Home Notícias Internacional Mágico tenta reproduzir truque em rio e morre afogado

Mágico tenta reproduzir truque em rio e morre afogado

A polícia indiana encontrou o corpo de Chanchal Lahiri na semana passada (18), em um banco de areia no rio Hooghly, que corta a cidade de Calcutá, quinta maior da Índia, com cinco milhões de habitantes. O indiano foi dado como desaparecido no domingo (16), quando tentava reproduzir um truque do famoso mágico norte-americano Harry Houdini, que ficou famoso por seus truques no início do século 20.

O nome artístico de Lahiri era Mandrake, ele tinha 41 anos e foi encontrado ainda amarrado nas cordas e correntes que usava para o truque. A intenção era se libertar das amarras enquanto estava submerso no rio. Na ocasião, chegou a dizer ao público: “Se eu fizer corretamente, será mágica. Se cometer um erro, será tragédia”.

Mandrake teria realizado esse truque com sucesso pelo menos uma dúzia de vezes anteriormente. “Ele costumava praticar em piscinas e rios”, disse Sumit Kharbanda, presidente da Irmandade Indiana de Mágicos em Delhi, ao jornal britânico The Guardian.

“Toda magia tem que ser perfeita e é preciso muita prática, mas mesmo com a prática, as coisas podem dar errado. Este foi um desempenho muito perigoso. Não sei se foi um problema respiratório ou simplesmente não conseguir desfazer as fechaduras”, comentou Kharbanda.

Na montagem da foto abaixo são momentos do vídeo em que Mandrake está sendo colocado na água para realizar o truque:

A bordo de um barco, já dentro do rio Hoogly, os ajudantes ajustaram com força as correntes. Cordas amarraram os pés e as mãos. Um guindaste, instalado na ponte logo acima, puxou o mágico, para depois colocá-lo no rio.

Assista ao vídeo:

Com a correnteza forte do rio em Calcutá, a mágica do Mandrake se transformou em emergência. Alguns minutos embaixo d’água, preso com cadeados, cordas e correntes e nada de aparecer na superfície.

Não havia mergulhadores nem barco de resgate de prontidão, porque, segundo a capitania dos portos, Mandrake começou a mágica uma hora e meia antes do previsto, e também não tinha explicado direito para as autoridades o que ia fazer. A equipe de Mandrake começou a pedir ajuda, e só depois de 15 minutos do sumiço a polícia foi acionada.

O corpo foi encontrado 30 horas depois, a um quilômetro do ponto onde ele afundou para fazer a mágica.

O grande mestre do escapismo foi o mágico húngaro-americano Harry Houdini, que fazia truques de risco máximo entre o final do século 19 e o começo do século 20, inclusive embaixo d’água. Os escapistas de hoje se inspiram nele.

Comentários