Home Notícias Esportes ‘Franga’ e ‘Maria’: Árbitro do clássico garante que vai parar o jogo caso ouça cantos homofóbicos

‘Franga’ e ‘Maria’: Árbitro do clássico garante que vai parar o jogo caso ouça cantos homofóbicos

O clássico entre Cruzeiro e Atlético acontece neste domingo (10), às 16h, no Mineirão. Fora das quatro linhas, o árbitro Jean Pierre Gonçalves Lima, escalado para a partida, promete rigor em relação a cantos homofóbicos entoados pelas duas torcidas. Em entrevista ao BHAZ, ele falou sobre essa situação nos estádios não ser mais tolerada e também a respeito dos termos “Franga” e “Maria”, considerados preconceituosos por especialistas ouvidos pela reportagem.

No decorrer dos últimos meses, a homofobia dentro dos estádios de futebol se tornou tema central de debates acalorados. O assunto esfriou após nenhum outro jogo, além de Vasco e São Paulo, no dia 25 de agosto, ser paralisado levando em conta a determinação do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva), que estipulou punições para coibir episódios de preconceito contra homossexuais em estádios. As medidas atendem à recente criminalização estabelecida pelo STF (Supremo Tribunal Federal) e a diretrizes da Fifa.

Contudo, isso não quer dizer que os cantos e xingamentos de cunho homofóbico cessaram. Muito pelo contrário: o BHAZ esteve em jogos de Cruzeiro e Atlético, confirmando que a prática continua. No clássico de domingo, a inércia diante de tais episódios pode mudar.

Para entender melhor a decisão do Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) de punir clubes com torcidas que entoam cantos homofóbicas, o BHAZ convidou, além do árbitro da partida, representantes de clubes, torcidas, Polícia Militar e Mineirão para falar do assunto.

Jean Pierre apitará o primeiro clássico mineiro após decisão do STJD e garante que a tolerância é zero para a homofobia e estará de olho nas torcidas. “Não só esse jogo, mas temos que ficar atentos sempre. É uma orientação da própria Fifa. Em todos os jogos, temos que ficar atentos e, sempre que houver [cantos homofóbicos], tomar as medidas necessárias”.

O árbitro conta que nem sempre é possível entender os cantos das torcidas. “Tem coisas que a gente escuta, mas tem momentos que não dá para ouvir nada porque a concentração é muito forte no jogo. Fica difícil até de entender o que está se falando. Mas, dentro do possível, prestamos atenção sim. Não só eu como toda a minha equipe”, relata.

Sobre os termos “Franga” e “Maria”, ele acredita que deve ser analisado como são ditos. “Olha, na verdade, tem que ver todo o contexto, para ver o que está falando, como está sendo aplicado. Preciso saber o que quer dizer, para me inteirar sobre isso. Não consigo fazer uma afirmação precisa agora. Todas as coisas devem ser analisadas, a gente não pode estar muito fechado a isso. Temos que ter essa abertura e entendimento, procurar se inteirar a isso. E é algo que eu vou estar fazendo”.

Contudo, para Bárbara Gonçalves, doutoranda em Psicologia e pesquisadora do Grupo de Estudos sobre Futebol e Torcidas (GEFuT), da UFMG, o contexto é bem claro. “Esses xingamentos, no qual coloca-se um nome feminino [Maria ou Franga], estão demarcando com quem eles [torcedores] querem e com quem não querem compartilhar aquele espaço. É uma ideia como se a heterossexualidade fosse a única possibilidade para essas pessoas”.

O árbitro lembra da questão cultural e defende que os clubes, além do próprio STJD, precisam apoiar no combate à homofobia. “Na verdade, essa questão cultural deve ser algo que os próprios clubes devem começar a coibir, com campanhas ou algo parecido. Isso aí é uma questão muito mais social que propriamente futebolística. O próprio tribunal [STJD] deve tomar as atitudes. Hoje em dia, o tribunal pode fazer denúncias através de vídeos, imagens, após os jogos. O que estiver dentro do nosso papel, de coibir, pode ter certeza que iremos fazer. A arbitragem estará atenta a tudo”, completa.

Medo de ir ao estádio

“Eu ia muito ao estádio quando era criança e depois adolescente. Meus pais, meus tios, me levavam muito. Eu cheguei a ir ao estádio sozinho, com amigos também. Eu parei de ir justamente por achar que é um ambiente hostil para as pessoas LGBTs. Eu me sentia e continuo me sentindo acuado de estar em lugares assim, em que as pessoas me usam como xingamento para a torcida adversária”, desabafa Rodrigo Gosling, goleiro do Bharbixas, time de futebol LGBT de Belo Horizonte.

