Home Notícias Brasil Aposentado é preso suspeito de estuprar neta da esposa e idosa defende: ‘Ela é fogueteira’

Aposentado é preso suspeito de estuprar neta da esposa e idosa defende: ‘Ela é fogueteira’

Um aposentado de 72 anos foi preso na última semana suspeito de estuprar a neta de sua esposa em Indiara, no sudoeste de Goiás. A menina de 9 anos relatou que já sofria abusos há um ano, mas só teve coragem de contar para a família após ouvir uma palestra na escola sobre o tema. A avó da vítima defendeu o marido ao saber do caso.

De acordo com a Polícia Civil de Goiás, o idoso foi preso ao procurar a delegacia acompanhado de uma advogada para dar sua versão diante da denúncia. O delegado responsável pelo caso, Daniel Moura, disse que já havia um mandado de prisão contra o suspeito, que foi cumprido quando ele se apresentou. “Ele negou o crime, disse que todas as declarações feitas são falsas”, disse.

Após a denúncia feita no final de agosto, a mulher do idoso chegou a enviar áudios para a mãe da vítima defendendo o marido e culpando a menina pelo crime.

“Ele falava que essa menina era muito ‘fogueteira’. Vivia só em ‘riba’ dele, querendo dinheiro com ele. (…) Esfregando nele por causa de dinheiro. Vai indo, o homem não aguenta”, disse a avó paterna em um trecho da gravação.

Em outro áudio, a avó confessou que ouviu da neta que o aposentado a estaria “abraçando e beijando”, mas novamente culpou a criança. “Ela vem com aquelas brincadeirinhas: ‘vovó’, rindo e brincando, ‘vovó, o vovô tá me abraçando e me beijando’. Eu falei: ‘tá porque você é sem vergonha, por que não sai de lá de perto dele? Por que tem que ficar atrás dele pedindo dinheiro? Pra quê? Mulher que pede dinheiro pra homem está querendo é outras coisas.'”

Palestra na escola

Segundo a Polícia Civil do Estado de Goiás, a criança aprendeu sobre a importância de denunciar abusadores durante uma palestra na escola. Ela chegou em casa e contou aos pais que vinha sendo assediada há cerca de um ano.

A mãe da criança, uma dona de casa de 36 anos, disse aos militares que a filha já apresentava um comportamento agressivo há bastante tempo, mas não havia dito nada sobre os abusos antes.

A Polícia Civil segue agora com novas etapas da investigação.

Comentários