Home NotíciasBHFilha de homem que estava grávido nasce no interior de SP: ‘Perfeita e saudável’

Filha de homem que estava grávido nasce no interior de SP: ‘Perfeita e saudável’

Nasceu na noite dessa quarta-feira (11) a pequena Antonella, filha do auxilar de produção, de 27 anos, Frank Teixeira e da professora do ensino infantil, Taris de Souza, de 38 anos. Poderia ser um nascimento como tantos outros, mas o caso ganhou destaque devido ao fato de que Frank foi quem ficou grávido, já que trata-se de um homem trans.

O sonho da maternidade foi realizado pelo casal, mostrando que são possíveis novas configurações familiares e que um lar só depende do amor.

Leia mais: Mulher é sequestrada enquanto dirigia em Venda Nova

Antonella nasceu na Santa Casa de Misericórdia de Itapira, no interior de São Paulo, com 3,4 quilos e 48 centímetros. Pelas redes sociais, o casal comemorou o nascimento da menina e recebeu o carinho de amigos e familiares. “Perfeita, saudável para honra e glória do Senhor”, escreveu a mamãe.

Frank e Taris se
conheceram há cerca de seis anos em uma academia, dois anos antes de o rapaz
começar o processo de transição com hormônios. A mulher sempre sonhou ser mãe e
os dois resolveram colocar em prática um plano para engravidar.

Leia mais: Homem tenta fugir da PM, causa acidente e espalha R$ 14 mil pelo asfalto

Antes de Frank engravidar, Taris havia tentado a gestação por pelo menos 11 vezes, mas sem sucesso, até que o namorado tomou as rédeas da situação e resolveu surpreendê-la com a gravidez. O BHAZ contou a história do casal e você pode conferir clicando aqui.

+ O pai está grávido: Este casal prova que família é onde há amor

Afinal, o que é uma
pessoa transexual?

O que define uma pessoa
transexual? Qual a diferença entre uma mulher transexual e uma travesti?
Transativista e autora do e-book “Orientações sobre a população transgênero:
conceitos e termos”, a especialista Jaqueline Gomes de Jesus é uma das pessoas
mais indicadas para falar sobre o assunto.

Segundo a estudiosa, uma
pessoa trans é aquela que não se identifica com o sexo que nasceu, é quem
nasceu homem e reivindica o reconhecimento social como mulher ou vice-versa.
Diferentemente do que muitas vezes o senso comum dissemina, não é o
procedimento cirúrgico que define uma pessoa como trans ou não.

Já travesti é quem
vivencia o papel de uma pessoa do gênero feminino, mas não se reconhece como
mulher e nem como homem, mas como membro de um terceiro gênero ou de um
não-gênero. Apesar disso, a forma correta de se dirigir à uma travesti é sempre
no feminino.

Identidade de Gênero x
Orientação Sexual

Ainda seguindo na linha
de raciocínio proposta por Jaqueline Gomes de Jesus, é importante esclarecer
também a diferença entre identidade de gênero e orientação sexual.

A identidade de gênero
diz respeito àquela em que a pessoa se identifica, podendo ser o mesmo que lhe
foi designado ao nascer ou não (masculino ou feminino). Quando o indivíduo se
identifica com o gênero que lhe foi designado ao nascer, o definimos como
cisgênero; quando o gênero de identificação e o de nascimento não são
compatíveis, trânsgenero.

A orientação sexual nada
tem a ver com a identidade de gênero. Trata-se da atração afetivo-sexual por
alguém. Um indivíduo pode ser heterossexual (se atrai por pessoas de gênero
diferente daquele com o qual se identifica), homossexual (atraído por pessoas
de gênero igual àquele com o qual se identifica), bissexual (se atrai por
pessoas de qualquer gênero) ou assexual (não sente atração sexual por pessoas
de qualquer gênero).

Dessa forma, uma mulher trans – isto é, que nasceu como homem mas se identifica como mulher – que, por exemplo, se sente atraída por homens – independentemente se trans ou não – é considerada uma mulher trans heterossexual. Quer saber mais? Leia na íntegra a reportagem ELA, produzida por Rodrigo Salgado para o BHAZ. Clique aqui.

Comentários