Time do Bharbixas em evento no Mineirão (Bharbixas/Facebook/Reprodução)

Segundo Rodrigo, não é preciso ofender o adversário para poder exaltar seu time. “Nos campeonatos que o Bharbixas participa, por exemplo, isso fica muito claro. A torcida dá força para o time sem ofender o outro, e isso é muito mais legal. As pessoas ficam falando que o futebol está ficando chato, mas não. O futebol é legal quando você torce pelo seu time, não quando você humilha o time adversário. Eu acho que o futebol acontece dentro de quadra ou campo”, completa.

“Franga” e “Maria”

Muito usados pelas torcidas de Atlético e Cruzeiro, os termos “Franga” e “Maria” possuem uma determinação no feminino. “Antes de qualquer coisa, configura misoginia (ódio ou aversão às mulheres), pois considera-se o feminino como algo inferior. Quando você diz isso para um homem, você está tirando a qualidade do masculino e sobrepondo uma condição do feminino, sendo considerado um ato menor”, explica Carlos Mendonça, professor de Comunicação Social da UFMG.

De acordo com o professor, qualquer prática que pudesse ser do feminino daria, em um segundo momento, a ideia de passividade. “Só estariam envolvidas nessas práticas, sujeitos femininos ou afeminados. Temos também a questão da homofobia, porque vou classificar que as lógicas do desejo e do prazer de determinado grupo, seriam inferiores, fora do padrão ou anormais. Não é apenas você designar termos, é você designar termos no feminino. É escolher palavras que usam um artigo, a precedência do feminino. ‘Chupa, Maria!’, ‘Franga assanhada’, tudo isso vem de um comportamento misógino”, continua o professor.

O professor ainda afirma que isso não pode mais ser aceito pois, culturalmente, configura um ciclo de violência. “O ato de violência rompe a integridade física, sexual, moral ou psíquica da vítima. Então, quando estou praticando um ato que atinge a integridade de alguém, estou praticando uma violência. Pode-se dizer que não há uma pessoa nominada, mas há um grupo de sujeitos específicos, sim”, completa Carlos Mendonça.

Já Silvio Ricardo, que é doutor, professor e coordenador do GEFuT, lembra que o termo “Maria” em si, não é um xingamento. “Mas quando você chama de ‘Maria’ um homem, você está o feminilizando. E, a partir daí, por que isso vira um xingamento? Você não deseja isso para dentro do universo do futebol. Ou seja, na concepção heteronormativa, o feminino no futebol é algo indesejado, que não está de acordo com aquilo que se entende que deva ser o futebol. A questão do ‘Franga’ se remete ao Galo. Se o Galo é forte e vingador, conforme a torcida diz, aí surge a necessidade de ter o feminino do Galo. Os dois termos são para denominar alguém que tenha trejeitos que também não se adequam a esse universo do futebol”, explica.

Mudar é preciso

A mudança é algo inevitável, segundo o coordenador do GEFuT. “A medida que o tempo vai passando, que a sociedade vem se modificando, essas pessoas vão ficando obsoletas. Torna-se uma vergonha elas manterem essa condição. Deve-se perguntar para essas pessoas em que lado da história elas querem ficar. A mudança, a evolução que estamos passando, é irreversível, vai mudar, através de ações educativas e punitivas”, completa o professor.

Essa visão de que o futebol não está separado do contexto social também é defendida por Bárbara Gonçalves. “Então, se estamos inseridos em uma sociedade que é extremamente misógina, machista, homofóbica e sexista, no futebol não seria diferente. É preciso falar que o futebol é o último reduto da masculinidade hegemônica, que está vinculada a virilidade, disputa, questão de honra. A forma como se consegue diminuir a torcida adversária é sempre com a aproximação com o feminino, ou uma ligação com a homossexualidade, como se isso fosse, de fato, um problema. A justificativa é sempre que esse é o contexto do futebol, que é brincadeira. Com se fosse brincadeira ser violento com os outros”, avalia a doutoranda.

“A gente não tem que seguir o que está posto para sempre. Podemos encontrar alternativas de vivenciar o futebol que não seja por violência”, relata. Ela ainda explica que pode acabar com a graça do futebol para uns. “Mas para várias pessoas o futebol já não tem graça há muito tempo. Para as mulheres cis, trans, lésbicas, para os homens gays, trans, o futebol já não tem graça há um tempo para a comunidade LGBTQ+. Acho que, com essas mudanças, o futebol deve se tornar um espaço mais democrático”, completa.

