Home Notícias Política Advogada faz pedido de cassação e representação criminal contra vereador Mateus Simões

Advogada faz pedido de cassação e representação criminal contra vereador Mateus Simões

Uma advogada da capital mineira protocolou na Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH), nesta quarta-feira (31), um pedido de cassação contra o vereador Mateus Simões (Novo). Segundo a assessoria da Casa, o protocolo foi feito já no fim do expediente de hoje e deve ser analisado pela procuradoria a partir desta quinta (1º).

A advogada responsável pelo pedido é a mesma que protocolou, em junho, um pedido de cassação contra o vereador e ex-presidente da câmara, Henrique Braga (PSDB).

Em nota publicada em sua rede social (confira na íntegra abaixo), Mateus disse que a ação contra ele se trata de uma “cortina de fumaça” para salvar Wellington Magalhães (DC), vereador alvo de um pedido de cassação protocolado por Simões.

Em conversa com o BHAZ, o vereador alegou que a advogada sustenta o pedido de cassação em provas produzidas por ela mesma. “Na verdade, é uma coisa circular. Eu anunciei, com dois dias de antecedência, que faria o requerimento pela cassação do Wellington Magalhães e, quase que simultaneamente, essa pessoa fez um pedido, sem pé nem cabeça contra o Henrique Braga. Uma peça feita em ‘recorta e cola’, mal produzida, falando de uma acusação que já foi arquivada”, conta Simões.

Segundo o vereador, no mesmo dia, ele disse em plenário que se tratava de uma estratégia. “Falei estavam tentando tumultuar a investigação do caso Magalhães, fazendo pressão no ex-presidente da Casa e colocando todos os parlamentares no mesmo balaio do Wellington. Hoje, fui surpreendido pelo pedido de cassação contra mim, que reforça a ideia de que há uma estratégia”, conta.

Ainda de acordo com o parlamentar, a advogada foi à delegacia e fez uma representação criminal alegando que ele a acusou de trabalhar em nome de Wellington Magalhães. E, agora, ela protocolou um pedido de cassação por quebra de decoro parlamentar, já que ele responderá por um processo criminal.

“Ela alega que, se Magalhães não pode ser vereador por responder um processo criminal, eu também não posso, pois vou responder também. Eu disse que ela age a pedido do Wellington, e age mesmo. Esse pedido de cassação é a prova.  O Magalhães é um criminoso que precisa ser retirado da Câmara”, afirma.

O BHAZ tentou contato com a advogada responsável pelo pedido de cassação, mas não obteve retorno.

Outros pedidos

O pedido de cassação contra Mateus Simões não tem prazo para ser analisado, já que existem outros três pedidos na fila: contra Wellington Magalhães, Henrique Braga e o do vereador Cláudio Duarte (PSL), que será votado em sessão extraordinária nesta quinta-feira na CMBH.

Antes, a procuradoria da Câmara já havia arquivado dois pedidos de cassações de mandato contra os vereadores Gilson Reis (PCdoB) e Flávio dos Santos (Podemos).

Nota de Mateus Simões na íntegra

“Eu estava certo, por isso reafirmo: uma cortina de fumaça paira sobre a Câmara Municipal de Belo Horizonte. E o motivo é um só: salvar a pele do vereador Wellington Magalhães, que atualmente circula pela sede do Poder Legislativo de tornozeleira eletrônica.

No dia 11 de junho, quando autorizada a volta de Magalhães à Câmara, anunciei em Plenário que o denunciaria por quebra de decoro parlamentar. Os motivos são vários e já são de conhecimento de todos.

No dia em que anunciei que faria o protocolo do pedido de cassação, veio um outro pedido, minutos antes! E veio assinado por uma advogada, que eu não conheço. Ela fez alegações contra o vereador Henrique Braga, ex-presidente da Câmara, e concluiu, pedindo a cassação de seu mandato. Pela fragilidade das acusações, eu, que não sou e nunca fui aliado de Braga, fiz questão de dizer em plenário: parecia uma estratégia para nivelar todos por baixo — e salvar Wellington Magalhães. Uma cortina de fumaça, propriamente.

Em paralelo, começaram as pressões. Ameaças veladas a mim, à Presidente Nely Aquino e a outros vereadores — relatadas pela imprensa, inclusive. Um clima de tensão e ameaças instalado que deixa claro: Wellington Magalhães deveria estar na prisão. Não poderia estar solto — e muito menos exercendo uma importante função pública. Relatei tudo ao Ministério Público, que já tem, digamos… certa experiência em lidar com Magalhães.

Os fatos de hoje demonstram que eu estava certo — a mesma pessoa que protocolou a denúncia contra Henrique Braga acaba de apresentar um pedido de cassação do meu mandato. A estratégia, então, continua!

Qual a acusação? Exatamente o que acabei de dizer aqui: o fato de que apontei que a denúncia contra o vereador Henrique Braga era uma estratégia, uma cortina de fumaça, arquitetada para salvar Wellington. A pessoa inclusive produziu uma representação criminal contra mim, pelo mesmo motivo — e aponta a ação que ela mesmo move como um argumento pela minha cassação. Assim fica fácil: produz os fatos, o processo e a denúncia!

O que isso revela? Exatamente o que eu apontei: é uma estratégia, que agora conta com mais um ato. Infelizmente eu estava certo. É um método ruim, abominável, mas preciso ser justo: eu não esperava nada menos do que isso”.

Comentários