Home Notícias Política Moro reage a ataques de Lula: ‘Não respondo a criminosos’

Moro reage a ataques de Lula: ‘Não respondo a criminosos’

O ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, respondeu de forma breve e objetiva aos ataques do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva (PT). Desde sexta-feira (8), quando deixou a prisão, o petista dispara críticas destinadas ao ex-juiz, que o condenou em primeira instância.

No Twitter, Morro disse que não responde a “criminosos”. “Aos que me pedem respostas a ofensas, esclareço: não respondo a criminosos, presos ou soltos. Algumas pessoas só merecem ser ignoradas”, escreveu.

Neste sábado, em discurso a apoiadores, em frente ao Sindicato dos Metalúrgicos, em São Bernardo do Campo (SP), o ex-presidente Lula disse que Moro e o procurador chefe da força tarefa da Lava-Jato em Curitiba, Deltan Dallagnol, são mentirosos. “Falo sem rancor, o Moro é mentiroso. O Deltan é mentiroso”, disse o petista.

Mudança na Constituição

Na sexta-feira (8), Moro postou em sua rede social um vídeo no qual defende a mudança da Constituição para retorno da prisão em segunda instância. “Lutar pela Justiça e pela segurança pública não é tarefa fácil. Previsíveis vitórias e revezes. Preferimos a primeira e lamentamos a segunda, mas nunca desistiremos. A decisão do STF deve ser respeitada, mas pode ser alterada, como o próprio Min. Toffoli, reconheceu, pelo Congresso”, escreveu moro.

Na Câmara dos Deputados, os deputados da base governista querem que a PEC da Prisão em 2ª Instância (PEC 410/18) seja votada com urgência. Caso seja aprovada, a medida altera a Constituição permitindo a possibilidade de execução provisória da pena após a condenação em segunda instância.

No Senado, a presidente da Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), Simone Tebet (MDB-MS), anunciou que vai incluir na pauta da próxima reunião a proposta de emenda à Constituição (PEC 5/2019), que altera a legislação sobre a prisão em segunda instância. A proposta, de autoria do senador Oriovisto Guimarães (Podemos-PR), tem o mesmo objetivo, retomar a prisão em segunda instância.

Comentários