Galo Ultras e Grupa: ‘Time do povo?’

O Galo Antifa é um coletivo de atleticanos antifascistas. Além dele, existe a Grupa, que é um coletivo de atleticanas feministas. “Buscamos sempre ir juntas para os jogos. Colaboramos para tentar tornar o estádio, dentro e fora, um lugar mais acolhedor e mais respeitoso tanto para mulheres héteros, quanto para pessoas LGBTs”, comenta uma integrante dos dois coletivos, que preferiu não se identificar, ao BHAZ.

Em uma última ação, foram impressos centenas de adesivos que alertam que homofobia é crime. “Sempre tentamos explicar que o futebol é legal, bacana, e não é necessário sem homofóbico para torcer para o seu time, não faz o menor sentido, inclusive. Qual o sentido de você usar da orientação sexual de alguém para diminuí-la, como se fosse uma ofensa? Porque não é. Isso é triste, e é uma violência”.

Ver essa foto no Instagram

Desde o jogo contra o Fortaleza, em todos os jogos em casa, nós da Grupa temos feito uma campanha no estádio para promover a conscientização da torcida atleticana que a homofobia é crime. O comportamento da torcida, inclusive, pode gerar punição ao clube por parte da CBF e Conmebol. Fizemos artes incríveis e distribuímos adesivos em campo, o que tem tido grande aceitação. No jogo contra o Fortaleza tivemos dificuldade de acesso ao estádio porque pessoas da segurança apontaram como manifestação política, o que não é. A luta contra a homofobia deveria ser uma constante, sobretudo se tratando de um crime. Acreditamos em um futebol que respeite a diversidade. Estaremos novamente com os adesivos no clássico!!! #Galo #Grupa #homofobiaécrime #chegadepreconceito #vivaadiversidade #lgbt #lgbtqia #diversidade #respeito

Uma publicação compartilhada por Grupa (@grupagalo) em

A integrante dos coletivos ainda explica que a torcida do Atlético tem cantos muito homofóbicos e machistas em relação ao principal rival, que é o Cruzeiro. “Envolve o xingamento de ‘Maria’, que é um nome de mulher, para poder diminuir o adversário. Se isso não é machismo, se não é homofobia, eu não sei o que é. Isso é ridículo e a torcida do Atlético tem que parar com isso. Se a Galoucura diz que continuará cantando (leia mais aqui), além de perder pontos, é um crime que está sendo cometido. A torcida do Atlético tem muitos torcedores LGBTs e fechar os olhos para essas pessoas, não faz do clube o ‘time do povo'”.

Para a integrante e torcedora, quando se vai para o estádio, é para honrar o time. “Vamos por amor ao nosso time. Tudo que o Atlético faz, tudo que colocam para vender, a gente compra. Gostamos do Galo, nos unimos pelo Galo. Tudo é feito a favor do Atlético. Para que precisamos desse posicionamento homofóbico? Qual o objetivo da torcida ao fazer isso? Não favorece o Atlético em nada. Precisamos cantar para o nosso time, é isso que é importante. A torcida do Galo tem muitas músicas bonitos. O nosso próprio hino é a coisa mais bonita que já escutei”, explica.

Facebook/Galo Ultras/Divulgação

A integrante dos coletivos levanta o questionamento: “Quando vamos fazer uma música para zoar o adversário, por que precisa ser homofóbica? Não estamos falando que não pode mais música de zoação. Existem maneiras muito mais divertidas de fazer isso”, explica.

Uma das forma de zoar o Cruzeiro, por exemplo, seria chamar o time de ‘cinzeiro’. “A gente está se referindo às cadeiras vazias do Mineirão. Isso deixa o cruzeirense com muito mais raiva, eu garanto. E dá para tirar o ‘Maria, eu sei que você treme’ (música tradicional da torcida atleticana), e substituir ‘Maria’ por cinzeiro. Não precisa disso, não faz o menor sentido”.

O futebol passa por uma mudança, tal com a sociedade, e a integrante dos coletivos garante que o processo não tem volta. “Querem que a gente fique calado, mas não vamos ficar. Muito pelo contrário, vamos falar muito até que isso acabe. Não é possível ainda que as minorias sejam caladas em prol dessa maioria que quer ser homofóbica a troco de nada. Falar que o futebol está ficando chato é uma desculpa para ser homofóbico, já que eles são homofóbicos e querem continuar com isso em uma espaço. Só que eles não vão ser mais, porque estaremos lá e não vamos deixar”, completa.

