Home NotíciasBHIncêndio na Praça Sete deixa 10 vítimas, causa a evacuação de três prédios e tumultua trânsito no Centro

Incêndio na Praça Sete deixa 10 vítimas, causa a evacuação de três prédios e tumultua trânsito no Centro

Um incêndio em um edifício no coração de Belo Horizonte, na Praça Sete, deixou dez feridos, causou a evacuação de outros dois prédios e tumultuou o trânsito na véspera do feriado, já que trecho da avenida Afonso Pena foi isolado durante o trabalho dos bombeiros. O fogo gerado no 20º andar do edifício comercial Clemente de Faria na tarde desta quarta-feira (19) foi causado provavelmente por um problema no ar-condicionado.

+ Incêndio na Praça Sete fecha pista da Afonso Pena e complica o trânsito na véspera do feriado

Leia mais: Homem é morto após furar blitz, roubar carro e fazer família refém

O fogo iniciou por volta das 12h e logo gerou a mobilização do Corpo de Bombeiros e apreensão em quem passava pelo Centro. “O fogo começou no 20º andar e ficou confinado numa sala de arquivos do escritório de contabilidade. Conversamos com o proprietário da empresa e realmente existe a hipótese de problema no ar-condicionado. Somente a perícia poderá confirmar a causa”, afirmou ao BHAZ o comandante da operação para debelar o fogo, capitão Gustavo Couto.

Ninguém foi atingido pelas chamas, mas dez pessoas foram socorridas pelos militares e levados aos hospitais da Unimed e João XXIII. Desse total, oito após intoxicação pela fumaça e duas foram levadas às unidades de saúde após entrar em pânico, já que estavam exatamente no andar abaixo do que pegou fogo.

Leia mais: Família importa soro dos EUA para salvar estudante picado por Naja
Materiais queimados saindo das janelas do edifício (Amanda Dias/BHAZ)

Alguns ocupantes do edifício chegaram a ficar isolados em andares superiores ao atingido pelas chamas: não conseguiam descer por causa da intensa fumaça. No entanto, pouco depois a situação foi contornada.

Sem auto

O edifício Clemente de Faria não possuía o Auto de Vistoria do Corpo de Bombeiros (AVCB), segundo o capitão Couto, mas isso não impedia que funcionasse.

“Mesmo sem esse documento, o edifício estava autorizado a funcionar, pois algumas medidas de segurança já tinham sido tomadas para garantir o adequado funcionamento do espaço. Quando o perigo iminente é detectado, de imediato, os bombeiros interditam o local, esse não era o caso daqui”.

Cerca de 16 bombeiros combateram as chamas no Centro de BH (Amanda Dias/BHAZ)

Além do edifício Clemente de Faria, outros dois precisaram ser evacuados: o Balbina Camila de Araújo e o Condomínio Super Building Valente, sendo que o último foi liberado logo após o trabalho dos bombeiros, por volta das 14h30, e as pessoas retornaram ao espaço.

No local estavam viaturas dos bombeiros e do Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Amanda Dias/BHAZ)

A previsão é de que o edifício Clemente de Faria seja
liberado somente no fim do dia, enquanto o andar, cuja sala pegou fogo, somente
amanhã. No combate às chamas estiveram empenhados 16 bombeiros, o número de
litros d’água utilizados ainda não foram divulgados.   

A Defesa Civil de Belo Horizonte realizará vistoria no local.

Vitor Fórneas

Vitor Fórneas

Repórter do BHAZ desde maio de 2017. Jornalista graduado pelo UniBH (Centro Universitário de Belo Horizonte) e com atuação focada nas editorias de Cidades e Política.

Comentários