Home Notícias BH BHTrans desembolsa R$ 36,9 mil para saber o que o morador acha do trânsito de BH e esconderá dados

BHTrans desembolsa R$ 36,9 mil para saber o que o morador acha do trânsito de BH e esconderá dados

A BHTrans (Empresa de transportes e Trânsito de Belo Horizonte) contratou uma empresa especializada em pesquisas para ouvir a opinião dos belo-horizontinos sobre o trânsito e transporte na capital. O estudo custará R$ 36,9 mil aos cofres públicos e deve ser realizado até o dia 17 de janeiro de 2020, quando o contrato da autarquia com a empresa de pesquisa vence.

Ao todo, serão ouvidas 1,3 mil pessoas divididas igualmente entre as nove regionais da cidade. Ainda segundo a autarquia, serão obedecidos os parâmetros do IBGE no estudo, tais como sexo, escolaridade etc. A pesquisa deve ser realizada ainda neste segundo semestre de 2019.

Contudo, os dados da pesquisa não serão revelados para a população já que, segundo a assessoria da BHTrans, a pesquisa é interna. De acordo com a BHTrans, a pesquisa é realizada anualmente, e “serve para que a empresa, ao ter conhecimento da avaliação do transporte coletivo pelos usuários, use os dados para melhoria do serviço”.

Representantes de órgãos da sociedade consideram a iniciativa um “absurdo”, já que os dados não serão divulgados. De acordo com a representante do Movimento Nossa BH, Letícia Domingues, a BHTrans deveria rever a divulgação da pesquisa.

Reprodução/DOM

“Se está atribuindo dinheiro público em informações que são de interesse público, tem que passar pela sociedade. É preciso ter transparência na administração púbica. Uma pesquisa de avaliação de política só pode fazer sentido se tiver debate público”.

Com temas importantes para a cidade em pauta na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), como a aprovação do novo Plano Diretor, que inclui o Plano de Mobilidade; a regulamentação de aplicativos de transporte e das bicicletas e patinetes na capital, o estudo poderia agregar a opinião popular nos debates.

Participação popular

Integrantes do Movimento Nossa BH e outros grupos da sociedade civil querem que o Conselho de Mobilidade Urbana (Comurb) seja reativado em Belo Horizonte. O órgão, que inclui a participação popular nas discussões sobre mobilidade na cidade, foi criado em 2013, durante a gestão de Marcio Lacerda (ex-PSB), e desativado em 2016, já na gestão Kalil (PSD).

Segundo o Movimento Nossa BH, o conselho não se reúne há mais de 1.200 dias, quando as reuniões deveriam ser bimestrais, conforme artigo 6º do Regimento Interno do Conselho. Com a aprovação do novo Plano Diretor de Belo Horizonte, o Comurb passará a ter força de lei, superior o decreto que o mantém atualmente.

“Acho que, nesse cenário, o conselho teria um papel importante para pensar e analisar esta pesquisa proposta pela BHTrans, tanto para formulação quanto análise dos dados”, afirma Letícia.

Segundo Guilherme Tampieri, que também é do Movimento Nossa BH, “durante esse período de não funcionamento do Conselho, fazendo um recorte apenas entre o ano de 2017 e 2018, o uso da bicicleta subiu mais 16% na capital mineira, sem a construção de um quilômetro de ciclovias ou ciclofaixas, como aponta a contagem de ciclistas feitas pela BH em Ciclo. Durante a greve de caminhoneiros, a cidade viu um crescimento de ciclistas na ordem de 76%, conforme os dados do contador de ciclistas da avenida Bernardo Monteiro”, diz.

“A reativação do Conselho de Mobilidade Urbana é urgente. Nos 1.200 dias em que ele esteve desativado, o sistema de transporte coletivo piorou. Perdemos trocadores, a tarifa aumentou”, acrescenta Letícia Domingues.

Questionada sobre a reativação do conselho, a BHTrans disse que apura o caso e que deve responder em breve. Caso a autarquia se posicione, esta matéria será atualizada.

Avatar

Rafael D'Oliveira

Rafael.doliveira@bhaz.com.br

Comentários