Home Variedades Doze anos após desaparecimento, Netflix ‘reabre’ o misterioso caso Madeleine

Doze anos após desaparecimento, Netflix ‘reabre’ o misterioso caso Madeleine

Doze anos depois do desaparecimento da garota britânica Madeleine McCann, ocorrido em 2007 na cidade de Algarve, em Portugal, a Netflix lançou um documentário com entrevistas inéditas a respeito do caso. A série conta com oito episódios que apresentam toda a história sobre o misterioso sumiço da menina, que tinha 3 anos quando foi vista pelo última vez.

Madeleine passava férias na cidade com a mãe, o pai e os irmãos gêmeos mais novos quando desapareceu do quarto em que estava dormindo, em um hotel. Os pais dela haviam saído para jantar e, cerca de 1h30 depois, a mãe foi ver os filhos e percebeu que a menina não estava na cama. A janela do quarto estava aberta. Foi quando o misterioso sumiço dela teve início.

A série conta com participações de pessoas envolvidas nas buscas e nas investigações do caso. Ela também apresenta teorias a respeito do crime, entre elas a possibilidade de Maddie ter sido morta pelos pais, que tornaram-se suspeitos, ou de ter sido raptada por uma quadrilha especializada em tráfico de crianças para pedofilia.

Em 2017, o mundo voltou a falar sobre o sumiço de Madeleine depois que uma jovem que vivia nas ruas de Roma, na Itália, foi apontada como a garota. A semelhança entre as duas chamou a atenção da mídia. No entanto, depois que a imagem dela ganhou repercussão, os verdadeiros pais dela apareceram.

Jovem sueca foi confundida com Madeleine McCann (Reprodução/DailyMail)

A jovem tratava-se de uma sueca que estava desaparecida há seis meses, como revelou o site britânico Daily Mail. A família dela fez contato e revelou que a garota sofre de Síndrome de Asperger e que havia fugido de casa em Estocolmo, na Suécia. Ainda não há provas conclusivas a respeito do desaparecimento de Maddie. E os pais dela se negaram a participar da série da Netflix, por acreditar que ela não contribui em nada nas buscas pela jovem, que seguem até hoje.

Comentários