Home NotíciasBHObras da Zona 30 preveem redução de velocidade para 30km/h e ampliação de calçadas em BH

Obras da Zona 30 preveem redução de velocidade para 30km/h e ampliação de calçadas em BH

Se você passa frequentemente na Região Hospitalar deve ter observado obras em algumas das vias que cortam a área. O projeto Zona 30 começou a ser implementado em Belo Horizonte e prevê o estabelecimento da velocidade máxima de 30 km/h em algumas ruas e avenidas além de uma série de adaptações.

O projeto tem o objetivo de reduzir o número de acidentes e proporcionar um espaço mais seguro onde pedestres, ciclistas e pessoas com mobilidade reduzida tenham melhor acesso a serviços. As intervenções já estão sendo executadas nas interseções da rua dos Otoni com avenida Alfredo Balena; na rua Padre Rolim com avenida Bernardo Monteiro; na avenida Bernardo Monteiro com rua dos Otoni; e na avenida Carandaí com rua Piauí.

O fato da área hospitalar ter um grande volume de pessoas, que caminham pelas calçadas e realizam travessias, fez com que o local fosse o primeiro a receber o projeto.

Além da ampliação e adaptação das calçadas, que vão garantir melhor acessibilidade, o projeto prevê a instalação de rotatória, revitalização de faixas de pedestres e sinalizações indicativas e de regulamentação de velocidade para 30 km/h. Placas também serão colocadas para orientar aqueles que por lá passarem, e o solo será pintado.

Intervenções estão sendo realizadas na região hospitalar (Marilda Cunha/BHTrans)

Com o tratamento viário que começa a ser implantado, os trechos da rua dos Otoni, entre avenida Alfredo Balena e avenida Francisco Sales, e da avenida Bernardo Monteiro, entre avenida Brasil até a avenida Alfredo Balena, vão se transformar em uma Zona 30.

Atualmente a velocidade máxima permitida na rua dos Otoni é de 40 km/h, enquanto na avenida Bernardo Monteiro é de 60 km/h. Com a implementação do projeto, ocorrerá a mudança.

As obras nos trechos devem se estender pelos próximos dois meses e meio. Passado esse momento, terá início o processo de sinalização. A BHTrans afirmou que ainda não há definição de data para início da Zona 30.

Velocidade já é praticada em BH

Outros trechos da região hospitalar poderão receber a Zona 30, no entanto, os locais ainda não foram divulgados. “A ideia é que o projeto seja colocado em prática nos lugares onde o tráfego já propicia velocidade mais baixa. Nas vias arteriais não haverá a redução”, informou, ao Bhaz, a assessoria da BHTrans, empresa que gerencia o trânsito da cidade.

Apesar de Belo Horizonte já ter ruas onde a velocidade máxima permitida é de 30 km/h, essa será a primeira vez da Zona 30 na capital. A velocidade estabelecida no projeto é praticada, por exemplo, em portas de escolas.

A BHTrans afirmou que ainda não há outros locais definidos para receber a Zona 30. “Na região do bairro Cachoeirinha estudos estão sendo realizados, assim como em outros pontos da cidade”, informou a assessoria. Nesse bairro da região Nordeste da cidade, o projeto poderá ser implantado em perímetros onde se concentram um lar de idosos, uma igreja e três escolas e onde, devido à grande movimentação de pessoas nas vias, pode haver conflitos entre crianças, adolescentes, idosos e automóveis.

O diálogo com comerciantes e moradores das regiões que poderão receber a Zona 30 acontecerá com o intuito de informá-los sobre o impacto e melhorias da intervenção.

Obras em calçada rua dos Otoni com avenida Alfredo Balena (Marilda Cunha/BHTrans)

Zonas 30 em outras cidades

No Brasil, as cidades de São Paulo, Rio de Janeiro e Curitiba já contam com áreas que tiveram as velocidades dos automóveis limitadas para o uso seguro da circulação de pedestres e dos ciclistas.

A instalação de Zonas 30 é uma medida contemporânea e vem sendo aplicada em diversos países, como Inglaterra, Holanda, França, Áustria, Espanha, Canadá, México, dentre outros.

Com PBH

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários