Home Colunas Se eu fosse você não investiria R$ 1 na Bolsa de Valores

Se eu fosse você não investiria R$ 1 na Bolsa de Valores

Investir na Bolsa de Valores definitivamente não é uma tarefa fácil: é um tipo de investimento arrojado e arriscado. Se eu fosse você, não investiria R$ 1 na Bolsa de Valores e, sim, R$ 100, R$ 1 mil ou R$ 10 mil… O máximo que você puder!

Investir na Bolsa de Valores é arriscado, com certeza! Mas é um dos tipos de investimento com maiores índices de retorno sobre o capital investido. Existem pessoas que construíram verdadeiros impérios começando na Bolsa de Valores. O melhor exemplo de um investidor bem sucedido é Warren Buffett, que, em março de 2019, teve a fortuna avaliada pela Forbes de 82,5 bilhões de dólares, sendo considerado o 3º homem mais rico do mundo.

No Brasil, diversas pessoas também conseguiram alavancar seu patrimônio através de investimento na Bolsa de Valores. Um ótimo exemplo é a história de Luiz Barsi, um ex-engraxate que ficou bilionário na bolsa. Ele é o maior investidor pessoa física da Bolsa de Valores, com mais de R$ 1 bilhão investido.

Ao ver esses valores você deve imaginar que, para se tornar um mega investidor, precisaria de muito dinheiro para começar, certo?! Mas, ao contrário do que a maioria pensa, nem sempre é necessário valores tão expressivos para alcançar bons resultados na Bolsa de Valores.

Existem no Brasil alguns exemplos práticos de capital investido e retorno alcançado. Em 2006, quem investiu R$ 1 mil nas Lojas Americanas alcançou, 5 anos depois, o resultado de R$ 37 mil. Um exemplo mais recente foi quem, em 2015, comprou R$ 4.599 em ações da Magazine Luiza – o equivalente a 4.280 ações. Em 2019, a mesma quantidade de ações citadas tem o valor de R$ 810,3 mil! O interessante que, em 2015, o valor de R$ 4.599 era o valor de venda do iPhone 6S: veja, portanto, como você consegue investir com o valor que se paga por um celular.

O que eu preciso saber para começar a investir:

1 – A Bolsa de Valores não é uma loteria. É mercado sobre o qual você precisa estudar e entender todo investimento que fizer;

2 – Ações são investimentos com riscos altos, chamados de renda variável. É muito importante diversificar seus investimentos entre renda fixa e variável;

3 – Não espere o melhor momento para começar, comece hoje! Se não tem recursos, comece estudando como funciona este mercado;

4 – Você pagará impostos sobre os rendimentos;

5 – Ações geralmente são investimentos que exige calma e paciência.

Primeiros passos

1 – Procurare uma corretora de investimentos de sua preferência, para que possa começar a investir. Fique muito atento aos valores das taxas, pois podem variar de acordo com a corretora;

2 – Evite comprar ou vender por emoção;

3 – Declare seus investimentos à Receita Federal;

4 – Evite realizar manobras arriscadas, quando não se tem o conhecimento necessário;

5 – Acompanhe suas ações frequentemente.

Agora é começar a investir! Lembre-se: mais importante que o montante do investimento é o hábito de investir. Comprar a primeira ação pode ser um desafio, mas, depois que tiver o hábito de investir, vai se tornar normal em sua rotina. E, quando menos perceber, estará colhendo os frutos da sua escolha de hoje.

Adeilson Mendes

Adeilson Mendes

Adeilson Mendes é pós-graduado MBA em Finanças, Auditoria e Controladoria, especialista em Lucratividade, empresário, escritor, palestrante e diretor da E2BH Consultoria Financeira. Dedica-se em compartilhar conhecimento como forma de nutrir nos jovens o interesse com foco no empreendedorismo e na inteligência financeira como alternativa de desenvolvimento sustentável. Tem como propósito: apoiar sonhos, compartilhar valores e contabilizar resultados plenos.

Comentários