Home Notícias BH ‘Não aos retrocessos’: Parada LGBT de BH projeta reunir 200 mil pessoas e contemplar ‘todas as letras’

‘Não aos retrocessos’: Parada LGBT de BH projeta reunir 200 mil pessoas e contemplar ‘todas as letras’

Por Moisés Santos

Vasta programação, com atrações musicais e praça de serviços; recorde na representatividade trans e lésbica; e afirmação: para dizer basta aos retrocessos. Com previsão de reunir cerca de 200 mil pessoas, a 22ª edição promete animar e conscientizar Belo Horizonte neste domingo (14). A concentração começa às 11h, na Praça da Estação, e o evento vai até a praça Raul Soares.

Representantes do Cellos-MG, da Prefeitura de BH e da HomoDriver em Coletiva de Imprensa nesta quarta-feira (10). (Moisés Santos/BHAZ)

O Centro de Luta pela Livre Orientação Sexual de Minas Gerais (Cellos-MG), a Prefeitura de Belo Horizonte (PBH) e empresas parceiras anunciaram nesta quarta-feira (10) os últimos detalhes da parada, que carrega sua conhecida alegria, mas cujo principal objetivo é político – como sempre foi.

“Há um foco em não deixar a parada se tornar meramente um Carnaval fora de época. Pela primeira vez, haverá uma maior representatividade trans, com um DJ na concentração e mais de 20 pessoas trans no palco, e também lésbica”, afirma o coordenador artístico do evento, Gilberth Santos, reforçando a preocupação em abarcar todas as letras da sigla LGBT.

A 22ª Parada LGBT de BH conta com o apoio da prefeitura, que reforça a importância enquanto “evento afirmativo, de visibilidade, de luta e de expressão”. “Avançamos muito com a consolidação da Diretoria de Políticas para a População LGBT, que é um espaço que proporciona elaborar, construir e pensar estrategicamente a implantação de políticas publicas para a população LGBT no município de BH”, reforça a diretora de Políticas Públicas para a População LGBT, Nayara Carvalho, responsável pela operação do evento.

Praça de Serviços

Durante a parada, o público também terá acesso a diversos serviços. A PBH, em parceria com o projeto Horizontes UFMG, leva a barraca de prevenção para discutir DST’s (doenças sexualmente transmissíveis), tirar dúvidas sobre PrEP (Profilaxia pré-exposição) e outras profilaxias de combate a doenças sexualmente transmissíveis.

A Defensoria Pública-MG e OAB, por sua vez, darão orientações jurídicas; o CRP-MG (Conselho Regional de Psicologia) prestará atendimento psico-social para pessoas LGBT ou não; e o Cellos-MG e Centro de Referência LGBT de BH estarão a disposição para orientações e suportes diversos.

Estrutura

Segundo Gilberto Castro, presidente da Belotur, a estrutura disponibilizada seguirá os moldes de grandes eventos, como o Carnaval de BH. “São várias mãos trabalhando em prol desse grande evento. Teremos o COP (Centro de Operações da Prefeitura), focado no evento e todos os órgãos, junto à Polícia Militar do Estado, com um trabalho multidisciplinar para que tudo aconteça da melhor maneira possível”.

A parada contará com uma operação especial de segurança, com a Guarda Municipal de BH e a Polícia Militar de MG e, também, com operação especial de trânsito, pela BHTrans.

“Trabalharemos com uma perspectiva de grandes eventos, onde a segurança da pessoa que está a pé tem uma importância maior. A BHTrans fará um bolsão [isolamento de área] para que a parada aconteça em segurança durante todo o trajeto”, afirma Gilberto Castro.

22º Parada do Orgulho LGBT de BH

Quando? Domingo (14), a partir das 11h

Onde? Concentração na Praça da Estação, no Centro de BH, e vai até a praça Raul Soares

Quanto? Gratuito

Mais informações? Acesse aqui

Comentários