Home Notícias Política Transição de Zema identifica mais de 3 mil nomeações para cargos de chefia na gestão Pimentel; alguns com salários de R$ 38 mil

Transição de Zema identifica mais de 3 mil nomeações para cargos de chefia na gestão Pimentel; alguns com salários de R$ 38 mil

A comissão de transição do governador eleito, Romeu Zema (Novo), afirma ter identificado mais de 3 mil nomeações para cargos de chefia feitos pela atual gestão de Fernando Pimentel (PT). Ainda segundo a comissão, somente na Cemig são mais de 700 cargos indicados com salários médios de R$ 38 mil. A estatal de energia do Estado contesta os dados e diz que teve redução de 25% em sua folha de pagamento nos últimos três anos.

O vereador licenciado e coordenador de transição, Mateus Simões (Novo), afirma que os números de cargos por indicação no governo atual impressionam. “Temos 13,5 mil chefias dentro do Estado de Minas Gerais que foram nomeadas pelo governador. Destas, 25% são ocupadas por pessoas que não fizeram concurso público, são nomeações políticas do governador para ocuparem mais de 3,3 mil vagas. Isto somente em cargos de chefia”, disse Simões.

Ainda de acordo com o coordenador, no grupo Cemig são mais de 700 pessoas empregadas atualmente sem concurso público em funções de chefia, direção e assessoramento, com salário médio de R$ 38 mil. “Isto significa que estamos falando de aproximadamente R$ 500 milhões de custo de folha anual, com os indicados do governo, só dentro da Cemig”, afirma.

Quanto à Codemig, a comissão alega que há desperdício de recursos públicos. “São mais de 35 pessoas com salários mensais superiores a R$ 30 mil, numa empresa que não produz nada, apenas administra recebimentos. A folha da Codemig é de R$ 3 milhões”, diz Mateus.

O vereador esclarece que as estruturas já estavam inchadas, mas, segundo ele, os dados continuaram crescendo com o atual governo, mesmo com a situação financeira já comprometida.

Governo

Em nota, o Governo de Minas, por meio da Secretaria de Estado de Planejamento, não comentou os dados expostos pela equipe de Zema e disse apenas que entregou à comissão todas as informações sobre órgãos e secretarias, em um processo marcado pela transparência. “Estão sendo realizadas reuniões setoriais com os dirigentes dos órgãos e todos os dados, incluindo os de pessoal, estão disponíveis para consulta pública no www.transicao.mg.gov.br”, disse o órgão.

Cemig

A Cemig, também em nota, disse desconhecer a fonte das informações e informou que não comentará assuntos relativos à transição. “A companhia tem implantado um vigoroso plano de redução de despesas, tendo diminuído os custos de sua folha em aproximadamente 25% nos últimos três anos. Os cargos de recrutamento amplo da Cemig são cargos de confiança, de nível gerencial e seus empregados, de diferentes perfis profissionais, com atribuição de prestar auxílio direto, interno e externo aos dirigentes da Empresa em questões estratégicas”, diz a empresa.

A Cemig esclareceu ainda que preza pela transparência no processo interno de contratações. “No terceiro trimestre deste ano, havia 33 cargos de recrutamento amplo, em um universo de mais de 6 mil empregados próprios da Cemig. Essa informação está disponível no site da companhia. É importante ressaltar que, como empresa de economia mista, a companhia adota as melhores práticas de mercado e segue as diretrizes estabelecidas pela Comissão de Valores Mobiliários (CVM) e pela nova Lei das Estatais quanto à governança e à transparência”, afirma.

Codemig

A Codemig também negou as informações emitidas pela comissão de transição. “A informação está equivocada. A remuneração do quadro de pessoal da companhia está disponível na seção de Transparência do nosso site”: www.codemge.com.br/transparencia/pessoal-licitacoes-e-convenios.

Comentários