Home NotíciasInternacionalJornalista portuguesa oferece negros como mercadoria na Black Friday

Jornalista portuguesa oferece negros como mercadoria na Black Friday

Um jornalista portuguesa, de uma das principais emissoras de TV de Portugal, tornou-se alvo de críticas nas redes sociais, ao longo das últimas horas, por conta de uma publicação feita no Facebook, nessa quarta-feira (27). Tânia Laranjo, da CM TV, postou imagem em que é possível ver dois negros sendo oferecidos como mercadoria para a Black Friday.

Leia mais: Filho de Claudia Leitte desmente mãe durante live e constrange cantora

Assim que o post de Tânia ganhou repercussão, internautas portugueses e de diferentes partes do mundo passaram a criticá-la. Alguns relacionaram a postagem da jornalista ao histórico escravocrata de Portugal. Escritor e ativista brasileiro pelos direitos humanos, Anderson França publicou um texto a respeito da situação. “Ela está fazendo exatamente isso que você está vendo ela fazer. Oferecendo negros, como mercadoria em promoção, no dia comercial do Black Friday”, escreveu o carioca em um trecho.

“Não há hipótese de uma pessoa sã e lúcida fazer isso por ‘brincadeira’, como ela tenta se defender na sequência. Jornalista do CM TV e no Correio da Manhã, não vai sofrer qualquer sanção, porque estes veículos, certamente, apoiam e protegem jornalistas que disseminam tais notícias”, disse em outro momento.

Pedido de desculpas

Leia mais: Motorista de ônibus morre após ser agredido por pedir uso de máscara

Depois de sofrer críticas, a jornalista voltou às redes sociais para dizer que é “angolana branca” e que tem familiares “angolanos pretos”. Segundo ela, a postagem em questão não tinha relação com a cor da pele das pessoas que aparecem na imagem. “Tem a ver com a inteligência”, escreveu Tânia.

Sou angolana, branca. Tenho na minha família, angolanos pretos. Temos todos sentido de humor. É uma cena que não tem a…

Posted by Tânia Laranjo on Wednesday, November 27, 2019

Para a página “Os truques da imprensa portuguesa”, no entanto, a justificativa é uma variação da expressão “tenho um amigo que é”. “Entretanto, Tânia Laranjo veio dizer que era ‘angolana branca’ e que tinha familiares ‘angolanos pretos’, numa variação do clássico ‘tenho um amigo que é’, esclarecendo que todos eles, independentemente da cor, têm sentido de humor, e acrescentando que esse humor ‘é uma cena que não tem a ver com a cor da pele'”, escreveu a página que tece críticas à imprensa local.

Em outro post, Tânia pediu desculpas “aos que se ofenderam” e justificou o ato dizendo não ser racista. “Agora falando a sério. Humor é humor. Nem todos gostamos das mesmas piadas. Mas não devemos matar o humor.
Não sou racista. Nunca fui. Brancos, amarelos ou azuis. Nasci em Angola e sou filha de angolanos. Não somos os colonizadores maus. Sou angolana e portuguesa”, escreveu a jornalista.

Agora falando a sério. Humor é humor. Nem todos gostamos das mesmas piadas. Mas não devemos matar o humor.Não sou…

Posted by Tânia Laranjo on Thursday, November 28, 2019

Na mesma postagem, ela ainda fez referência ao presidente norte-americano Donald Trump e ao brasileiro, Jair Bolsonaro. A jornalista disse, em outras palavras, que há pessoas abertamente racistas. “As críticas à Joacine e ao Mamadou não têm a ver com a cor da pele. Há brancos ‘rasgados’ nas redes sociais. Basta ver o Trump ou o Bolsonaro.
Aos que se ofenderam peço desculpa. Para os politicamente corretos e que usam os insultos nada tenho a dizer. Apenas que estava a brincar. Mais nada”, concluiu.

Joacine Katar e Mamadou Ba: Quem são?

As críticas contra Tânia Laranjo foram potencializadas principalmente por conta das pessoas que aparecem na imagem publicada por ela. A mulher em questão é Joacine Katar, deputada no Congresso Nacional português, a Assembleia da República. Além de parlamentar, ela é especialista considerada referência em Assuntos Africanos e, vira e mexe, é alvo de reportagens em que tem a aparência e a dificuldade de fala como destaques.

Já o homem é Mamadou Ba. Ele é um importante ativista afroportuguês que comanda a ONG SOS Racismo, uma das mais influentes no combate ao preconceito em Portugal e nos países da Europa. Mamadou já sofreu diversas agressões e denuncia a violência policial e outros preconceitos contra negros naquele país.

Até a publicação desta reportagem, nenhum dos dois se pronunciaram a respeito da postagem da jornalista Tânia Laranjo. A emissora em que ela trabalha, a CM TV, também não emitiu nenhum posicionamento.

Lei antirracismo

O ano de 2017, em Portugal, foi marcado pela mudança na lei de combate à discriminação. No dia 23 de agosto, entrou em vigor o novo regime jurídico de prevenção, proibição e combate à discriminação, em razão da origem racial e étnica, cor, nacionalidade, ascendência e território de origem.

Diferentemente do Brasil, onde o racismo e a discriminação são crimes inafiançáveis, em Portugal o fenômeno ainda é entendido como contraordenação, ou seja, como um comportamento violador da lei a que é dado menor relevância por ser considerado menos grave, e punível com multa.

A lei portuguesa busca reforçar, segundo a CICDR (Comissão para a Igualdade e Contra a Discriminação Racial), a proteção das vítimas. Uma mudança apontada pelo relatório anual foi a relativa ao ônus da prova, que dispensa a necessidade de prova por parte da vítima. Outra mudança foi o agravamento das multas aplicadas, com valor máximo de 4.289 euros, no caso de pessoa singular, e de 8.578 euros, no caso de se tratar de pessoa coletiva. No regime anterior, os limites máximos eram de 2.525 euros e de 5.050 euros, respectivamente.

Com Agência Brasil

Comentários