Home Notícias BH Inglês é assassinado pelo próprio filho em Contagem e crime choca: ‘Era um menino bacana, nunca deu problema’

Inglês é assassinado pelo próprio filho em Contagem e crime choca: ‘Era um menino bacana, nunca deu problema’

Um crime registrado na noite de quinta-feira (5) em Contagem, na região metropolitana de Belo Horizonte, choca e levanta questionamentos de parentes e conhecidos dos envolvidos. Um jovem de 19 anos matou o próprio pai, de 57, brutalmente. A vítima era um inglês, professor do idioma daquele país, radicado no Brasil há 20 anos e muito querido: “perda inestimável”, lamenta um conhecido.

O crime ocorreu no bairro Arvoredo. Vizinhos ouviram gritos vindos do apartamento da família por volta das 22h e acionaram a Polícia Militar. Quando chegaram ao local, os militares encontraram Joseph John Depmsey caído ao chão com ferimentos no pescoço.

O autor dos ferimentos, segundo a polícia, ainda estava no local: o filho da vítima, Joseph Micheletti Dempsey, de 19 anos. Os militares contam que o jovem resistiu à prisão e foi necessário o disparo de bala de borracha para controlá-lo.

Com o suspeito, a PM apreendeu uma faca suja de sangue e um martelo que estava escondido na mochila dele. Joseph filho foi preso e levado para a Delegacia de Plantão de Contagem.

Joseph pai foi socorrido para a Unidade de Pronto Atendimento (UPA) Ressaca, mas morreu antes de chegar ao local. Ele dava aula na Cultura Inglesa, nas unidades da Cidade Nova e da Savassi.

‘O inglês mais brasileiro’

Joseph John Depmsey era muito querido por quem o conhecia. Ele desembarcou em terras brasileiras há cerca de 20 anos, quando casou-se com uma mineira. Da união do casal, nasceu Joseph Micheletti Dempsey. Poucos anos depois, o casal se separou.

“Ele dizia que nunca voltaria para a Inglaterra porque gostava muito do Brasil. Ele era muito feliz aqui”, conta ao BHAZ uma conhecida de Joseph pai que prefere manter o anonimato. “Ríamos de como ele escrevia, porque, como trabalha muito dando aula de inglês, não conseguia aprender o português direito. Era uma pessoa bem-humorada, maravilhosa”.

A relação entre pai e filho era normal, também segundo quem chegou a conhecer os dois. “O filho dele era um menino super bonzinho, bacana, nunca deu problema. Por isso foi um choque tão grande”, conclui.

A Polícia Militar, responsável pela prisão do rapaz, não informou quais seriam as motivações alegadas pelo suspeito. A investigação para esclarecer essa e outras questões agora, como de praxe, fica a cargo da Polícia Civil.

Comentários