Resistência Azul Popular: ‘Há desconfiança’

O Cruzeiro também tem uma torcida que luta pelas minorias, a Resistência Azul Popular. “Temos um posicionamento pró-combate a homofobia, racismo, machismo e outras lutas. A nossa atuação é mais por via de diálogo, tentativa de convencer as pessoas, trocar ideia, apresentar argumentos. Entendemos que a homofobia é algo disseminado na sociedade, o futebol acaba sendo um reflexo disso. Não só a homofobia, mas tudo que acompanhamos no futebol, essa violência, é um reflexo da sociedade como um todo”, explica um integrante da torcida, que também preferiu não se identificar.

Para ele, é visto com “bons olhos” a iniciativa do STJD e da CBF. “Ao mesmo tempo, temos um pouco de receio. A gente temia exatamente essa reação das torcidas, de enfrentamento à decisão e não de acatá-la com tanta facilidade”.

Resistência Azul Popular/Facebook/Reprodução

O integrante da Resistência Azul, espera mais ações do clubes. “Não só no sentido de tratar como punição, mas de conscientização mesmo. Jogadores darem posicionamento, o próprio clube, a CBF, o STJD, tenham um papel conscientizador, para o reconhecimento das pessoas LGBTs”.

“Essa questão vem caminhando a passos muito lentos. Às vezes uma pessoa que concorda com as nossas pautas, chega no estádio e age mesmo no impulso, entoando os cantos homofóbicos. Há uma receptividade de uma parte da torcida, mas também há uma certa desconfiança das torcidas mais tradicionais pela nossa participação”, completa.

Mineirão é pioneiro na luta contra a homofobia

O estádio Mineirão tem se destacado nos últimos anos no quesito combate à homofobia. Em entrevista ao BHAZ, a gerente de Relações Institucionais do Mineirão, Ludmila Ximenes, explica que as campanhas começaram há três anos.

“Foi no Dia Internacional do Orgulho LGBT, que é dia 28 de junho. Resolvemos acender o estádio com as cores da bandeira LGBT. Parecia uma atitude muito simples mas, para nós, era ousado, justamente pelo futebol tratar essas pessoas de forma hostil. Colocamos as luzes justamente para levantarmos a discussão. Foi o primeiro estádio do Brasil a se posicionar a favor da causa”, explica.

Agência i7/Mineirão/Divulgação

De acordo com a gerente, na época, as redes sociais do estádio foram medidas, com um altíssimo número de comentários negativos. “Aproximadamente 40%. Ficou muito claro que precisávamos manter esse posicionamento, então o Mineirão continuou fazendo ações. Promovemos o primeiro casamento LGBT dentro de um estádio de futebol, partidas de futebol de times gays. De três anos para cá, conseguimos medir, em nossas redes sociais, uma melhora muito grande nesse ambiente”.

O estádio promete continuar na luta contra a homofobia e outras causas relevantes. “Com a decisão do STJD, o Mineirão está à disposição para ajudar os clubes da maneira que for demandado. Se quiserem utilizar os telões para ações de conscientização, sistema de som ou outros meios, daremos todo o suporte em qualquer campanha contra a homofobia. Da mesma forma como tratamos da luta contra o racismo, por igualdade de gênero e a favor das mulheres, para que elas possam se sentir confortáveis no estádio”.

A premissa do Mineirão é ser “um estádio de todos”. “Continuaremos trabalhando o público, que é de A a Z. Nós vamos sempre fazer a nossa parte para que qualquer pessoa seja muito bem recebida no estádio. Seja qual for a sua crença, orientação sexual, cor, o importante é que a festa seja sempre muito bonita. Assim como nós, esperamos que o torcedor faça desse ambiente cada vez mais um local de respeito e inclusão. Assim como o torcedor ‘raiz’ se sente bem no estádio, todos devem se sentir. Nós faremos a nossa parte, e esperamos que o torcedor faça a dele também”, completa.

Polícia Militar tem treinamento contra homofobia

A Polícia Militar explicou que agentes foram treinados para coibir esse tipo de crime e estão à disposição de qualquer torcedor durante jogos.

