Home Notícias Política Ministro Augusto Heleno usa termo racista para se referir a Dilma: ‘viaja para denegrir a imagem do Brasil’

Ministro Augusto Heleno usa termo racista para se referir a Dilma: ‘viaja para denegrir a imagem do Brasil’

O ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, usou seu perfil no Twitter para criticar a viagem da ex-presidente Dilma Roussef a Paris, e um termo usado por ele provocou reações inflamadas em internautas.

Irritado por ela ter feito críticas a Jair Bolsonaro, durante uma palestra na Universidade de Sorbonne, Heleno esbravejou: “A Sra Rousseff, durante palestra em Paris, fez várias críticas ao Pres Bolsonaro. Não falou de seu lamentável passado como guerrilheira, de seu merecido impeachment nem do fracasso da sua candidatura ao Senado por MG”, disse. E completou. “Viaja para denegrir a imagem do Brasil no exterior”.

O uso da palavra “denegrir” provocou uma avalanche de críticas ao ministro. De acordo com o dicionário Michaelis, a palavra significa “tornar negro” ou “difamar”. A expressão vem sendo considerada ofensiva por linguistas e entidades voltadas para a defesa dos Direitos Humanos, porque classifica o negro como algo negativo.

No Twitter, a hashtag #denegrir figura entre os assuntos mais comentados do país, desde o início da manhã. Entre muitas críticas, alguns defendem que se trata apenas de um vocábulo.

Para o doutor e professor da Faculdade de Letras (Fale) da UFMG Jacyntho José Lins Brandão, “a Língua é uma instituição social. Ela se transforma junto com a sociedade. Existem termos que foram banidos, pois passaram a ser considerados ofensivos”, explica ao BHAZ.

“O questionamento sobre se o termo ainda é apropriado faz parte do processo de comunicação. O discurso estava nas mãos de homens brancos, de classes mais favorecidas. Quem não tinha voz, agora tem. E isso é bom em termos de diversidade’, pondera Brandão.

Além disso, para o professor, o recebedor “pode estabelecer padrões do que é aceitável e do que não é. E é perfeitamente legítimo quando alguém diz ‘eu me sinto ofendido’. Isso deve ser respeitado”, finaliza.

Críticas a Bolsonaro

Durante a palestra em Sorbonne, a ex-presidente falou sobre a situação política no país e especificamente sobre Jair Bolsonaro. Ao ser apresentada, Dilma foi bastante aplaudida pelos presentes no auditório.

Sobre o governo atual, a ex-presidente afirmou que Bolsonaro “não tem chip de moderação” e dispara sem nenhum pudor ofensas contra pessoas como a primeira-dama francesa Brigitte Macron e a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos e ex-presidente do Chile, Michelle Bachelet.

Dilma ainda declarou que “ele defende a tortura e o assassinato político e que é ‘neo’ (neofascista e neonacionalista) porque ele não é nacionalista, ele bate continência para os Estados Unidos”,

Posição do ministro

O BHAZ entrou em contato com a assessoria de imprensa do Gabinete de Segurança Institucional que informou que não vai se pronunciar sobre o assunto.

Comentários