Home Notícias Minas Gerais Conta de água mais cara! Reajuste é autorizado e passará a valer em agosto

Conta de água mais cara! Reajuste é autorizado e passará a valer em agosto

Consumidores podem preparar o bolso, pois a conta de água da Copasa (Companhia de Saneamento de Minas Gerais) ficará mais cara a partir de agosto de 2019.

O reajuste médio de 8,38% foi autorizado pela Arsae-MG (Agência Reguladora de Serviços de Abastecimento de Água e de Esgotamento Sanitário do Estado de Minas), após publicação de uma resolução no Minas Gerais, diário oficial do Estado, em 29 de junho.

O reajuste é calculado considerando o impacto da inflação nos custos como energia elétrica, combustível e gastos com pessoal. A inflação dos últimos 12 meses é utilizada para esta projeção.

Usuários residenciais com água, coleta e tratamento de esgoto e que consomem 10m³ (10 mil litros) mensais, deixarão de pagar contas de R$ 72,93 e passarão a pagar R$ 81,41, um aumento de R$ 8,48. Já os moradores com o mesmo perfil de consumo, mas cadastrados na Tarifa Social, que pagavam R$ 34,95, terão fatura mensal de R$ 38,98.

Reajuste tarifário (Arsae-MG/Divulgação)

Tarifa de esgoto alterada

Também foram promovidas alterações nas tarifas de esgoto. Agora, a tarifa de esgoto coletado sem tratamento foi reduzida de 37,50% para 31,25% da tarifa de água, enquanto a tarifa de esgoto coletado e tratado aumentou de 95% para 97,5% da tarifa de água.

De acordo com a Arsae-MG, os valores obedecem a critérios de capacidade de pagamento dos usuários da Copasa, mantendo o patamar de comprometimento da renda abaixo de 3% que é o padrão sugerido pela ONU (Organização das Nações Unidas).

A Copasa tem a concessão de água em 590 municípios mineiros, operando em 581 deles. Desses municípios, há concessão de esgoto em 253, com operação em 222.

Aumento da tarifa

Em 2019, a receita tarifária base foi reajustada em 4,09% (Índice de Reajuste Tarifário), sendo 3,73% referentes a correções inflacionárias e 0,36% resultante dos incentivos tarifários. Contudo, devido aos componentes financeiros, compostos principalmente por regras definidas na revisão tarifária de 2017, o impacto a ser sentido pelos usuários nesse ano será de 8,38%, em média (Efeito Tarifário Médio).

Os subsídios para investimento na Copanor, subsidiaria integral da Copasa que atende a região Nordeste do Estado, e os repasses para fundos municipais de saneamento básico (previstos na lei federal 11.445/2007) são os componentes financeiros que também pesaram no reajuste atual.

Com informações da Arsae-MG

Comentários