

Em uma série de entrevistas, a fundador do site disse que a ideia surgiu depois de perceber que todos os homens com quem havia se relacionado, na faixa dos 20 anos, tinham “vícios” adquiridos por meio de referências vistas em vídeos pornográficos.  E você, o que acha?

Cindy é a criadora do site. Ela começou a pensar na inciativa quando ainda era jovem (Reprodução/StyleLikeU)

Roberth Costa

Roberth Costa é publicitário, repórter e editor no Bhaz.

Comentários