Home NotíciasBHProfessores anunciam paralisação e escolas de BH não funcionarão nesta sexta

Professores anunciam paralisação e escolas de BH não funcionarão nesta sexta

Os professores da rede municipal anunciaram suspender as aulas nesta sexta-feira (11) em repúdio às agressões ocorridas na quarta (9), durante sessão que discute o projeto “Escola Sem Partido”, na CMBH (Câmara Municipal de Belo Horizonte). A Secretaria Municipal de Educação, por sua vez, afirma que tem “autonomia legal sobre o calendário escolar e não suspendeu as aulas em nenhuma escola da capital”.

Às 13h30 desta sexta, o sindicato dos professores alegaram que 80% das escolas municipais estavam sem aulas. Já a secretaria afirmou que 94% “estão tendo aulas”.

Leia mais: UFMG pede doações para estudantes carentes utilizarem o ensino remoto

Ainda nesta sexta, os professores marcaram uma manifestação às 14h, em frente à CMBH. “É uma paralisação em repúdio as agressões e reforçando nossa luta contra o ‘projeto escola com mordaça’. Não podemos aceitar esse tipo de comportamento contra os professores”, disse um dos diretores do Sind-Rede (Sindicato dos Trabalhadores em Educação da Rede Municipal de Belo Horizonte), Daniel Wartil.

A paralisação ocorrerá somente nesta sexta, no entanto, as aulas só serão retomadas no dia 21 de outubro, já que, na semana que vem, haverá o recesso escolar.

Leia mais: Bolsonaro confirma pastor Milton Ribeiro como novo ministro da Educação

Escola Sem Partido

O tema divide opiniões
nas reuniões plenárias. Está em votação no Plenário o Projeto de Lei 274/17,
que determina a criação do Programa Escola sem Partido, disciplinando o
exercício docente nas unidades de ensino da capital.

A proposta buscaria,
entre outras diretrizes, garantir o “direito dos pais sobre a educação
religiosa e moral dos seus filhos”, proibindo que as escolas se envolvam na
orientação sexual dos alunos ou que apliquem o que o projeto define como
“ideologia de gênero”.

De acordo com o vereador
Gilson Reis (PCdoB), que se opõe ao projeto, a matéria deve avançar pelo
tamanho da bancada cristã, mas não deve ir longe, pois trata-se de um tema
inconstitucional.

“É um projeto que
interfere no livre direito da cátedra, o Supremo Tribunal Federal (STF) quando
tratou desse assunto entendeu que se tratava de um projeto inconstitucional. O
professor tem direito de ensinar aos alunos o que está previsto nos livros, nas
bases, nas constituições, no plano nacional de educação etc. Esse é o princípio
básico da educação”, afirma.

Rafael D'Oliveira

Rafael D'Oliveira

Repórter do BHAZ desde janeiro de 2017. Formado em Jornalismo e com mais de cinco anos de experiência em coberturas políticas, econômicas e da editoria de Cidades. Pós-graduando em Poder Legislativo e Políticas Públicas na Escola Legislativa.

Comentários