Home NotíciasBHPolícia investiga denúncia de abuso sexual contra aluno de 3 anos no Colégio Magnum

Polícia investiga denúncia de abuso sexual contra aluno de 3 anos no Colégio Magnum

A Polícia Civil de Minas Gerais investiga uma denúncia de abuso sexual que teria ocorrido no Colégio Magnum, uma das principais instituições de ensino particular de Belo Horizonte. A mãe de uma criança de três anos procurou a Delegacia Especializada em Proteção à Criança e ao Adolescente (Dopcad), na quinta-feira (3), para relatar que o filho teria sido abusado por um auxiliar do professor de educação física da unidade.

A mãe, que tem 45 anos, contou à polícia que notou uma mudança no comportamento da criança e que, durante um diálogo, o menino imitou ações de cunho sexuais que estariam ocorrendo na escola e apontou quem seria o autor dos abusos.

Leia mais: CDL pede MPMG para manter reabertura gradual do comércio em BH

O colégio, localizado no
bairro Cidade Nova, na região Nordeste da capital, tomou ciência do ocorrido e
se reuniu com os pais da criança ainda na sexta-feira (4). Em nota (confira
na íntegra abaixo
), a escola alega que o funcionário apontado como o autor
dos abusos foi afastado e que a família está recebendo todo apoio necessário.

“Imediatamente, foram
colocadas à disposição da família as assessorias jurídica e psicológica, e o
profissional envolvido foi afastado de suas funções para auxiliar na
transparência das apurações”, diz.  “A
instituição está à disposição dos órgãos competentes e empenhada para que tudo
seja esclarecido com urgência e celeridade”, acrescenta

De acordo com o registro
da ocorrência, a mãe da criança notou que o filho estava tentando beijá-la na
boca, o que seria um comportamento incomum, segundo ela. Foi quando ela
perguntou ao menino quem havia lhe ensinado isso. O filho respondeu dizendo o nome
do suspeito que trabalha na escola.

Leia mais: Homem morre baleado após apontar arma para policiais na Grande BH

Além disso, o menino imitou gestos para a mãe dando a entender que seria forçado a tocar o órgão sexual do homem, e que o suspeito faria o mesmo com ele. Ela questionou ao menino o que mais o funcionário do colégio teria feito e ele então reproduziu gestos relacionados à prática de sexo oral.

O caso está em investigação na Dopcad. APolícia Civil pediu a realização de exames no garoto.

Nesta segunda-feira (7)
os gestores e coordenadores do Colégio Magnum se reunião para discutir o
assunto internamente e devem se encontrar com a família da vítima novamente para
anunciar quais medidas serão tomadas em relação ao caso.

O BHAZ, prezando pelo
compromisso jornalístico de ouvir todos os lados, optou por não divulgar o nome
do suspeito, já que não conseguiu contato com a defesa para ouvir a versão dele
diante das graves acusações.

Nota do Magnum

“Nesta sexta-feira, 4 de
outubro, a direção da escola ouviu os relatos dos pais sobre a mudança de
comportamento do filho e sobre a conduta de um colaborador. Imediatamente,
foram colocadas à disposição da família as assessorias jurídica e psicológica,
e o profissional envolvido foi afastado de suas funções para auxiliar na
transparência das apurações.

No domingo, todos os
gestores e coordenadores de Ensino e Formação da instituição estarão reunidos
para estabelecerem medidas de apoio aos familiares e ao corpo discente, em
relação ao caso. Também foi agendada uma reunião com os pais da turma do aluno,
que será realizada na segunda-feira, 7 de outubro.

A instituição está à
disposição dos órgãos competentes e empenhada para que tudo seja esclarecido
com urgência e celeridade”.

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários