Home Notícias Internacional ‘As crianças podem ter certeza de que Momo está morta’: Criador joga obra no lixo após vídeos nocivos

‘As crianças podem ter certeza de que Momo está morta’: Criador joga obra no lixo após vídeos nocivos

A escultura japonesa Momo, do artista Keisuke Aiso, de 46 anos, foi jogada no lixo pelo criador após a imagem ser usada para incentivo à automutilação e ao suicídio infantil (relembre aqui). “As crianças podem ter certeza de que Momo está morta”, decretou o autor.

A escultura de silicone foi exposta na Vanilla Gallery, em Tóquio, no Japão, em 2016. No ano passado, no entanto, a imagem foi usada para disseminar mensagens nocivas ao público jovem. Chamado como Desafio da Momo, o fenômeno consistia-se em envio de mensagens que disseminavam imagens violentas e colocavam o destinatário em risco (relembre aqui).

Recentemente, a personagem grotesca voltou a ser compartilhada. Desta vez, imagens da Momo foram inseridas em vídeos, disseminados por redes sociais de troca de mensagens, como WhatsApp e Messenger. O YouTube chegou a se posicionar oficialmente para dizer que não encontrou nenhum vídeo com a Momo, mas pediu para que os usuários denunciem, caso algum seja encontrado.

‘A maldição se foi’

Em entrevista ao jornal britânico The Sun, Aiso relatou ter ficado perplexo pela repercussão da imagem e também disse que sentiu-se responsável pela forma negativa como alguns grupos estavam usando sua obra.

“Ela não existe mais, não foi feita para durar. Estava desgastada e joguei fora. As crianças podem ter certeza de que Momo está morta. Ela não existe e a maldição se foi. Eu tenho uma criança pequena, então entendo como os pais estão preocupados”, disse o artista.

Antes de viralizar, a obra ficava na casa de Aiso. “Um vizinho que passava pela rua viu a escultura e disse que quase teve um ataque cardíaco”, disse o autor, que passou a receber mensagens de ódio e ameaças.

Comentários