“Um absurdo esse tipo de comportamento de parte da população em pleno século XXI. Se alguma vítima se sentir injuriada pelos cantos ou quaisquer outros atos, ela deve acionar a Polícia Militar, para que se faça o registro. Até porque isso pode subsidiar em um inquérito para a Polícia Civil, para identificar possíveis pessoas”, afirma ao BHAZ o porta-voz da PM, major Flávio Santiago.

O militar explica também que a corporação realiza treinamentos para que os agentes saibam como se comportar diante de crimes homofóbicos. “Não só a questão LGBTQ+, mas também em relação à proteção aos grupos vulneráveis, e com muito veemência. A PM é uma garantidora de direitos e que todos os critérios constitucionais sejam cumpridos. Nós temos, hoje, militares treinados para lidar com toda a questão em relação à legislação da homofobia”, garante.

Em uma opinião pessoal, o major acredita que a sociedade deve caminhar junto com a polícia. “Ela [a sociedade] precisa ser parceira nesse processo de mudança tão histórico e tão importante que queremos. As pessoas não devem permitir e nem participar desses atos [homofóbicos]. Tudo o que é desrespeitoso e discriminatório deve ser rechaçado por todos, independente dos locais onde estejam”.

Punição

De acordo com o professor Silvio Ricardo da Silva, é fundamental que o clube seja punido quando esse tipo de ato acontecer. “É isso que traz a diferença. A partir da possibilidade da punição, como também é com a questão do racismo há algum tempo, é que os próprios torcedores vão se policiar. Antigamente, quando eu frequentava o estádio na minha adolescência, nós atirávamos objetos no campo. Por que não faz mais isso? Em função da possibilidade de punição. Por isso, é importantíssimo”, diz o professor.

Vale lembrar que orientação do STJD ocorreu após o STF (Supremo Tribunal Federal) criminalizar a homofobia em junho. Portanto, gritos homofóbicos podem não apenas prejudicar o clube – até com perda de ponto -, como também configuram crime:

  • “praticar, induzir ou incitar a discriminação ou preconceito” em razão da orientação sexual da pessoa poderá ser considerado crime;
  • a pena será de um a três anos, além de multa;
  • se houver divulgação ampla de ato homofóbico em meios de comunicação, como publicação em rede social, a pena será de dois a cinco anos, além de multa;
  • a aplicação da pena de racismo valerá até o Congresso Nacional aprovar uma lei sobre o tema.

+ Agora é crime! STF criminaliza homofobia e transfobia

Cruzeiro e Atlético se posicionam

Após a repercussão dos cantos homofóbicos e atos criminosos contra pessoas LGBTs nos estádios, Atlético e Cruzeiro se manifestaram contra a homofobia. Os dois clubes participaram de uma campanha que envolve todas as equipes da primeira divisão, em conscientização contra a homofobia, no dia 30 de agosto. Contudo, após essa data, os clubes não promoveram outras ações educativas contundentes.

Na época da campanha, o BHAZ entrou em contato com os dois times, que firmaram um compromisso de combate à homofobia.

De acordo com o Atlético, o clube já vinha fazendo campanhas contra a homofobia através de suas redes sociais. “O Clube Atlético Mineiro é um time de todos, que abrange todas as camadas sociais, e não permite nenhum tipo de preconceito. Durante os jogos, avisos nos telões e no sistema de som alertam o torcedor quanto à prática. Além da questão da punição por sanções, é válido lembrar que homofobia é crime, uma prática condenável, que não tem mais espaço na sociedade”.

Por nota (leia abaixo na íntegra), o Cruzeiro disse que está “trabalhando no sentido de reeducar nosso torcedor em relação ao assunto, que é de suma importância”. O clube também lembrou que está em uma campanha, junto com todos os times da Série A, contra a homofobia no futebol. O time azul também reforça que sabem que “uma campanha que não traz uma eficácia imediata, uma vez que os clubes não são os aplicadores da lei”.

Nota do Cruzeiro

“Quem vem acompanhando nossas redes sociais desde sexta-feira (30/08) pode perceber que participamos de uma campanha junto com os demais clubes da Série A, abordando a conscientização sobre homofobia nos estádios de futebol.

Conforme solicitação do STJD, estamos trabalhando no sentido de reeducar nosso torcedor em relação ao assunto, que é de suma importância.

Por outro lado, sabemos que se trata de uma campanha que não traz uma eficácia imediata, uma vez que os clubes não são os aplicadores da lei”.

Vitor Fernandes

Vitor Fernandes

Jornalista no Portal BHAZ

Comentários