Home Notícias Minas Gerais Aluno invade escola e atira em colegas em MG

Aluno invade escola e atira em colegas em MG

Sinara Peixoto, Guilherme Gurgel e Vitor Fórneas

Um adolescente, de 17 anos, invadiu uma escola e atirou contra os colegas em um distrito de Caraí, no Vale do Jequitinhonha, na manhã desta quinta-feira (7). Dois alunos, de 16, foram atingidos e um deles deu entrada no hospital em estado grave.

A invasão foi na Escola Estadual Orlando Tavares, que atende alunos do 6º ano do ensino fundamental ao 3º do Ensino Médio.

De acordo com a PM (Polícia Militar), cerca de 300 alunos estavam em aula, quando, por volta das 8h, o adolescente surgiu atirando.

O motivo do ataque foi uma “frustração amorosa”, conforme informou ao BHAZ, o tenente-coronel Fábio Ramalho, comandante do 19º Batalhão da Polícia Militar de Teófilo Otoni. “Ele nos disse que tentou namorar duas garotas da escola, mas que ambas negaram. Isso aconteceu já tem um tempo, mas ele ainda não tinha superado a frustração amorosa e, por isso, resolveu planejar o ataque”, disse.

+ ‘Frustração amorosa’ motivou ataque a tiros de adolescente em escola de Minas

Os alvos do adolescente eram as garotas que não aceitaram o namoro com ele. Funcionários da instituição conseguiram auxiliar os alunos na fuga e uma professora impediu que o atirador entrasse em uma sala, pois fechou a porta.

O atirador e outros dois jovens, suspeitos de envolvimento no crime, foram detidos. Os supostos participantes foram liberados, por falta de provas. A PM também prendeu o padrasto do atirador, de 80 anos, pelo crime de omissão de cautela. “Esse crime é previsto no Estatuto do Desarmamento e o idoso foi preso, pois permitiu fácil acesso do adolescente à arma”, explicou o tenente-coronel.

Os adolescentes feridos foram levados para o Hospital Nossa Senhora Mãe da Igreja, em Padre Paraíso. Um deles, precisou receber transfusão sanguínea, pois o tiro atingiu o pescoço.

O presidente da unidade de saúde, Marcos Vinícius Alves Luiz assinou uma nota, publicada nas redes sociais, informando que foi ofertado “o suporte dos serviços de assistência social e psicológico” para os familiares das vítimas e a outros estudantes.

Comentários