Home Patrocinado 5 mitos e uma verdade para quem quer morar em Lagoa Santa

5 mitos e uma verdade para quem quer morar em Lagoa Santa

#Publipost – Esta publicação é patrocinada

Lagoa Santa, assim como qualquer cidade, possui seus mitos e lendas. Desde a fundação da cidade, passando pelo seu nome e suas histórias, é possível nos depararmos com “causos” que precedem o lugar. O problema é quando estes mitos tomam proporções maiores e se desconectam da realidade. Em vários momentos, continuam sendo lendas. Em outros, dão uma perspectiva errada do que se espera da cidade.

Por isto, esta matéria vai além do que se conta sobre Lagoa Santa. Vamos ficar por dentro de tudo sobre a cidade? Saiba também sobre o caos que tem sido a distribuição de água em Lagoa Santa, mas com uma solução para você, que deseja morar na cidade, não enfrentar esse problema.

Se você pensa em adquirir um lote ou construir na região metropolitana, o Condomínio Versailles Ville de France é o seu lugar! Fica a apenas 10 minutos do centro de Lagoa Santa que, por sua vez, está a apenas 30 minutos da capital mineira.

A cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, com pouco mais de 63 mil habitantes (IBGE 2018) e localizada a 35 km da capital, tem seus encantos culturais, naturais e arqueológicos, muito mais do que somente lendas.

Os mitos do bem que envolvem a fundação da cidade

Nem toda lenda repercute de maneira negativa em Lagoa Santa. Duas delas – talvez as mais importantes -, estão no imaginário popular de maneira respeitosa e envolvente.

A primeira lenda conta a história de Lagoa Santa, explicando que o município recebeu este nome devido ao suposto poder curativo da água de sua lagoa. O desbravador do local, Felipe Rodrigues, teria se curado de eczemas na perna após lavá-la em uma das lagoas locais. O milagre repercutiu em meados do século XVIII e após ele, o bispo Dom Frei Manuel da Cruz autorizou a construção da capela em homenagem a Nossa Senhora dos Remédios.

A outra história fala sobre uma mulher que aparecia no meio da lagoa, junto à uma cruz de prata, e que afogava os homens que tentavam roubá-la. Eles eram arrastados por um redemoinho e morriam afogados pela ambição. Esta história tem semelhança a outras do folclore brasileiro, como a lenda indígena de Iara.

Mitos que não se justificam pelos fatos

Contudo, desde a fundação de Lagoa Santa, em 1733, até os dias de hoje, há percepções sobre a cidade que não se justificam, e, por isso, merecem ser esclarecidos. Seja pelo histórico de segurança, trânsito, emprego, saúde e lazer, veja abaixo 5 mitos sobre Lagoa Santa que não se sustentam.

1 – O trânsito caótico não é uma realidade em Lagoa Santa

Lagoa Santa possui pouco mais de 63 mil habitantes e possui uma frota com índice menor do que a média nacional. Segundo dados oficiais do Detran, enquanto o país tem uma média de 3,87 habitantes por veículo, Lagoa Santa tem 3,34. Em comparação com outras cidades da região metropolitana, é possível perceber que o fluxo do trânsito de Lagoa Santa atende a normalidade de uma cidade pequena. Nova Lima tem índice de 3,11, Pedro Leopoldo 3,54, Rio Acima 3,92 e Contagem 3,06, mostrando similaridades, independendo do tamanho do município.

2 – Lagoa Santa é a cidade mais segura da região metropolitana

Violência se tornou um dos maiores problemas da atualidade. E quando se fala em segurança, há um mito muito questionado sobre Lagoa Santa. Acontece que, mesmo sem fundamento, ele continua sendo difundido, ainda que os números oficiais mostre o contrário. Segundo dados coletados pelo Sistema de Informações sobre Mortalidade (SIM) do Ministério da Saúde, Lagoa Santa é a cidade mais segura da região metropolitana de BH. A taxa de homicídio é de apenas 5,48 a cada 100 mil habitantes, enquanto outros locais, inclusive da região metropolitana, possuem índices até 8 vezes maiores, como é o caso de Ribeirão das Neves. Além disso, dos 853 municípios mineiros, Lagoa Santa está na posição 413.

3 – Emprego e geração de renda

Pela primeira vez desde 2005, quando foi elaborado o índice dos municípios mais desenvolvidos de Minas Gerais, Lagoa Santa figurou, em 2018, como um dos melhore lugares para se viver no estado. A informação é da Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro (Firjan) e mostra o município no 8º local estadual e 178º nacional.

A boa posição se dá pela capacidade de investimento e diversificação da economia na cidade, além do turismo pulsante do local.

4 – Saúde é uma das melhores de Minas Gerais

Lagoa Santa conta com 21 estabelecimentos de saúde, o que resulta em uma média acima da mineira e da nacional. Além disso, a taxa de mortalidade infantil é de 14,87, muito abaixo dos 26,3 registrados em todo o território brasileiro.

Vale destacar, ainda, o Hospital de Campanha de Lagoa Santa, que realiza grande contribuição nesta área.

5 – O índice da educação também é destaque em Lagoa Santa

Com taxa de alfabetização acima de 97%, Lagoa Santa possui excelentes índices nos anos iniciais do ensino fundamental. O IDEB da rede pública é de 6,5, muito acima dos 3,9 de Minas Gerais, ou ainda de outras cidades da região metropolitana. Os dados são do IBGE, que também mostra existir 35 escolas públicas no município.

O problema de fornecimento de água em Lagoa Santa

A falta de água em Lagoa Santa tem sido um problema recorrente na cidade. O fornecimento passa por dias ruins e parte da população segue questionando os serviços da Copasa.

Contudo, no Condomínio Versailles Ville de France, o fornecimento de água é realizado através de poços artesianos próprios e a distribuição, feita pela própria associação responsável pelo condomínio. Assim, você fica livre da falta de abastecimento que acomete grande parte da cidade.

Para quem não sabe, no poço artesiano a água é retirada direto dos aquíferos. E tem autonomia de uso pela associação responsável.

E aí, agora que você já conhece melhor Lagoa Santa, vamos espalhar as coisas boas da cidade? Além de tudo isso, ela possui lugares incríveis para visitação, como a Gruta da Lapinha, o Parque Estadual do Sumidouro e o Parque de Material Aeronáutico, aliando a tranquilidade das cidades pequenas com o desenvolvimento dos grandes centros urbanos.

Comentários