Home NotíciasPolíticaZema sinaliza veto e deve manter ‘prática condenável’ dos jetons em Minas

Zema sinaliza veto e deve manter ‘prática condenável’ dos jetons em Minas

O governador Romeu Zema (Novo) deve vetar nesta quinta-feira (30) a proibição de que os secretários recebam jetons – gratificação paga pela participação em reuniões de conselhos de estatais. A proibição estava prevista na Reforma Administrativa, aprovada no dia 30 de abril. Com isso, Zema deve contrariar o próprio discurso e dar seguimento a uma “prática condenável”, conforme considerava o próprio governador.

O secretário de governo, Custódio Mattos, se reuniu com os líderes de bloco da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), na noite dessa quarta-feira (29). Na ocasião, ele adiantou aos parlamentares que o governador vetará a proibição dos jetons.

Leia mais: Brasil tem 514 mortes por Covid e 24.746 novos infectados em 24 horas

Segundo o deputado, Cássio
Soares (PSD), líder do bloco independente Liberdade e Progresso, o secretário
disse que os jetons serão regulamentados por meio de decreto. “Não
especificaram exatamente os detalhes, mas os secretários serão limitados a assumir
dois conselhos e os vencimentos não podem passar do teto constitucional”, diz.

O teto constitucional
referido pelo deputado é o valor máximo que um funcionário público pode receber.
Atualmente, o teto respeita o salário dos ministros do Supremo Tribunal
Federal, de R$ 39 mil.

De acordo com o deputado Guilherme da Cunha (Novo), vice-líder de governo na ALMG, o veto é necessário para ajudar na composição de um secretariado capacitado.

Leia mais: Zema diz que nunca escondeu dados da Covid-19 em Minas

“É um veto necessário diante
da discrepância do que é exigido em capacidade dos secretários e o salário
atual. Minas está em situação de grave crise, é preciso ter um time de primeira
para tirar o Estado dessa situação. Com o salário nominal – que gira em torno
de R$ 7 mil líquido – não conseguimos atrair um bom time. Sabendo que a maior
prioridade é melhorar a vida das pessoas e fazer o que é melhor para Minas, é
hora de colocar um pouco de lado o discurso de campanha e fazer o que é
necessário no momento”, afirma.

Um
passo atrás

Ao vetar a proibição dos jetons, Zema volta atrás no posicionamento apresentado durante a campanha. No início do mês, o governador se reuniu com jornalistas e, na data, disse que não deveria vetar a medida. “A Assembleia está correta, essa prática é condenável”, disse Zema na época.

Durante a campanha
eleitoral, Zema também criticou os jetons. O então candidato disse que o acréscimo
era um “puxadinho” para engordar os salários dos secretários.

Cargos
comissionados

Zema também deve vetar a emenda que cria uma reserva de cargos comissionados que, obrigatoriamente, deveria ser ocupada por servidores efetivos. A medida previa que em áreas de “meio” de governo, como em algumas secretarias, 70% dos cargos deveriam ser ocupado por efetivos. Em outras áreas, a proporção chegaria a 50%.

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários