Home Notícias BH Morador de rua ganha transformação após ser expulso de calçada e destruir os próprios quadros

Morador de rua ganha transformação após ser expulso de calçada e destruir os próprios quadros

Quem passa por um ponto específico da avenida do Contorno, no bairro Floresta, região Leste de BH, provavelmente já se deparou com os quadros de Gerson Flores. O homem de 47 anos sobrevive nas ruas há pelo menos 20 e é conhecido pelas pinturas que produz e exibe. Apesar de ser admirado e querido por muitos que circulam por lá, na última quarta-feira (17), um desentendimento fez com que ele destruísse suas próprias obras de arte.

Antes e depois das obras de arte de Gerson (Vitor Fernandes + Maria Eduarda Faria/BHAZ)

A proprietária de um restaurante próximo ao local chamou a Polícia Militar (PM) alegando que Gerson estava atrapalhando os clientes dela. Ainda abatido com a situação, ele contou ao BHAZ que nunca fez mal ou atrapalhou qualquer pessoa por lá. Ainda afirmou que ajuda frequentemente os clientes que saem e entram no local.

“Eu não aguento mais o povo desfazendo de mim e do meu cachorro. Eles falam que eu só fico juntando lixo ali, eu não aguento mais, eu quebrei tudo. Eu não quero mais ficar aqui, eu quero ir embora. Porque sempre que as pessoas caem ali, eu que ajudo, ela nem chega perto”, lamentou Gerson. Procurada, a proprietária do restaurante disse não querer comentar o assunto.

Esta não foi a primeira vez que Gerson foi expulso de uma calçada. O artista ficava do outro lado da rua, quando morava em frente a um motel, mas também foi “enxotado”. Ele lembra do dia e comenta não aguentar mais a mesma situação. “A mulher me mandou embora sem direito a nada e eu nunca briguei, nunca discuti. E agora está acontecendo a mesma coisa, eu não aguento mais”.

Tatiane Oliveira/Portal BHAZ

Com a chegada da PM, o homem foi orientado a deixar a frente do local enquanto a mulher foi aconselhada a procurar a Prefeitura de Belo Horizonte para que providências sejam tomadas em relação ao uso do espaço. Mesmo com a situação apaziguada pelos militares, Gerson teve um ataque de nervos e desmotivação, que o fez quebrar seus próprios quadros.

A equipe do BHAZ esteve no local logo após o ocorrido e viu de perto o estado de Gerson. Ao mostrar a pilha de madeira e de quadros partidos ao meio, o homem se sentiu mal novamente e tornou a quebrar o restante das obras de arte. “Eu quebrei tudo. Já que é lixo, vamos quebrar”.

Maria Eduarda Faria/Portal BHAZ

Procurada pelo BHAZ, a Prefeitura de Belo Horizonte esclarece que será realizada uma ação educativa junto ao cidadão com o intuito de conscientizá-lo a não obstruir o passeio e a manter o espaço organizado.

Dia de transformação

Gerson vive nas ruas há pelo menos 20 anos e tem como fiel escudeiro o cachorro Pitoco, que o acompanha para todos os lados. Ao passar pouco mais de uma hora ao lado do homem, é possível ver o carrinho que ele tem pelo animal. Além disso, também foi possível observar os desafios que ele enfrenta e o que tem passado nas ruas.

Pensando nisso, o BHAZ quis saber se Gerson precisava de ajuda com roupas e alimentos, mas ele disse estar “tranquilo”. Questionado, então, sobre querer tomar um banho e cortar os cabelos, o homem foi só alegria diante da proposta: “Durante os 20 anos que eu moro na rua, ninguém nunca me perguntou isso. Eu estou emocionado, é claro que eu quero!”.

Tatiane Oliveira/Portal BHAZ

Gerson foi levado a um hotel onde pode tomar banho e logo após foi encaminhado para a Barbearia Belo Horizonte, parceira na iniciativa, que possibilitou um corte de cabelo daqueles. A transformação é incrível (confira as fotos abaixo).

Maria Eduarda Faria/Portal BHAZ

“Eu sempre vou lembrar do que vocês fizeram por mim e que um dia eu possa retribuir da melhor forma”, disse Gerson. Ele ainda presenteou a equipe com o único quadro que não havia quebrado, por ser seu favorito.

Maria Eduarda Faria/BHAZ

Sonho de ter uma casa e cuidar de cachorros

O sonho dele é ter uma casa. “Quero ajudar todos os cachorros que puder, todos. Para evitar que as pessoas fiquem maltratando os animais, porque Deus não colocou isso na palavra”.

“Tenho fé demais da conta. Deus me deu uma missão, que foi de cuidar deles [cachorros]. Tudo que eu estou vivendo tem um motivo”, conta Gerson, enquanto abraça o cachorrinho.

Maria Eduarda Faria/BHAZ

Comentários