Home Notícias BH Kalil: Sem trocadores, passagem de ônibus não terá aumento em BH

Kalil: Sem trocadores, passagem de ônibus não terá aumento em BH

O prefeito de Belo Horizonte, Alexandre Kalil (PSD), marcou presença durante a manhã deste sábado (24) na inauguração das obras de revitalização do Campo Cigano, no bairro Lagoa, em Venda Nova, e voltou a falar a respeito do cumprimento de normas por parte das empresas de ônibus. Segundo ele, o contrato de reajuste do valor das passagens só será autorizado caso haja presença efetiva de trocadores dentro do transporte público.

Questionado sobre o posicionamento do presidente do Sindicado das Empresas de Transporte Passageiros de Belo Horizonte (Setra/BH), Joel Paschoalin, de sinalizar que os empresários podem continuar abrindo mão da presença de cobradores nos ônibus da cidade nos horários obrigatórios, Kalil afirmou que sem o retorno dos cobradores para os coletivos não haverá aumento de passagem em 2019 na capital mineira.

“Se não tiver trocador, não tem aumento. Se tiver, a gente cumpre o contrato. Prefeito não dá aumento para ninguém. Isso não é prerrogativa do prefeito. É um contrato que foi feito há anos e anos atrás”, disse. Ainda completou dizendo estar aberto para diálogo, mas afirmou sua posição caso haja descumprimento por parte dos empresários.

“Nós temos que chegar em um termo. O serviço de transporte tem melhorado, os ônibus tem melhorado como eu prometi. Não se emplaca mais ônibus em Belo Horizonte sem ar condicionado e sem suspensão a ar, então nós vamos conversar. Vamos conversar na hora que eles quiserem conversar. Se eles não quiserem conversar também eles ficam sem trocador e ficam sem aumento”, o prefeito.

A afirmação de Kalil se baseia no contexto de sinalização que as empresas não devem retornar com os cobradores para os horários entre 6h e 20h30, momento em que têm sido frequentes os flagrantes da ausência do chamado agente de bordo. Essa situação já gerou 5.098 multas aplicadas pela BHTrans entre janeiro e junho deste ano, mas as autuações estão indo para a dívida ativa da capital por falta de pagamento.

Comentários