Home Notícias Política ‘Ia matar o Gilmar e me matar depois’: Janot diz que foi armado ao STF

‘Ia matar o Gilmar e me matar depois’: Janot diz que foi armado ao STF

O ex-procurador-geral da República Rodrigo Janot revelou que chegou a ir armado a uma sessão no plenário do Superior Tribunal Federal (STF), durante a qual pretendia matar o ministro Gilmar Mendes e, em seguida, se matar. A declaração foi feita nessa quinta-feira (26)em entrevista ao jornal Estado de S. Paulo. 

No relato assustador, Janot disse , em maio de 2017, pediu o impedimento de Gilmar na análise de um habeas corpus de Eike Batista. O argumento era de que a mulher do ministro, a advogada Guiomar Mendes, atuava no escritório Sérgio Bermudes, que advogava para Eike.

De acordo com Janot, depois de ele apresentado o pedido contra Gilmar, o ministro espalhou uma história sobre a filha do ex-PGR. “Foi logo depois que eu apresentei a sessão (…) de suspeição dele no caso do Eike. Aí ele inventou uma história que a minha filha advogava na parte penal para uma empresa da Lava Jato. Minha filha nunca advogou na área penal… e aí eu saí do sério”, disse Janot.

Que ainda destacou: “Não ia ser ameaça não. Ia ser assassinato mesmo. Ia matar ele e depois me suicidar”, garantiu Janot. E revelou que,armado, encontrou Gilmar na antessala do plenário. “Ele estava sozinho. Mas foi a mão de Deus. Foi a mão de Deus. Eu vi, olhei, e aí veio uma ‘mão’ mesmo”.

Após o encontro com Gilmar, Janot conta que alegou que estava se sentindo mal e pediu ao vice-PGR que o substituísse na sessão do Supremo.

O ministro Gilmar Mendes ainda não se pronunciou sobre o assunto.

Comentários