Home Notícias BH Policial e assessores de deputado arrancam placa que homenageava Marielle Franco em BH

Policial e assessores de deputado arrancam placa que homenageava Marielle Franco em BH

Dois funcionários da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG) e um policial militar, que também trabalha na Casa, foram responsáveis pela retirada da placa em homenagem à vereadora Marielle Franco que estava fixada no canteiro da avenida Bernardo Monteiro, no Floresta, na região Central de BH.

A placa foi instalada no dia 10 de agosto como uma homenagem à vereadora assassinada no ano passado. Na quarta (4), o assunto ganhou repercussão na capital e, nessa quinta (5), os três foram ao local arrancar a “sinalização”.

+ Placa em homenagem a Marielle desaparece misteriosamente de praça em BH

O militar Victor Marques juntamente com os jovens Lucas Burlamaque e Nikolas Ferreira trabalham para o deputado estadual Bruno Engler (PSL) e são integrantes do movimento “Direita Minas”. Eles postaram um vídeo nas redes sociais mostrando o momento em que arrancam a placa que renomeava popularmente o local como “Praça Marielle Franco”.

“Não pode deixar que a esquerda jogue contra as regras do jogo, fique homenageando falsos heróis e a gente simplesmente fique tranquilo quanto a isso. Sou contrário a qualquer tipo de manifestação que não seja autorizada por lei, então tá aí essa placa aí (sic.), arrancamos essa porcaria, pois isso aqui não é herói para ninguém”, diz o jovem Nikolas Ferreira. Na filmagem ele está acompanhado do PM Victor Marques (de rosa) e quem filma é Lucas Burlamaque.

Os três estão lotados no gabinete de Bruno Engler. Nikolas Ferreira foi nomeado no dia 22 de agosto para o cargo de assessor parlamentar, com salário previsto de R$ 2,5 mil, com quatro horas de jornada por dia.

Já Lucas Burlamaque foi nomeado no dia 14 de maio deste ano, também como assessor. Ele recebe algo em torno de R$ 960 por quatro horas de trabalho diariamente.

O militar Victor Marques, por sua vez, foi nomeado no dia 2 de fevereiro e recebe algo em torno de R$ 10,6 mil. Segundo a Polícia Militar, é comum que policiais da corporação sejam lotados em gabinetes tanto para assuntos institucionais, tanto para segurança dos parlamentares.

Deputado

De acordo com lavadores de carro que trabalham na região onde a placa estava instalada, os rapazes se identificaram como funcionários da ALMG, alegando que a placa infringia a lei. Na sequência, eles retiraram a homenagem.

O BHAZ conversou com o deputado Bruno Engler. Segundo ele, os rapazes foram até o local durante o horário do almoço. Diante disso, ele não tinha ciência da retirada da placa. “Eu não ordenei que fossem lá, nem estava sabendo da ação, mas, se arrancaram a placa, eu corroboro. Os moradores da região chamam aquele local de praça Perrela, quem chama de praça Marielle é só um grupo político”, afirma Engler.

Deputado Bruno Engler foi eleito com 120 mil votos
(Daniel Protzner /ALMG)

O deputando afirma também que a placa é irregular, já que não foi colocada pela prefeitura. “Não há de se falar em depredação de patrimônio, não quebraram nada, devolveram aos respectivos donos, então estou 100% de acordo”, diz.

Questionado sobre o fato de a prefeitura e a Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) serem responsáveis pela legislação e não a ALMG, o deputado disse que não houve intromissão de poder. “Da mesma maneira como podem colocar, o meu pessoal pode ir lá tirar. Eu não saio por aí colocando placas em homenagem ao Jair Bolsonaro”, conclui.

O BHAZ tentou contato com Lucas, Nikolas e o militar Victor Marques, mas não obteve retorno. Nikolas e Victor estão em Juiz de Fora, junto de Engler e o deputado federal Eduardo Bolsonaro (PSL-SP). No local, um culto ecumênico será realizado em homenagem ao presidente Jair Bolsonaro (PSL), pois, há exatamente um ano, o então candidato à Presidência, foi esfaqueado na cidade.

Engajamento

A retirada da placa causou revolta nos militantes que haviam homenageado Marielle. O grupo alega que a placa será recolocada em breve e o movimento será maior para oficializar o local junto à prefeitura de BH.

O batismo da praça foi realizado no dia 10 de agosto, durante evento do movimento “Ocupa Floresta”, grupo que visa ocupar as regiões do bairro. Na ocasião, mais de 50 artistas realizaram apresentações de teatro, música, cordel, blocos de Carnaval etc.

De acordo com a integrante do movimento Casa Socialista, Misley Pereira, houve um aumento no engajamento.

Moisés Santos/BHAZ

“Outras pessoas, além das que se envolveram no ato político e espontâneo de colocar a placa em homenagem à Marielle, se engajaram e aderiram ao processo e o fato de tirarem a placa daqui serviu como um mobilizador. Agora, o objetivo é transformar realmente isso em um espaço social, real e oficializado pela prefeitura com o nome de Marielle Franco. Se a intenção era nos silenciar, só potencializou nossa ação”, afirma.

+ BH ‘ganha’ praça em homenagem à Marielle Franco: ‘Patrimônio político’

Em Belo Horizonte, de acordo com a Lei Orgânica, cabe à Câmara Municipal de Belo Horizonte (CMBH) ou ao Executivo enviar projetos de lei para a alteração de nomes de ruas e praças. Segundo os integrantes da Casa Socialista, a bancada de vereadores de esquerda da capital já se mobiliza para levar o assunto adiante.

Polêmica

Em março deste ano, outra funcionária do deputado Bruno Engler se envolveu em uma polêmica. A assessora do político, Fernanda Salles, escreveu um texto publicado no site “Terça Livre” que culminou em ataques à jornalista do jornal Estado de S. Paulo, Constança Rezende.

O texto assinado por Fernanda atribuiu à jornalista Constança Rezende a afirmação de que ela teria intenção de arruinar o governo de Bolsonaro. Contudo, de acordo com o jornal Estado de São Paulo, a informação era falsa.

+ Autora de texto com informações falsas sobre repórter do Estadão trabalha para deputado do PSL em Minas

Fernanda confirmou ao veículo ter feito a publicação no site, porém afirmou que não é a autora do texto, alegando que tratava-se de uma reprodução de uma denúncia feita pelo jornalista francês Jawad Rhalib, de 53 anos, colunista do site Mediapart. Em nota, o site Mediapart disse que se solidarizava com a jornalista Constança Rezende, atacada pelo presidente, e afirmou que as informações que serviram como base para o tuíte de Bolsonaro eram falsas.

Comentários