Home Notícias Brasil Menino de 7 anos salva primo engasgado com espinha de peixe com técnica do ‘Samuzinho’

Menino de 7 anos salva primo engasgado com espinha de peixe com técnica do ‘Samuzinho’

Um menino de 7 anos salvou o primo, de apenas 3, após ele se engasgar com uma espinha de peixe, na última terça-feira (3). O susto vivido pela família Barreto, de Teresina (PI), passou com a ajuda do pequeno Walter Neto, que participa do projeto “Samuzinho”.

A família reside em uma bairro da região Sul da capital piauiense e, no momento que Davi, de 3 anos, engasgou, o avô e a tia do menino tentaram ajudá-lo, mas sem sucesso. Com isso, Walter interveio e conseguiu salvar o priminho por conta das manobras que aprendeu com o curso dos profissionais do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu), no projeto “Samuzinho”, direcionado a crianças.

Walter conseguiu identificar que Davi havia sofrido um engasgo total. A manobra feita chama-se Heimlich, no qual o socorrista se posiciona por trás da vítima e a abraça, fazendo uma forte pressão no diafragma, abaixo dos pulmões. Com isso, força-se uma tosse, que ajuda a desobstruir as vias respiratórias.

“Meus pais não conseguiram socorrer Davi, então eu comecei a realizar o procedimento. Eu nunca havia feito algo parecido nessas condições. Fiz três vezes a manobra”, disse Walter ao portal G1.

“Ele disse que poderia ajudar e sabia o que fazer, ele percebeu nosso desespero e entrou em ação. O fato dele ter conseguido e de saber que ele tem a capacidade foi o que me deixou mais feliz”, disse Ana Gabriela, mãe do garoto.

Depois do susto, a família entrou em contato com o Samu e agradeceu o trabalho dos professores. O projeto é realizado com profissionais do serviço a cada 15 dias, e engloba 60 alunos, entre 7 e 13 anos. O objetivo é ensinar as crianças como reconhecer situações emergenciais e orientar adultos no procedimento.

“Nós do Samu iniciamos esse trabalho com as crianças porque são atenciosas e focadas, aprendem mais, e acreditamos muito que ‘primeiros socorros’ é matéria de sala de aula”, explicou a técnica em enfermagem Elisângela De Jesus Pereira, que faz parte do projeto “Samuzinho”.

Comentários